Notícias

23 de setembro de 2021

Concurso Livre-Docência – Profª Cristina Kurachi

 

Comunicamos que as provas do concurso para obtenção do título de livre-docente no qual se encontra inscrita a Profª. Drª. Cristina Kurachi, terão inicio no dia 27 de setembro de 2021, às 8h30, de forma remota.

Informações do concurso estão disponibilizadas abaixo:

Agenda dos Trabalhos

Ponto Sorteado para a Prova Escrita

Ponto Sorteado para a Prova Didática

Resultado do concurso – Quadro Notas

23 de setembro de 2021

Prêmio CBMM – Vídeo apresenta retrospectiva do trabalho do Prof. Vanderlei Bagnato

Ganhador do Prêmio CBBM de Ciência e Tecnologia – 2021, na área de “Ciência”, o Diretor do IFSC/USP, Prof. Vanderlei Salvador Bagnato, viu agora ser publicado um vídeo que retrata um pouco de sua vida acadêmica e científica, desde muito cedo norteada para a área da Saúde, numa incansável busca para resolver alguns dos mais pertinentes problemas que assolam a sociedade nessa área.

Esse caminho não tem sido fácil, contudo, o muito que o pesquisador já fez em prol da sociedade constitui um legado imensurável, numa contribuição que ficará certamente registrada na história da ciência brasileira e mundial.

Assista a esse vídeo, clicando imagem abaixo:

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

22 de setembro de 2021

Dias 25 e 26 de novembro – “I Congresso USP de Cultura e Extensão”

Realiza-se nos dias 25 e 26 de novembro do corrente ano o “I Congresso USP de Cultura e Extensão”, um evento, online que trará palestras e apresentações de trabalhos desenvolvidos por docentes, discentes e servidores técnico-administrativos da USP, em uma grande oportunidade para que toda a comunidade amplie seus conhecimentos e experiências sobre o que é fazer cultura e extensão universitária.

O Congresso propõe-se a ser uma conexão entre a Universidade e a sociedade, permitindo o contato entre os diversos atores que fazem extensão na USP e promovendo a interação entre as áreas do conhecimento.

A submissão de trabalhos está aberta entre os dias 22 de setembro e 18 de outubro.

Confira as normas, informações completas, cronograma e formulário para inscrição no site oficial do evento: http://extensao.usp.br/congresso.

Clique AQUI para assistir ao convite da pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

22 de setembro de 2021

“Inova USP São Carlos”: cidade reforça seu papel na inovação em prol da sociedade

A Universidade de São Paulo (USP) deu, no passado dia 21 de setembro, mais um passo importante para que a cidade de São Carlos se consolide como um importante polo regional de inovação ao serviço da sociedade, ao inaugurar na Área-2 do Campus USP da cidade  o “Inova USP São Carlos”, um espaço de 800m2 inteiramente dedicado ao desenvolvimento de ideias e projetos desenvolvidos por alunos e pesquisadores, e que irão gerar impactos positivos na sociedade. Neste espaço ficará instalada também a sede da Agência USP de Inovação – Polo local (AUSPIN).

Estiveram presentes neste evento os Reitor e Vice-Reitor da USP, na circunstância, Profs. Vahan Agopyan e Antonio Carlos Hernandes, o atual presidente do Conselho Gestor do Campus USP de São Carlos, Prof. Emanuel Carrilho, Prefeito de São Carlos, Sr. Airton Garcia, Secretário Municipal de Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Inovação, Prof. José Galizia Tundisi, Presidente da Câmara Municipal de São Carlos, Vereador Roselei Françoso, e o Diretor do Instituto de Física de São Carlos e coordenador do Projeto EMBRAPII, Prof. Vanderlei Salvador Bagnato.

Consolidando os trabalhos e projetos já executados nos últimos anos, esta cerimônia contou ainda com a assinatura de um protocolo de colaboração entre a USP e a Prefeitura Municipal de São Carlos no sentido de se realizarem projetos essencialmente voltados para a resolução de problemas que afetam a sociedade, bem como o desenvolvimento nas áreas de ensino e pesquisa. Conforme afirmou o Vice-Reitor da USP, a ideia é que a Universidade atue sempre como indutora de transformação “capaz de utilizar o conhecimento em uma iniciativa que transforme a comunidade”.

(Com informações de Erika Yamamoto – Jornal da USP / Foto: Henrique Fontes)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

21 de setembro de 2021

Anã Marrom – Um objeto subestelar

Figura 1 – As massas características de exoplanetas, anãs marrons e estrelas vão até 13, entre 13 e 80 e acima de 80 vezes a massa do planeta Júpiter, respectivamente (Crédito: NASA)

Por: Prof. Roberto N. Onody *

Pela ação da gravidade, nebulosas gigantescas de gases (na sua maioria, hidrogênio e hélio) e poeira dão origem a centenas e, às vezes, milhares de estrelas. Nesse berçário, a reação de fusão do núcleo do deutério (1 próton e 1 nêutron) com 1 próton para formar o núcleo do hélio3, é um estágio comum para as estrelas jovens – as protoestrelas. A temperatura de ignição dessa reação, gira em torno de um milhão de graus Celsius.

No Universo há pouca quantidade de deutério. Se a massa da protoestrela for muito grande, a contração gravitacional vai prevalecer sobre a expansão causada pela fusão do deutério, aumentando sua densidade e sua temperatura, até que esta atinja cerca de dez milhões de graus Celsius. Neste ponto, se inicia uma outra reação de fusão: núcleos de hidrogênio se fundem formando núcleos de hélio. A pressão de radiação, oriunda dessa reação, evita o seu colapso gravitacional. Nasce uma estrela.

Entretanto, se a massa da protoestrela for pequena o bastante e houver deutério suficiente, a contração gravitacional pode se equilibrar com a expansão provocada pela fusão de deutério. Nasce uma anã marrom.

Figura 2 – Temperaturas na superfície e idades estimadas: Sol (4,7 bilhões de anos), anã vermelha Gliese 229 A (3 bilhões de anos), anã marrom Teide 1 (jovem, 120 milhões de anos), anã marrom Gliese 229 B (velha, 3 bilhões de anos), anã marrom WISE 1828 (fria, 2 a 4 bilhões de anos) e Júpiter (4,6 bilhões de anos) (Crédito: MPIA/ V. Joergens)

Tipicamente, a massa de uma anã marrom gira em torno de 13 a 80 vezes a massa do planeta Júpiter (Figura 1). Anãs marrons mais massivas podem dar início à fusão de lítio (o núcleo do lítio mais abundante, tem 3 prótons e 4 nêutrons). Nesta reação, o núcleo de lítio se funde a 1 próton formando o Berílio8 que decai em 2 núcleos de helio4. A temperatura de ignição dessa reação é da ordem de 2,5 milhões de graus Celsius 1.

À medida que uma anã marrom consome o deutério, ela se contrai, aumentando a densidade e a pressão. Quanto mais velha a anã marrom, menor é o seu raio. O processo de contração gravitacional continua até que se atinja as temperaturas, pressões e densidades críticas (Tc ~ 3.000 K; Pc ~ 100.000.000 atm; 10 g/cm3 < ρc < 1000 g/cm3). Nesse ponto, há o efeito quântico da pressão de gás de férmions degenerados. Os férmions (elétrons, prótons e nêutrons) embora fortemente comprimidos, não podem ir para níveis mais baixos de energia, devido ao Princípio de Exclusão de Pauli. Isso evita o colapso gravitacional da anã marrom.

Na superfície de uma anã marrom, a temperatura varia, em geral, de 100 a 3.700 graus Kelvin (Figura 2), num processo de resfriamento que pode levar algumas centenas de milhões de anos ou mais. As anãs marrons mais quentes têm cor laranja ou vermelho, enquanto as mais frias têm cor magenta (para o olho humano). Para uma lista de anãs marrons (última atualização em 30/08/2021) veja referência 2.

A existência de anãs marrons foi teoricamente prevista pelo astrônomo norte-americano Shiv Kumar em 1962. Mas, foi somente em 1995 que houve a comprovação experimental definitiva (Figura 3). Curiosamente, essa anã marrom (batizada de Gliese 229B) foi encontrada junto a uma anã vermelha (Gliese 229A), uma estrela pequena que já tem massa suficiente para iniciar a reação de fusão do hidrogênio. Como uma anã vermelha funde hidrogênio em hélio muito lentamente, a sua expectativa de vida é muito alta – de centenas de bilhões a trilhões de anos! (mais do que a idade estimada do universo que é de 13,7 bilhões de anos). Para comparar, o nosso Sol tem 4,5 bilhões de anos de idade e expectativa de mais 5 bilhões de anos de vida. Tanto o Sol quanto as anãs vermelhas devem terminar suas vidas como anãs brancas.

Figura 3 – O sistema binário Gliese 229, composto de uma anã vermelha e uma anã marrom, está a uma distância de 19 anos-luz da Terra. A anã marrom, Gliese 229B, tem massa entre 20 a 50 vezes a massa do planeta Júpiter (Crédito: NASA/JPL)

A anã marrom mais próxima da Terra está no sistema Luhman 16 3, a uma distância de cerca de 6,5 anos-luz (1 ano-luz é, aproximadamente, 63 mil vezes a distância Terra-Sol). Na verdade, Luhman 16 é um sistema binário composto por 2 anãs marrons. É o terceiro sistema mais próximo da Terra. O sistema estelar mais próximo da Terra é triplo – Alpha Centauri, com 2 estrelas semelhantes ao nosso Sol e uma anã vermelha. Está a uma distância de 4,37 anos-luz. Em seguida, vem outra anã vermelha – a Barnard, que se encontra a 6 anos-luz da Terra.

As anãs marrons são difíceis de serem detectadas. Tanto é assim, que mesmo a mais próxima (no sistema binário Luhman 16) só teve sua existência confirmada em 2013!

Vários fatores colaboram para essa dificuldade. As anãs marrons têm diâmetros muito pequenos, comparável aos de planetas gigantes tipo Júpiter. As temperaturas na sua superfície são bastante baixas, de modo que elas brilham muito pouco no comprimento da luz visível. A sua radiação é mais intensa no comprimento da luz infravermelha. Portanto, para que a descoberta de novas anãs marrons deslanchasse, foi antes necessário, o desenvolvimento e aprimoramento de novos dispositivos detectores no infravermelho. Isso de fato aconteceu, e veio na esteira da busca por exoplanetas. Hoje, já são conhecidos milhares de exoplanetas e anãs marrons.

O primeiro exoplaneta orbitando uma anã marrom foi detectado em 2004, através do telescópio VLT (Very Large Telescope) que fica no deserto do Atacama, Chile 4. Batizado de 2M1207b, ele está a aproximadamente 170 anos-luz da Terra. Sua massa foi estimada entre 3 a 10 vezes a massa de Júpiter e sua distância à anã marrom é cerca de 40 vezes a da Terra-Sol (aproximadamente, a distância Plutão-Sol).

Em 2003, a NASA lançou o seu primeiro observatório com instrumentos específicos para análise da luz infravermelha – o telescópio espacial Spitzer. Entre seus múltiplos resultados, se encontra a descoberta da anã marrom com menor período de rotação – a 2MASS J03480772-6022270 (aproximadamente, 1 rotação completa por hora).

Em 2009, a NASA lançou o satélite espacial WISE (Wide-field Infrared Survey Explorer) que detectou centenas de novas anãs marrons. Entre elas, dezenas de anãs marrons muito frias, incluindo a mais fria observada até hoje – a WISE 0855-0714, cuja temperatura da superfície está entre – 48 e – 13 oC.

Na busca por novos exoplanetas, a NASA programou 2 missões: a primeira com o telescópio espacial Kepler, que durou de 2009 a 2018 e a segunda, com o lançamento do satélite TESS 5 (Transiting Exoplanet Survey Satellite) em 2018. Ambas se baseiam na observação de exoplanetas quando eles estão em trânsito, isto é, passando em frente, bloqueando parcial e temporariamente, a luz estelar. Este método permite estimar o diâmetro, a massa, o período de rotação e até obter alguma informação sobre a composição atmosférica do exoplaneta.

Em 2014, astrônomos analisando cerca de 64 anãs marrons, notaram que muito poucas tinham massas entre 35 e 55 vezes a massa de Júpiter. Eles denominaram essa região de ‘deserto de anãs marrons’. Até hoje, já foram detectadas cerca de 3.000 anãs marrons, a mais distante a, aproximadamente, 23 anos-luz.  Estima-se que a nossa Via-Láctea contenha de 50 a 100 bilhões de anãs marrons.  A NASA prevê para dezembro de 2021, o lançamento do telescópio espacial James Webb 6, que deverá substituir o honorável Hubble (que forneceu milhares de imagens fantásticas e informações sobre o mundo em que vivemos). Então, as anãs marrons, essas estrelas que não deram certo, terão muitos dos seus segredos revelados.

*Físico, Professor Sênior do IFSC – USP

e-mail: onody@ifsc.usp.br

(Agradecimento: ao Sr. Rui Sintra da Assessoria de Comunicação)

Referências:

1Brown dwarf – Wikipedia

2 List of brown dwarfs – Wikipedia

3 K. Luhman, Astrophysical Journal Letters767 (1): L1 (2013)

https://doi.org/10.1088%2F2041-8205%2F767%2F1%2FL1

4 G. Chauvin et al., Astronomy and Astrophysics425 (October 2004), pp. L29–L32

https://doi.org/10.1051%2F0004-6361%3A200400056

5 About TESS | NASA

6 James Webb Space Telescope – Webb/NASA

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

17 de setembro de 2021

Artigos do IFSC/USP mais citados no Essential Science Indicators – Bimestre Maio/Junho de 2021

A Biblioteca do IFSC/USP apresenta os artigos científicos produzidos pelos seus docentes e pesquisadores que foram identificados como interessantes no bimestre de maio/junho  de 2021 pela Essential Science Indicators, um dos produtos de citação da agência Clarivate Analytics/Thomson Reuters. Lembramos que o acesso ao texto completo é liberado para comunidade USP ou quem tem acesso ao Portal CAPES.

Para mais informações: sbiprod@ifsc.usp.br

ÁREA:   Agricultural Sciences

Development of cellulose-based bactericidal nanocomposites containing silver nanoparticles and their use as active food packaging

ÁREA:   Chemistry

A review on chemiresistive room temperature gas sensors based on metal oxide nanostructures, graphene and 2D transition metal dichalcogenides

Emergence of complexity inhierarchically organized chiral particles

Folding of xylan onto cellulose fibrils in plant cell walls revealed by solid-state NMR

Molecular docking and structure-based drug design strategies

Plasmonic biosensing: focus review

Yolk-shelled ZnCo2O4 microspheres: Surface properties and gas sensing application

ÁREA:   Clinical Medicine

Prevention of viral transmission during lung transplantation with hepatitis C-viraemic donors: an open-label, single-centre, pilot trial

ÁREA:   Materials Science

A non-volatile organic electrochemical device as a low-voltage artificial synapse for neuromorphic computing

ÁREA:   Molecular Biology & Genetics

Functional and evolutionary insights from the genomes of three parasitoid Nasonia species

ÁREA:   Physics

Analyzing and modeling real-world phenomena with complex networks: a survey of applications

Antiproton flux, antiproton-to-proton flux ratio, and properties of elementary particle fluxes in primary cosmic rays measured with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

Boosting the sensitivity of Nd3+-based luminescent nanothermometers

Bose-Einstein condensation: twenty years after

Observation of new properties of secondary cosmic rays lithium, beryllium, and boron by the alpha magnetic spectrometer on the International Space Station

Precision measurement of the boron to carbon flux ratio in cosmic rays from 1.9 GV to 2.6 TV with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

Precision measurement of the helium flux in primary cosmic rays of rigidities 1.9 GV to 3 TV with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

Precision measurement of the proton flux in primary cosmic rays from rigidity 1 GV to 1.8 TV with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

The Kuramoto model in complex networks

The Pierre Auger Cosmic Ray Observatory

Towards understanding the origin of cosmic-ray positrons

ÁREA:   Space Science

Design concepts for the Cherenkov Telescope Array CTA: an advanced facility for ground-based high-energy gamma-ray astronomy

Detection of variable VHE γ-ray emission from the extra-galactic γ-ray binary LMC P3

Introducing the CTA concept

Multi-messenger observations of a binary neutron star merger

Observation of a large-scale anisotropy in the arrival directions of cosmic rays above 8 x 1018 eV

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

16 de setembro de 2021

IFSC/USP inicia novo tratamento para capsulite adesiva (ombro congelado)

Com a inauguração da nova Unidade de Terapia Fotodinâmica (UFT), sediada na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC) mediante uma parceria entre essa instituição e o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), uma série de novas pesquisas realizadas no Grupo de Óptica do IFSC/USP proporcionam oferecer à sociedade tratamentos para diversos tipos de doenças, a maioria delas como consequência, ou efeito colateral, de quem teve Sars-CoV-2 (Covid-19), ou de quem ficou isolado em sua residência, ou hospitalizado por longo tempo.

Desta forma, a UTF iniciou no dia 13 deste mês a convocação de pacientes voluntários para tratamentos de dores e inflamação provocadas por  artrite, prevenção e tratamento para a má circulação sanguínea nos membros inferiores, tratamento de úlceras venosas e tratamento da capsulite adesiva (ombro congelado), tudo através de novos protocolos com a utilização de equipamentos desenvolvidos pelo IFSC/USP. Hoje vamos falar da capsulite adesiva e de um artigo científico publicado recentemente no Journal of Novel Physiotherapies sobre um caso concreto relativo a este novo tratamento que agora está disponível na UTF.

As causas da capsulite adesiva não estão bem determinadas, mas dentre as possibilidades encontram-se alguns fatores, como traumatismo (com ou sem fratura associada), cirurgias, ou causas sistémicas, como a diabetes ou doenças da tiróide. Rigidez muscular e dor são os principais sintomas, que limitam os movimentos ativos e passivos do ombro. A prevalência é estimada entre 2% a 5% da população geral, sendo as mulheres de 40 a 60 anos a população mais acometida pela doença.  Dentre os diversos tipos de tratamento atualmente aplicados contam-se a termoterapia, crioterapia eletroterapia, cinesioterapia e massagem direta, com um período de recuperação que varia entre 2 e 3 anos.

A fisioterapeuta bolsista Ana Carolina Negraes Canelada, mestranda em Biotecnologia pelo Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e participante no Projeto Fotodinâmica do IFSC/USP,  em parceria com a SCMSC, é a autora principal do artigo científico acima citado, tendo como foco a avaliação do caso de um paciente de 57 anos, da cidade de São Carlos, que apresentava os dois ombros comprometidos, com bastantes dores e impedindo movimentos, como a flexão dos ombros, abdução e rotação interna. “O paciente foi submetido a este novo tratamento, utilizando um novo equipamento portátil desenvolvido pelo IFSC/USP, constituído por duas esferas que, conjugadas com a aplicação de laser, ao deslizarem  e comprimirem o músculo afetado, provocam a mobilização da fácia muscular (pele que envolve o músculo), promovendo uma recuperação da amplitude do membro. Aplicado durante 15 minutos, duas vezes por semana, verificou-se que no espaço de seis semanas o paciente teve uma recuperação total de todos os movimentos, sem qualquer vestígio de inflamação e com ausência completa de dores, colocando-o, assim, apto para o trabalho normal”, relata Ana Carolina, salientando que estes resultados mostram uma nova e promissora possibilidade de tratamento para a capsulite adesiva (ombro congelado), permitindo o retorno da qualidade de vida aos pacientes em menos tempo.

Para conferir o artigo científico, clique AQUI.

Este tratamento estará sendo feito na UTF às terças e quintas, entre as 08h00 e as 17h00.

Nas duas primeiras imagens observa-se o paciente com comprometimento na mobilidade antes do tratamento. Nas duas imagens inferiores, o paciente após o tratamento

Para informações e marcações, ligue (16) 3509-1351.

(Banner/Imagem – Bruno de Souza Teixeira)

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

13 de setembro de 2021

Vaga para pós-doutorado (bolsa FAPESP) – Grupo de Biotecnologia Molecular (IFSC-USP)

O Grupo de Biotecnologia Molecular do Instituto de Física de São Carlos (IFSC-USP) oferece oportunidade de Pós Doutorado financiado pela FAPESP em estudos de biologia molecular e estrutural das enzimas que participam da degradação de polissacarídeos de biomassa lignocelulósica, sob supervisão do Prof. Igor Polikarpov.

O objetivo geral deste projeto – Estudos estruturais e funcionais de enzimas que participam na síntese e degradação de carboidratos complexos – é desvendar mecanismos moleculares relacionados à depolimerização enzimática de parede celular de plantas, com ênfase especial nos estudos das mono-oxigenases líticas de polissacarídeos (LPMOs).

Os candidatos devem possuir sólida experiência em estudos envolvendo biologia molecular, expressão, purificação e caracterização bioquímica e biofísica de enzimas ativas na degradação de carboidratos complexos (CAZymes). A experiência em produção heteróloga de enzimas usando fermentação é desejável.

Para o desenvolvimento desse projeto, o pesquisador será subsidiado com uma bolsa de Pós Doutorado, fornecida pela FAPESP, com duração de 12 meses, no valor mensal de R$ 7.373,10 e que inclui Reserva Técnica equivalente a 10% do valor anual da bolsa para atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa.

Os candidatos devem enviar, por e-mail, Currículo Vitae/Currículo Lattes, incluindo referências para o professor Igor Polikarpov no e-mail ipolikarpov@ifsc.usp.br até 09 de outubro 2021.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

13 de setembro de 2021

IFSC/USP inaugura Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF)

Reforçando uma antiga parceria existente entre o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC), realizou-se no dia 08 de setembro, no período da manhã, a inauguração da nova Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF), um serviço que iniciou suas atividades em 2015 (VER AQUI), mas que foi interrompido em 2020 devido à pandemia, tendo realizado nesse período 40 mil procedimentos, que beneficiaram 4 mil pessoas oriundas não só da cidade de São Carlos e região, como de todo o País. Nesse período de tempo, o IFSC/USP desenvolveu oito projetos de pesquisa, a saber: tratamento dos efeitos causados por fibromialgia, tratamentso de efeitos causados por artrose, tratamentos de efeitos causados pela Doença de Parkinson, tratamentos de mucosite, tratamentos de onicomicose, tratamentos de câncer de pele, tratamentos de úlceras venosas e desenvolvimento de bioimpedância.

Com casa nova localizada na Rua IV de novembro, bem na esquina com a “Santa Casa Clínicas”, a nova Unidade irá testar novos desenvolvimentos tecnológicos e tratamentos em quatro pesquisas específicas, a saber: capsulite adesiva (ombro congelado); dores e inflamação provocadas por artrite; prevenção para a má circulação sanguínea nos membros inferiores; e tratamento de úlceras venosas através de um novo equipamento.

Provedor da SCMSC, Dr. Antonio Valério Morillas Jr.

A cerimônia de inauguração ocorreu no Auditório “Alois Partel”, localizado no edifício da Santa Casa da Misericórdia de São Carlos, tendo contado com a presença do Provedor da SCMSC, Dr. Antonio Valério Morillas Jr., Diretor do IFSC/USP, Prof. Vanderlei Bagnato, Secretário Municipal de Saúde de São Carlos, Marcos Palermo, em representação do Prefeito Airton Garcia, Diretor do Instituto de Química de São Carlos (IQSC/USP), Prof. Emanuel Carrilho, representante do Presidente da Câmara Municipal de São Carlos, Rogério Gianlorenzo, e o Vereador Edson Hel, da Câmara de Vereadores de Araraquara, entre diversos outros convidados pertencentes aos quadros da SCMSC e IFSC/USP e empresa MMOPTICS.

Coube ao Provedor da SCMSC abrir a sessão, tendo enaltecido os projetos e trabalhos desenvolvidos pela SCMSC e pelo diretor do IFSC/USP e de seu grupo de pesquisa, tudo se traduzindo em “(…) um bem incalculável para toda a população da cidade de São Carlos, da região e do País. O Prof. Vanderlei Bagnato é um benfeitor da humanidade”.

Diretor do IFSC/USP, Prof. Vanderlei Bagnato

Agradecendo em primeiro lugar ao corpo médico e assistencial da SCMSC por tudo quanto têm feito pela cidade, o Prof. Vanderlei Bagnato foi o orador seguinte, tendo destacado que o trabalho desenvolvido pelo IFSC/USP nunca teve o intuito de “aparecer” na media como um “show”. “Nós fazemos este trabalho porque é nossa obrigação como cientistas que somos”, destacou o Diretor do IFSC/USP. “Somos um grupo científico que trabalha com fundamentos da matéria e o nosso foco é tentar resolver, ou pelo menos minimizar, os problemas relacionados com a saúde das pessoas”, explicou Bagnato, tendo acrescentado a importância de combater as doenças crônicas, já que elas constituem um problema que impacta nas necessidades sociais, econômicas e de saúde pública. Ao exemplificar a situação de pessoas que sofrem com fibromialgia e/ou com Doença de Parkinson, o Diretor do IFSC/USP chamou a atenção para outro grande desafio que precisa ser vencido, que é a necessidade de tratar as pessoas que sentem na pele os efeitos secundários deixados pela pandemia, não só aquelas que contraíram a doença, mas todas as outras que foram obrigadas a ficar em casa, quase imobilizadas e que precisam de uma reabilitação eficaz. Em face a isso, o Prof. Vanderlei Bagnato afirmou que o Instituto de Física de São Carlos e a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos não irão parar por aí. “A longa parceria entre nossas duas instituições, que se reforça com a oferta deste novo serviço, traduz-se num trabalho que estará conectado com médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, pesquisadores e restante pessoal, sendo que a partir das 09h00 da próxima segunda-feira (13/09) ficará aberta a participação de voluntários para tratamentos que se enquadrem nestas novas pesquisas”, enfatizou o Diretor do IFSC/USP.

Por sua vez, para o Secretário Municipal de Saúde de São Carlos, Marcos Palermo, que foi o último orador desta sessão, a Unidade de Terapia Fotodinâmica é uma oferta generosa para toda a população, um serviço gratuito, de excelência, baseado na ciência e na medicina, circunstância que permite uma aproximação mais efetiva das universidades ao poder público, um projeto que ele próprio está comandando para levar ao Prefeito Airton Garcia.

Descerramento da placa comemorativa da inauguração – Secretário Municipal de Saúde de São Carlos, Marcos Palermo, Diretor do IFS/USP, Prof. Vanderlei Bagnato e Provedor da SCMSC, Dr. Antonio Valério Morillas Jr.

Para fazer sua inscrição em algum destes novos tratamentos, ligue – (16) 3509-1351

(Fotos: Ricardo Rehder/IFSC-USP – Transmissão ao vivo pelo Youtube do IFSC/USP e CEPOF / Anderson Muniz, Brás José Muniz e Marcel Firmino – PROVE)

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

13 de setembro de 2021

Biblioteca do IFSC/USP reabre para atender presencialmente sua comunidade

Espaço “24 horas”

A Biblioteca do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) reabriu no passado dia 23 de agosto as suas portas para atender, de forma presencial e em um primeiro momento, sua comunidade interna, bem como a comunidade do Campus USP de São Carlos – alunos de graduação e de pós-graduação, bem como docentes e servidores não docentes.

A segurança e proteção de todos os usuários e servidores estão devidamente asseguradas na entrada e permanência no espaço denominado “24 horas”, que são feitas por intermédio do cartão USP, como também pela verificação constante do número de usuários presente no interior das dependências da Biblioteca, restritas ao espaço apenas dedicado ao estudo, sendo que as salas de estudo em grupo ficarão fechadas para evitar aglomerações. Limpeza e desinfeção diária de todo o piso, manutenção periódica do sistema de ar-condicionado, com troca constante de filtros, distanciamento entre as mesas de trabalho – que reduz drasticamente o número de pessoas -, obrigatoriedade do uso de máscaras o tempo todo, álcool-gel para desinfeção das mãos e álcool 70% para a limpeza e descontaminação de mesas e objetos, tudo foi pensado para que esta reabertura parcial, presencial, possa auxiliar a comunidade a retomar suas atividades de forma gradual e segura, obviamente com um foco especial nos alunos.

Ana Mara Prado

Ana Mara da Cunha Prado, responsável pela Biblioteca, enfatiza o fato dos usuários estarem impedidos de acessar a área do acervo. “Qualquer usuário que necessite de um livro ou de outro documento que esteja no acervo deverá solicitar diretamente à equipe de atendimento que se encontra de serviço todos os dias úteis, entre as 08h00 e as 18h00, tudo para que seja evitado qualquer tipo de contaminação cruzada”. Para reforçar ainda mais a segurança dos usuários, o Diretor do Instituto, Prof. Vanderlei Bagnato, cedeu à Biblioteca dois aparelhos sanitizadores de ar e uma câmara de ozônio especialmente concebida pelo Grupo de Óptica do IFSC/USP para descontaminar documentos e livros (VER AQUI).

“Esta câmara de ozônio veio agilizar muito todo o trabalho. Diariamente colocamos no interior dessa câmara os livros que foram utilizados, sendo que após o ciclo de desinfeção todos eles podem regressar diretamente para as suas respectivas estantes com total segurança e prontos para serem novamente manuseados”, sublinha Ana Mara. Embora a demanda ainda esteja baixa, o certo é que a tendência é de um aumento gradual do número de usuários, já que os estudantes não estão encontrando outras áreas para estudo, pois cada Unidade está seguindo as orientações de suas diretorias e com isso as demais Bibliotecas do Campus ainda não abriram as portas no Campus USP de São Carlos.

Outro fator importante é que, se algum aluno necessitar de utilizar a Biblioteca fora do horário de expediente, poderá fazê-lo através de uma inscrição antecipada e do normal controle de entrada e permanência no espaço através das equipes de vigilância e segurança interna do Instituto. Já no que diz respeito à comunidade fora do Campus da USP de São Carlos, a responsável pela Biblioteca do IFSC/USP mantém sua correta postura de obedecer a todos os cuidados na atual situação. “Embora a Biblioteca esteja apenas funcionando para o Campus USP de São Carlos, certamente que iremos ajudar – dentro das limitações impostas – pessoas externas que necessitem de nossos serviços. Cada caso será analisado e certamente haverá uma resposta positiva”, conclui Ana Mara.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

10 de setembro de 2021

“Diálogos improváveis” debatem desafios do Brasil em evento cultural da USP

3×22: diálogos improváveis inicia, com análise crítica, as comemorações do bicentenário da independência do Brasil e do centenário da Semana de Arte Moderna, celebrados em 2022

Uma semana marcada por debates é o mote do evento online 3×22: diálogos improváveis, organizado por órgãos de cultura da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão da USP.

Entre 13 e 17 de setembro, mesas-redondas e atividades artístico-culturais abordarão aspectos diversos do “contar o tempo”, visando  refletir sobre as datas do bicentenário da Independência e o centenário da Semana de Arte Moderna, celebradas em 2022.

Pessoas de diferentes atuações profissionais examinarão as temáticas do seminário Diálogos Improváveis, que pretende estimular o pensamento sobre como e o que comemorar nos 200 anos de Independência do Brasil.

O professor Alexandre Macchione Saes, coordenador do evento, afirma que  a concepção da programação estimula a reflexão crítica de uma forma diferente, valorizando a pluralidade:  “No contexto de crise em que a sociedade brasileira se encontra, reunimos profissionais de formações variadas para estabelecer ´diálogos improváveis´ debatendo desafios que entrecruzam passado, presente e futuro do país”.

A semana começa com a mesa Outros tempos que tem como convidados a bióloga e engenheira florestal Nurit Bensusan, o ex-diretor do Museu de Arte Contemporânea da USP, José Teixeira Coelho Neto, e a professora e escritora Marília Librandi Rocha.

Na sequência, dia 14, terça, o professor Rodrigo Turim, a economista, gestora pública e ex-ministra Tereza Campello, e a gestora cultural Bel Mayer debatem Memória é vela ou âncora?, a partir de uma interrogação do jornalista e escritor Eric Nepomuceno.

O professor, curador e crítico de arte Agnaldo Farias, a professora, escritora e crítica literária Noemi Jaffe, e o historiador Luiz Felipe Alencastro discutem em 15 de setembro o tema Invenção das tradições. Na quinta, 16, é a vez da mesa Ousar reinventar o futuro, com a historiadora e indígena Marcia Mura, o professor Ricardo Abramovay e o professor Alexander Turra.

O encerramento, na sexta, 17, fica por conta do físico e ex-reitor da Unicamp Marcelo Knobel, da jornalista Bianca Santana e do professor Sérgio Bairon, que abordarão o tópico Tempo e espaço, navegando todos os sentidos.

Para debater “3×22” em múltiplas dimensões, os órgãos de cultura da USP realizarão um conjunto de atividades ao longo de setembro de 2021. Para Saes, esse caráter conjunto enriquece o evento.  “A reunião de diversos órgãos de cultura da USP promove um resultado ainda mais interessante em termos artísticos e de conteúdo”, avalia.

Destacam-se as apresentações do Coral Universidade de São Paulo (Coralusp), no dia 13; as interpretações da Orquestra Sinfônica da USP (Osusp) e de Luciana Sayure (piano solo) de Villa-Lobos, no dia 15; o experimento cênico Em teu nome, a partir da obra O grande inquisidor de Dostoiévski, no dia 16, e para encerrar, a obra História do soldado, do russo Igor Stravinsky, narrada pelo músico Arrigo Barnabé e interpretada pela Osusp.

Este evento é gratuito, sem necessidade de inscrição.

Para obter mais informações, clique AQUI.

Confira AQUI a programação.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

9 de setembro de 2021

Oportunidades: 5 vagas para estágio na Unidade de Terapia Fotodinâmica (UFT)

A Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF), inaugurada no dia 08 do corrente mês, fruto de uma parceria entre o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC) está oferecendo 05 vagas de estágio para estudantes em formação, cursando o 2º ano de graduação nos cursos de Fisioterapia e Enfermagem.

Os interessados deverão obter mais informações sobre estas oportunidades e manifestar seu interesse até dia 15 de setembro do corrente ano, junto ao Dr. Antonio Aquino, através do email antonioaquino@ifsc.usp.br

 

 

 

 

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

9 de setembro de 2021

Até 15/09: Oportunidade de Bolsa de Iniciação Científica

O Grupo de Biotecnologia Molecular do Instituto de Física de São Carlos (Prof. Igor Polikarpov IFSC/USP), junto com o Grupo de Materiais Macromoleculares e Fibras Lignocelulósicas (Profa. Elisabete Frollini, IQSC/USP)  e  o Grupo de Química de Materiais Híbridos e Inorgânicos (Prof, Ubirajara Pereira Rodrigues Filho, IQSC/USP), oferecem oportunidade de bolsa de Iniciação Científica financiada pelo Projeto Integrado de Pesquisa em Áreas Estratégicas (PIPAE-USP) “Contribuição para o Avanço da Bioeconomia Circular no País” sob coordenação da Profa. Elisabete Frollini (IQSC/USP) em valorização enzimática de componentes da biomassa lignocelulósica e a síntese de polímeros para preparação de materiais multifuncionais.

O objetivo geral deste projeto de IC é usar enzimas ativas em componentes de parede celular de plantas para a produção de celulose microfibrilada e materiais multifuncionais.

Para o desenvolvimento desse projeto, o aluno será subsidiado com uma bolsa de IC, fornecida pela USP, com duração de 12 meses e valor mensal de R$ 500,00.

Os candidatos-USP com interesse em biotecnologia enzimática e materiais renováveis e bom desempenho acadêmico devem enviar histórico escolar de graduação para o professor Igor Polikarpov no e-mail (ipolikarpov@ifsc.usp.br) até 15 de setembro próximo.

A bolsa já está disponível.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

8 de setembro de 2021

Atualização produção científica do IFSC/USP – setembro de 2021

Para ter acesso às atualizações da Produção Científica cadastradas no mês de  setembro  de 2021, clique AQUI,  ou acesse o Repositório da Produção USP (AQUI).

A figura ilustrativa foi extraída do artigo publicado recentemente, por pesquisador do IFSC, no periódico: IOP Science – 2D Materials (AQUI).

 

 

 

 

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

8 de setembro de 2021

11ª Semana Integrada de Graduação e Pós-Graduação do Instituto de Física de São Carlos (SIFSC)

Foto de arquivo

Palestras ministradas por grandes nomes das áreas da física básica, aplicada, biomolecular e computacional, conversas com responsáveis por empresas onde físicos podem também atuar, exposições dos trabalhos de pesquisa por alunos de iniciação científica, mestrado e doutorado, em paralelo com exposições de obras artísticas, Show de Talentos de inscritos e outras atividades. Estes são os atrativos da programação da 11ª Semana  Integrada de Graduação e Pós-Graduação do Instituto de Física de São Carlos (SIFSC), que ocorre entre os dias 06 e 10 de setembro, de forma remota, um evento totalmente organizado pelos alunos do IFSC/USP.

Será uma semana fantástica onde os alunos terão a oportunidade de conhecer outras áreas de conhecimento, compartilhar seus trabalhos e colherem experiências que poderão determinar um direcionamento profissional

A vasta programação deste evento está organizada da seguinte forma:

 

06 setembro:

13h00/14h00 – Abertura, com as boas-vindas do Diretor do IFSC/USP, Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato – Youtube

14h00/16h00 – Talks – Conversas com docentes – Participação dos Profs. Drs. Luiz Nunes de Oliveira, Ana Paula Araújo, Cleber Mendonça e Francisco Alcaraz – https://youtu.be/_f_9RUCfvHA

17h00/19h00 – Talks – Financiamento das Universidades Brasileiras – Roda de conversa com os cientistas Profs. Drs. Glaucius Oliva (IFSC/USP), Soraya Smaili (UNIFESP) e Cláudia Linhares (SBPC) https://youtu.be/ANFJvu7dTG8

07 de setembro:

13h00/14h00 – “Moving From Academia to Industry” – Dr. Martin Thunert (Thorlabs) – Uma conversa sobre a transição da Academia para a Indústria – https://www.youtube.com/watch?v=c7PF6pcancw

16h00/18h00 – “Missões Espaciais para o estudo de Astroparticulas Ultra-energéticas” –  Profª Angela Olinto (University of Chicago) – Revendo o progresso na última década e os projetos para a próxima década nesta área de astropartículas.

https://www.youtube.com/watch?v=wOzV5szBPTA

19h00/21h00 – “Prêmio Yvonne Primerano Mascarenhas” –  Durante o decorrer dessa semana, tivemos a apresentação dos trabalhos de pesquisa dos estudantes, todos estes avaliados por docentes e pesquisadores, que atribuem uma nota a cada e, então, selecionam três das maiores médias para as três categorias: Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado. Os alunos selecionados apresentam seus trabalhos de forma oral à Banca Avaliadora, formada por professores e pesquisadores das mais abrangentes áreas de pesquisa do instituto. O aluno ganhador de cada categoria ganha o troféu e uma bonificação pelo seu trabalho.

https://www.youtube.com/watch?v=-lKJaUSsHLE

Profª Yvonne Primerano Mascarenhas (Foto de arquivo)

08 de setembro:

09h00/12h00 – Minicursos

14h00/15h00 – “Como físicos podem auxiliar na indústria eletroeletrônica” – Danilo Americano de Carvalho (Cerebra) – A indústria eletroeletrônica é uma das que mais cresce e tem um papel fundamental na ciência e para o desenvolvimento da humanidade https://www.youtube.com/watch?v=8x5VmVCiAr

15h00/17h00 – “Dinâmica de Rede em Grafeno” – Prof. Ado Jório (Universidade Federal de Minas Gerais) – Uma palestra onde a estrutura vibracional do grafeno e a tecnologia de nanoscópio serão discutidas

https://www.youtube.com/watch?v=KFU-HMCXr88

17h00/18h00 – Sessão de Ioga – Larissa Prado (Tulippa Yoga Studio) https://www.youtube.com/watch?v=5HQQfcwmT-k

19h00/21h00 – “Prêmio Yvonne Primerano Mascarenhas” (cont.) https://www.youtube.com/watch?v=-lKJaUSsHLE

09 de setembro:

09h00/12h00 – Minicursos

14h00/15h00 – “Choosing the Best High Vacuum Technology for your system” – John Screech e Bartly Carlson (Agilent) (ZOOM)

17h00/18h00 – Sessão de Ioga – Larissa Prado (Tulippa Yoga Studio) https://www.youtube.com/watch?v=VjE3FDVeYw4

19h00/21h00 – “Prêmio Yvonne Primerano Mascarenhas” (cont.) https://www.youtube.com/watch?v=-lKJaUSsHLE

20h00/22h00 – Gincana – Atividade Cultural

Foto de arquivo

10 de setembro:

10h00/12h00 – Talks – Yvonne através do tempo https://www.youtube.com/watch?v=yciYYmSz-XA

14h00/15h00 – “Biotecnologia aplicada: a genética na manutenção da saúde” Euclides Matheucci (DNA Consult) – Biotecnologia pode ser considerada a ciência que se integrada à vida para trazer inovações e soluções para a sociedade https://www.youtube.com/watch?v=05YY0n1m9_c

15h00/16h00 – “O mercado bilionário da Biotecnologia“-Rodrigo Faria Matheucci (DNA Club) – Um mercado altamente tecnológico, de fortes players, que movimenta bilhões de dólares anualmente e, ainda assim, carrega um potencial infinito a ser explorado https://www.youtube.com/watch?v=mQEqzmQ6AmY

19h00/20h00 – Encerramento

https://www.youtube.com/watch?v=HqGCGbMkKuM

20h00/22h00 – Labirinto – atividade Cultural

Consulte os pormenores da programação e restantes informações no site da SIFSC (AQUI).

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

6 de setembro de 2021

Molécula encontrada em veneno de serpente trava a multiplicação do novo coronavírus – Destaque na BBC

Uma molécula identificada no veneno da serpente jararacuçu (espécie brasileira) tem a capacidade de frear a multiplicação do novo coronavírus. O resultado dessa pesquisa realizada por cientistas do Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (UNESP), Campus de Araraquara, e devidamente testada em amostra de coronavírus, isolada no Instituto de Ciências Biomédicas da USP, foi já publicada na revista científica internacional “Molecules”, apontando que, em ensaios realizados com células de macacos, essa molécula inibe em cerca de 75% a possibilidade do vírus se multiplicar.

Esta descoberta, bastante divulgada em nível nacional, abre portas para que em um futuro próximo se possam desenvolver fármacos eficazes que não gerem efeitos colaterais para o tratamento de pacientes infectados pela COVID-19, isto porque a molécula estudada não apresenta toxicidade para as células, sendo, por outro lado, eficaz na redução da velocidade de infeção do vírus.

Embora o foco no mundo seja imunizar completamente as populações através das vacinas disponíveis, o certo é que essa ação poderá ainda demorar algum tempo, sendo necessário ter uma espécie de plano B, entrando aí a aplicação de novos fármacos que possam proteger as pessoas contra o vírus

Em uma das etapas deste estudo, o composto foi testado especificamente contra a enzima PLPro, que foi obtida no Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), sendo os Profs. Glaucius Oliva e Rafael Guido os coordenadores desta pesquisa.

Com a divulgação destes estudos em destaque no âmbito internacional, o pesquisador Rafael Guido comentou o desenvolvimento dessas pesquisas em uma curta entrevista para a BBC News (VER AQUI).

Daqui para a frente, os pesquisadores ainda terão outras etapas neste estudo, como, por exemplo, investigar se esta molécula poderá exercer um papel mais ativo nas células, impedindo-as de serem invadidas pelo vírus.

A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e o trabalho contou com a participação de pesquisadores do ICB/USP, IFSC/USP, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

6 de setembro de 2021

“QuInTec Quantum Engineering Workshop”

Desde o segundo semestre de 2020, um grupo de pesquisadores do Estado de São Paulo vem trabalhando para elaborar uma proposta de programa em Iniciativas Quânticas, a ser analisada e, eventualmente, fomentada pela FAPESP.

Após a fase inicial compreendida em entender o panorama das iniciativas internacionais similares e as competências presentes no Estado de São Paulo, o grupo de trabalho passou à fase da elaboração da proposta, considerando as possibilidades que o domínio das tecnologias quânticas podem trazer para a nossa realidade local.

Na continuação deste projeto, a comunidade Quantum Information Technologies – QuInTEC (VER AQUI) realiza no próximo 09 de setembro, a partir das 08h30, de forma remota, o QuInTec Quantum Engineering Workshop , visando a consolidação dessa proposta, um evento voltado para o público das engenharias, ciência da computação, física, matemática e afins, visando apresentar para esse público as perspectivas científicas e de desenvolvimento tecnológico nesse campo.

A programação deste workshop apresenta uma sessão inteira com agentes do setor privado, como, por exemplo, empresas como IBM, Itaú e Microsoft que já confirmaram a participação e compartilharão suas visões, interesses e atuações no estabelecimento da segunda revolução das tecnologias quânticas.

Além disso, este workshop também se traduzirá em um espaço onde serão discutidos os cenários quer do ponto de vista internacional, quer no âmbito do Estado de São Paulo, para a implementação de diversas linhas de atuação acadêmica e tecnológica do quantum 2.0.

Por fim, o evento, isento de qualquer cobrança de taxa de inscrição, terá um fórum de discussão aberto a todos participantes, para que se possam colher as impressões e os anseios dos possíveis beneficiários do programa.

A programação deste workshop está organizada da seguinte forma:

Data – 09 de setembro de 2021

8h30 – Opening (Prof. Luiz Eugênio Mello. Diretor científico da FAPESP);

9h00 –  Quantum Technology 2.0 (Prof. Nussenzveig. IF-USP) ;

9h30 – Quantum Engineering  (Prof. Frederico Brito. IFSC-USP);

10h00 – IBM Q Network overview (Dr. Kenneth Wood. Global Leader of the Q Network business development team);

10h30 – Microsoft quantum computing (Dr. Waldemir Cambiucci. São Paulo MTC Director | Microsoft Technology Center Tech Sales Manager);

11h00 – Quantum Technologies and their impact on the finance industry (Dr. Samuraí Brito. Head of Quantum. Itaú-Unibanco);

11h30 – NtropiQ – Applications of Quantum Phenomena in reality and their current value chain (Dr. Dario Thober. Wernher von Braun Research Director);

12h00 – TBA (Google Quantum AI. To be confirmed);

14h00 – Educating for Quantum 2.0: society and professionals (Prof. Marcelo Terra Cunha. IMECC-USP);

14h30 – Quantum Communications (Prof. Ben-Hur Borges. EESC-USP);

15h00 – Fabricating Quantum Technology (Prof. Roberto Panepucci. CTI_DINAM/CGPS);

15h30 – Quantum 2.0 devices using semiconductors (Prof. Helder Vinicius Galeti. DEE-UFSCar);

16h00 – Quantum Sensors (Prof. João Antonio Martino. EP-USP);

16h30/17h00 – Break;

17h00/18h00 – Forum – SP Quantum;

Leia AQUIWhite Paper, onde estão descritas as motivações e o escopo desta iniciativa.

Não deixe de se registrar para este importante workshop através do SITE  e pelo Canal Youtube (AQUI).

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

3 de setembro de 2021

A Conjectura de Collatz: um problema insolúvel e “perigoso”

Figura 1 – O matemático alemão Lothar Collatz (1910 – 1990), autor da conjectura (Crédito: MFO e Konrad Jacobs)

Por: Prof. Roberto N. Onody *

Em 1937, dois anos depois de defender seu doutorado, o alemão Lothar Collatz (Figura 1), formulou uma hipótese matemática que segue, até hoje, não demonstrada. Pela sua simplicidade, a conjectura tem atraído matemáticos profissionais e amadores, que tentam provar a sua veracidade. Todos consideram o problema “perigoso”. Perigoso porque é apaixonante e envolvente. Muitos cientistas passaram anos, décadas, tentando resolvê-lo, inutilmente. Durante a guerra a fria, se dizia que o problema foi inventado pelos soviéticos para atrasar a ciência nos EUA.

A dinâmica de Collatz é muito simples, são apenas 2 regras. Escolha um número natural qualquer N (1, 2, 3, …)

-Se N for par, divida por 2 —> N/2

-Se N for ímpar, multiplique por 3 e adicione 1 —> 3N + 1

Se aplicarmos essas regras, por exemplo, para o número N = 17, ele evoluirá da seguinte maneira:

17 à 52 à 26 à 13 à 40 à 20 à 10 à 5 à 16 à 8 à 4 à 2 à 1

Ao chegar ao número 1, a dinâmica entra num ciclo 3 (1, 4, 2, para sempre)

A Conjectura de Collatz afirma que: “Todo e qualquer número natural, terminará sua dinâmica no ciclo 3”.

Portanto, provar a Conjectura de Collatz significa demonstrar que, iniciando o processo com qualquer número natural, não importando o seu tamanho, ele acabará no ciclo 3.

Claro, a primeira coisa que se pensa é em usar a força bruta computacional. Em 2020, a conjectura foi testada para todos os números naturais de 1 até 268 ~ 3 1020. Todos convergiram para o ciclo 3 1.

Obviamente, nenhum matemático aceita esse resultado numérico como prova da conjectura. Ele só prova que, até esse número, ela está correta. Porém, podem existir números muito maiores, que levem a dinâmica ao infinito. Ou ainda, que conduza a um conjunto de números gigantescos que formem um outro e novo ciclo. Com o número 268 nas mãos, matemáticos provaram que, se existir um ciclo acima dele, este ciclo tem que ser gigantesco e composto por, pelo menos, 186 bilhões de números!

Figura 2 – Evolução da dinâmica de Collatz para N = 63 (Crédito: R. N. Onody)

Muito embora, os matemáticos saibam ser possível apresentar provas computacionais e numéricas na solução de algumas conjecturas matemáticas (veja ref.2 ), esse não parece ser o caso aqui. Contra a força bruta, eles têm o episódio da Conjectura de Pólya. Todo número natural maior do que 1, pode ser decomposto em um número par ou ímpar de produto de números primos. Dessa forma, 16 é par (4, 16 = 2.2.2.2), 8 é ímpar (3, 8 = 2.2.2), 17 é ímpar (1) e assim por diante. Podemos então, contar até um certo número natural N, quantos se decompõem em números pares e ímpares. Por exemplo, até N = 20, 12 são ímpares e 7 são pares. Em 1919, o matemático húngaro George Pólya, propôs a conjectura de que o conjunto de números naturais com decomposição par é sempre maior ou igual ao dos ímpares. Foi somente em 1958, que C. B. Haselgrove provou a existência de um contraexemplo para N = 1,845 10361 ! 3

Claro, bastaria um contraexemplo para quebrar a Conjectura de Collatz pois, a sua dinâmica é muito sensível à semente (inicialização). Por exemplo, para N = 63, a dinâmica chega até o número 9.232 e leva 107 passos até o ciclo (Figura 2); já para a semente N = 64, este é também o valor máximo, chegando ao ciclo em 6 passos (Figura 3) 4. Há explosões na dinâmica de Collatz, que nos fazem acreditar ser possível encontrar um contraexemplo. A Semente 9.663 atinge o máximo de 27.114.424 antes de recuar para o ciclo.

Se considerarmos a dinâmica de Collatz para os números inteiros negativos, obteremos pelo menos 3 ciclos: (-1, -2); (-5, -14, -7, -20, -10);  e (-17, -50, -25, -74, -37, -110, -55, -164, -82, -41, -122, -61, -182, -91, -272, -136, -68, -34), com número de elementos 2, 5 e 18, respectivamente. Curiosamente, esses mesmos ciclos (com sinais positivos) aparecem se alterarmos a regra 3N + 1 para 3N – 1, mas ainda permanecendo no âmbito dos números naturais positivos.

Figura 3 – Evolução da dinâmica de Collatz para N = 64 (Crédito: R. N. Onody)

Muito embora não exista hoje uma prova da conjectura de Collatz, há resultados parciais bem interessantes. Um dos mais brilhantes matemáticos da atualidade, Terence Tao 5, demonstrou, em 2019, o seguinte teorema: “Quase todos os valores iniciais N (sementes), quando iterados pela dinâmica de Collatz, têm valor menor do que f(N), para qualquer função f(N) que vá a infinito quando N tende a infinito, não importando quão lentamente f(N) cresce ”. Por qualquer função de crescimento lento, você pode pensar coisas como log(log(log(log(N)))). Para os matemáticos, quase todos significa 99,99… % (adicione quantos noves quiser). Muito convincente, é uma quase prova, mas não é uma prova.

Sobre a conjectura de Collatz, o matemático húngaro Paul Erdös declarou em 1983: “A matemática ainda não está madura para resolver esse problema”.

*Físico, Professor Sênior do IFSC – USP

(Agradecimento: ao Sr. Rui Sintra da Assessoria de Comunicação)

Referências:

1 Collatz conjecture – Wikipedia

2 A Solução da Conjectura de Keller – verdadeira, ou falsa? – Portal IFSC (usp.br)

3 Porém, com o advento dos computadores, M. Tanaka encontrou (em 1980) o menor número que viola a Conjectura de Pólya, N = 906.150.257

4 Caso tenha interesse, escrevi a Conjectura de Collatz em Python e também uma versão executável para Windows (sem vírus ). Você pode solicitar por e-mail.

5 The Notorious Collatz conjecture (wordpress.com)

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

2 de setembro de 2021

Setembro Amarelo: a prevenção é o melhor caminho!

Por: Bárbara Kolstok Monteiro

O mês de setembro foi escolhido para a campanha “Setembro Amarelo”, pois desde 2003 o dia 10 de setembro foi definido como o “Dia Mundial de Prevenção do Suicídio”, sendo bastante comum vermos notícias e informações sobre suicídio e pontos turísticos sendo iluminados de amarelo, entre outras ações.

Muito vem sendo discutido sobre os benefícios ou malefícios desta campanha (possibilidade do Efeito Wether), mas ao considerar que a informação é sempre o melhor caminho para a prevenção, apresentar alguns dados confiáveis podem nos ajudar a pensar sobre este tema delicado e importante, ainda mais no contexto pandêmico que já se estende por mais de um ano e meio e que pode ter gerado ainda em mais estresse, além do surgimento ou piora de alguns sofrimentos psicológicos.

“No que concerne ao comportamento suicida, tem-se um continuum de autoagressões que envolve ideação, ameaças, tentativas e atos suicidas. O suicídio apresenta-se como um de seus desfechos, o mais grave, o mais crítico e o mais identificado pela área da saúde (WHO, 2014). No Brasil, 51% dos casos de suicídio acontecem dentro de casa. Estima-se que apenas um em cada três casos de tentativa de suicídio chegue aos serviços de saúde, de forma que os dados sobre o comportamento suicida são bastante incipientes. Uma tentativa anterior aumenta o risco de concretização do suicídio cerca de cem vezes em relação a quem nunca tentou; este é o principal fator de risco para a efetivação do intento, sendo um alerta fundamental para a existência de fenômenos psicossociais complexos. Os transtornos mentais mais comumente associados ao comportamento suicida são: depressão, transtorno de humor bipolar, dependência de álcool e de outras drogas psicoativas, esquizofrenia e certos transtornos de personalidade. A coexistência destas condições agravam a situação de risco (BOTEGA, 2014).” (FIOCRUZ,2020)

Caso você não esteja se sentindo bem ou conheça alguém que pode estar em risco, saiba que existem diversas formas de encontrar ajuda:

O IFSC/USP conta com o serviço de acolhimento e orientação psicológica, o projeto “IFSC e o Bem-Estar de sua Comunidade” e o contato é feito a partir do e-mail: barbarakmpsico@gmail.com.

Caso deseje conversar com alguém e obter suporte emocional, entre em contato com o CVV no número 188 ou através do site: www.cvv.org.br. As conversas são sigilosas e a identidade de quem entra em contato é preservada.

O mapa da saúde mental do SUS também é uma alternativa e traz uma lista de locais de atendimento voluntário online e presencial em todo o país no www.mapasaudemental.com.br

Uma ótima sugestão para quem deseja ter mais informações é a cartilha elaborada pela Fiocruz “Suicídio e a pandemia de COVID-19” disponível AQUI:

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..