NOTÍCIAS

Bio-impressão 3D para o estudo do aneurisma cerebral

Por: Prof. Roberto N. Onody*

Um aneurisma cerebral é uma dilatação anormal da parede de uma artéria no cérebro que, ao romper-se, provoca hemorragia que pode resultar num acidente vascular cerebral (AVC). No AVC há perda de circulação e oxigenação do cérebro que, se não socorrido prontamente, pode levar ao óbito.

O modelo de aneurisma bio-impresso. Em verde, as células endoteliais, em vermelho o coágulo. (Crédito: Jang et al. 1)

Os aneurismas podem ser congênitos ou formados por traumas, infecções e hipertensão arterial. Acredita-se que 1 em cada 15 pessoas desenvolva um aneurisma ao longo de sua vida. Após a ruptura do aneurisma cerebral, há cerca de 25% de probabilidade de morrer em 24 horas, 25% de vir a falecer em 3 meses e 25% de deixar uma sequela permanente. O socorro médico, em geral, consiste em dois tratamentos: clipagem do aneurisma com microcirurgia intracraniana e endovascular, com a embolização ou oclusão do aneurisma com stents ou espirais de platina. Após a inserção da mola de platina no saco formado pelo aneurisma, forma-se um trombo que estanca a hemorragia. O tratamento endovascular tem sido o preferido pelos médicos nos últimos anos, pois é menos invasivo, mais barato e o paciente permanece menos tempo hospitalizado. Dessa maneira, a pesquisa recente tem sido direcionada para desenvolver novos dispositivos e novos materiais para a técnica endovascular. Certamente, uma avaliação in vitro da performance de coagulação desses dispositivos e de previsão antecipada dos seus efeitos, antes de implantá-los no paciente, é muito importante.

Com esse objetivo, cientistas do Laboratório Nacional Lawrence Livermore1 (EUA) utilizaram hidrogel de fibrina-gelatina para imprimir, em 3D, uma estrutura na forma de um aneurisma. O material utilizado – hidrogel de fibrina-gelatina, foi escolhido por dois motivos: ter a mesma rigidez mecânica dos tecidos cerebrais e por ser transparente, permitindo visualizar e medir a variação do fluxo do plasma nos vasos bio-impressos. Isso tornou possível a equipe comparar seus resultados experimentais com aqueles computacionais, baseados em modelos 3D de dinâmica dos fluidos.

Esses vasos bio-impressos tiveram suas paredes internas revestidas com células endoteliais microvasculares do cérebro humano. Em seguida, eles injetaram plasma sanguíneo de bovinos nos vasos. Controlando a velocidade do plasma, eles provocaram hemorragia no saco do aneurisma (pré-fabricado na junção de três vasos, veja figura). Iniciaram então, o tratamento médico propriamente dito. Conduziram, através de um micro cateter, uma espiral de platina até o aneurisma.  Em pouco tempo, eles observaram a formação de um coágulo em torno da mola de platina!

Portanto, essa técnica abre espaço para se estudar novos materiais bio-compatíveis, a eficiência de dispositivos de embolização, fornece informações hemodinâmicas e permite determinar o tempo de cura do tratamento utilizado 2.

1 Lindy K Jang , Javier A Alvarado , Marianna Pepona , Elisa M Wasson , Landon D Nash , Jason M Ortega , Amanda Randles, Duncan J Maitland , Monica L Moya and William F Hynes, Biofabrication 13 (2021) 015006

2 https://www.sciencealert.com/scientists-have-3d-printed-a-living-brain-aneurysm-out-of-human-cells

*Físico, Professor Sênior do IFSC – USP

(Agradecimento: Sr. Rui Sintra da Assessoria de Comunicação)

Figura: Bio-impressão 3D para o estudo do aneurisma cerebral

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

 

IFSC/USP – Bolsa de Pós-Doutorado em Astrofísica de Partículas

O Grupo de Astrofísica de Partículas do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo convida para aplicações para uma posição de pós-doutorado com foco especial no âmbito científico do Observatório CTA.

Os principais assuntos de interesse são: conexão de raios gama e raios cósmicos, incluindo efeitos de propagação, matéria escura, violação da invariância de Lorentz e física de chuveiros atmosféricos extensos.

Data limite para inscrições – 15 de dezembro de 2020.

A vaga está aberta a brasileiros e estrangeiros.

Exigências:

– Doutorado em física, astronomia ou equivalente, defendido nos últimos 7 anos;

– Papel ativo no cenário internacional;

– Excelentes habilidades de trabalho em equipe;

– Excelentes habilidades de comunicação e bons conhecimentos de inglês.

Condições: a bolsa de estudos é oferecida pela FAPESP dentro do Projeto Temático por um período de 12 meses. O(A) candidato(a) selecionado(a) deverá começar a trabalhar no início de 2021.

Inscrição: as inscrições devem incluir um Curriculum Vitae curto com uma lista de publicações (favor destacar 5 publicações) e endereços de e-mail de duas pessoas que possam ser contactas para referências.

As inscrições devem ser enviadas para vitor@ifsc.usp.br.

O selecionado receberá Bolsa de Pós-Doutorado da FAPESP no valor de R$ 7.373,10 mensais e Reserva Técnica equivalente a 15% do valor anual da bolsa para atender a despesas imprevistas e diretamente relacionadas à atividade de pesquisa.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Semana da conscientização sobre o antibiótico em todo o mundo

Por: Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo – Responsável pelo Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Moleculares (LEMiMo-IFSC-USP)

Em maio de 2020, a Organização Mundial de Saúde juntamente com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) definiram esta semana (18 a 24 de novembro) para levar à população o conhecimento sobre os antimicrobianos, dentre os quais estão os antibióticos. É preciso lembrar que atualmente passamos por uma falta de novas alternativas de tratamento para as infecções causadas por certos microrganismos que são resistentes à maioria dos antimicrobianos

Nós precisamos evitar o surgimento e a disseminação de microrganismos resistentes aos antimicrobianos. A resistência antimicrobiana pode ser observada em bactérias, fungos, vírus e parasitas quando eles resistem aos efeitos das medicações fazendo com que seja mais difícil o tratamento das infecções relacionadas, aumentando assim o risco de morte dos pacientes infectados.

Antimicrobianos são usados para o tratamento de doenças infeciosas em humanos bem como em outros animais e plantas. Quando a resistência antimicrobiana surge, ela faz com que haja menos antimicrobianos disponíveis para o tratamento. A situação atual se mostra demasiadamente crítica, pois muitos microrganismos são multirresistentes, ou seja, resistentes a vários antimicrobianos, e alguns já são resistentes a todas as alternativas de tratamento disponíveis, sendo chamados de panrresistentes.

Determinação da concentração inibitória mínima de cinco antibióticos por E-test para uma linhagem de Enterococcus faecium. Esta bactéria apresentou resistência a todos os antibióticos testados neste ensaio, a maioria sem a presença de halo de inibição ao redor da fita contendo antimicrobiano

Nos Estados Unidos, estimam-se que 35.900 pessoas morrem anualmente em decorrência de infecções causadas por microrganismos resistentes aos antimicrobianos. Na Europa, o número de pessoas que morrem por infecções por bactérias multirresistentes ultrapassa 33.000 anualmente. Além do fato de resultar em mais mortes, a resistência antimicrobiana também aumenta o tempo de internação e do custo do tratamento de pacientes internados. Nos Estados Unidos, já foi demonstrado que o custo do tratamento de uma infecção por microrganismo resistente em um paciente é maior em cerca de US$ 1.383,00 quando comparado ao custo de um tratamento da infecção por um microrganismo sensível aos antimicrobianos. Com a estimativa de que mais de 2 milhões de infecções anuais já foram registradas nos EUA, a conta fecha em um gasto extra anual de US$ 2,2 bilhões devido à resistência antimicrobiana.

Você já se perguntou o que leva à multirresistência?? Principalmente, o uso indevido de antimicrobianos em humanos, animais e na agricultura.

Você sabia que em alguns lugares do mundo antibióticos são usados na criação de animais para acelerar a produção, a engorda dos animais e o abate? Este é um uso indevido que acaba por selecionar microrganismos resistentes ao antibiótico no trato intestinal do animal, que excretará estes microrganismos resistentes no ambiente e ainda poderá contaminar água de rios, a carne e até o manipulador no momento do abate. A carne contaminada poderá levar esse microrganismo resistente até a sua casa e sua família. Uma vez contaminado, o manipulador pode levar este microrganismo até os hospitais.

Você sabia que nem sempre uma dor de garganta se trata com antibióticos? Infecções virais podem ser autolimitantes ou serem tratadas com antivirais específicos. Usar antibióticos, que são indicados para bactérias, para tratar todas as infecções de garganta é um dos usos inadequados que são observados.

Muitas vezes, vacinas desempenham um importante papel na prevenção de doenças virais. No entanto, há também aquelas que evitam doenças bacterianas, diminuindo a necessidade de uso de antimicrobianos. Por isso, a vacina é muito importante.

Estamos vivendo um momento de pandemia de COVID-19 que demonstra tipicamente o que acontece quando não existe um tratamento ou uma vacina para a doença infecciosa. Não podemos negar que, em paralelo, ocorre a disseminação silenciosa da resistência antimicrobiana. Não podemos deixar de divulgar esse fato para que não cheguemos à uma “Era Pós-Antibiótica” – quando não exista mais tratamentos disponíveis para as infecções mais simples e conhecidas há décadas.

Como você pode ajudar a diminuir a resistência antimicrobiana???

– Se você é pecuarista, crie seus animais devidamente;

– Esteja em dia com sua caderneta de vacinação;

– Lave sempre as mãos com água e sabão;

– Prepare seus alimentos com a devida higiene, sem misturar carnes cruas – que serão cozidas – com verduras que serão consumidas cruas;

– Use camisinha, praticando “sexo seguro”;

– Exija seu direito quanto ao saneamento básico e acesso à água potável;

– Não compartilhe antibióticos com outras pessoas;

– Se você tem alguma infecção, consulte um médico. Sempre tome o antibiótico receitado conforme a indicação médica e se isole para evitar a propagação da doença.

Desta forma, você já estará evitando o surgimento da resistência antimicrobiana.

Clique AQUI para obter mais informações sobre este tema na página da OMS.

Clique AQUI para conferir a avaliação que foi feita nos Estados Unidos sobre este tema, em 2019.

Assessoria de Comunicação IFSC/USP

IceCube: Opening a new window on the Universe from the South Pole

Na edição do “Colloquium diei” relativa ao dia 13 de novembro de 2020, transmitida ao vivo no Canal Youtube do IFSC/USP, Francis Halzen (Wisconsin IceCube Particle Astrophysics Center / Department of Physics, University of Wisconsin–Madison – USA) dissertou sobre o tema “IceCube: opening a new window on the on the Universe from the South Pole.

Recorde, clicando na imagem abaixo, como foi esse colóquio promovido pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP).

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Lefaudeux consegue a melhor fotografia astronômica de 2020

Por: Prof. Roberto N. Onody*

Na 12ª. edição do concurso de fotografia Astronomy Photographer of the Year, patrocinado pela Royal Observatory Greenwich, BBC Sky at Night Magazine e a Insight Investment, o vencedor geral, entre todas as categorias, foi o francês Nicolas Lefaudeux.

Ele fotografou a galáxia de Andrômeda utilizando um efeito chamado tilt-shift, com as bordas externas da foto desfocadas (veja foto). O valor do seu prêmio foi de 10.000 libras esterlinas. Sua foto foi selecionada entre 5.000 imagens concorrentes de vários continentes.

A melhor fotografia astronômica de 2020 (Crédito: Nicolas Lefaudeux – França)

O concurso também premiou categorias como Nossa Lua, Aurora, planetas, cometas e asteroides etc. Na categoria pessoas e espaço, o vencedor foi o húngaro Rafael Schmall, que fotografou a estrela dupla Albireo. Em longa exposição, a foto mostra as trilhas deixadas pelos satélites da Starlink que obstruem a imagem1.

Referência:

1 https://gizmodo.uol.com.br/melhores-fotos-astronomia-2020/

*Físico, Professor Sênior do IFSC – USP

(Agradecimento: Sr. Rui Sintra da Assessoria de Comunicação)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

IFSC/USP produz “pseudo-virus” SARS-Covid-2 em laboratório comum

Uma pesquisa realizada no Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) permitiu desenvolver um “pseudo-vírus” do SARS-Covid-2 destinado a estudar a ação e eficácia de novos fármacos em laboratórios de classe-2, ou seja, em laboratórios considerados perfeitamente comuns, existentes nas universidades e em centros de pesquisa

O pesquisador do IFSC/USP, Prof. Francisco Gontijo Guimarães, coordenador das pesquisas relacionadas ao “pseudo-vírus”, explica que esse falso vírus – produzido pelo bolsista da FAPESP, Dr. Mohammad Sadraeian – é uma partícula viral que possui todas as propriedades do vírus SARS-Covid-2, com a diferença que ele não infecta as células, permitindo que se estude aprofundadamente a eficácia de um fármaco no vírus real, ou a neutralização de sua ação nas células

Produzido nos laboratórios do IFSC/USP, o “pseudo-vírus” já foi sujeito a um estudo aprofundado sobre sua interação e internalização em células pulmonares, a neutralização do vírus pelos anticorpos específicos que o corpo humano produz, e, ainda, suas características físicas.

Por outro lado, estão sendo realizados estudos no sentido de se netutralizar o vírus por ação de Terapia Fotodinâmica e o uso de radiação UVC (in vivo). “ A grande vantagem do desenvolvimento do “pseudo-vírus” é que podemos fazer as pesquisas de forma fácil em laboratórios menos complexos. Assim, em vez de trabalharmos com o vírus real, que é impossível neste momento, trabalhamos com uma cópia fiel e inofensiva”, sublinha Francisco Guimarães.

Esta pesquisa está inserida em um projeto aprovado pela CAPES para o fomento às pesquisas da COVID-19, projeto esse que também aprovou outras duas pesquisas realizadas em nosso Instituto e que serão divulgadas em breve, pelo que todas elas se cruzam entre si em uma única direção. A primeira, desenvolvida pelo Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia (GNano), coordenado pelo Prof. Valtencir Zucolotto, tem como objetivo criar sistemas de entrega de moléculas para tratamento da COVID-19, enquanto a segunda, desenvolvida no Centro de Pesquisa e Inovação em Biodiversidade e Fármacos (CIBFar), coordenada pelos Profs. Glaucius Oliva e Rafael Guido, tem como objetivo o desenvolvimento de novos fármacos para combater a COVID-19.

Estes trabalhos de pesquisa vêm consolidar a tradição que o  IFSC/USP tem em estudos para o tratamento de vírus, como, por exemplo, aquele que foi feito para o HIV.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

IFSC EM PROL DA SOCIEDADE

INFO COVID-19

  • Programa USP VidaConheça o programa
    USP Vida

  • Ações IFSC - COVID-19Ações do IFSC frente
    ao COVID-19

EVENTOS

COLÓQUIOS E SEMINÁRIOS

NOTÍCIAS

Bio-impressão 3D para o estudo do aneurisma cerebral

Por: Prof. Roberto N. Onody* Um aneurisma cerebral é uma dilatação anormal da parede de uma artéria no cérebro que, ao romper-se, provoca hemorragia que pode resultar num acidente vascular cerebral (AVC). No AVC há perda de circulação e oxigenação do cérebro que, se não socorrido prontamente, pode levar ao óbito. Os aneurismas podem ser […]

IFSC/USP – Bolsa de Pós-Doutorado em Astrofísica de Partículas

O Grupo de Astrofísica de Partículas do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo convida para aplicações para uma posição de pós-doutorado com foco especial no âmbito científico do Observatório CTA. Os principais assuntos de interesse são: conexão de raios gama e raios cósmicos, incluindo efeitos de propagação, matéria escura, violação da […]

Semana da conscientização sobre o antibiótico em todo o mundo

Por: Profa. Dra. Ilana L. B. C. Camargo – Responsável pelo Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Moleculares (LEMiMo-IFSC-USP) Em maio de 2020, a Organização Mundial de Saúde juntamente com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e a Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) definiram esta semana (18 a 24 de novembro) […]

IFSC EM PROL DA SOCIEDADE

INFO COVID-19

  • Programa USP VidaConheça o programa
    USP Vida

  • Ações IFSC - COVID-19Ações do IFSC frente
    ao COVID-19

EVENTOS

COLÓQUIOS E SEMINÁRIOS

Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..