NOTÍCIAS

Seminário: Grupo de Pesquisa em Nanomateriais e Materiais Cerâmicos

O Dr. Washington Santa Rosa, Pós-Doc em Materiais Compósitos Multiferróicos Cerâmicos, do Departamento de Física da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), foi o palestrante convidado em mais um seminário promovido pelo Grupo de Pesquisa em Nanomateriais e Materiais Cerâmicos (NACA/IFSC) ocorrido na tarde do dia 20 de abril, na Área-2 do Campus USP de São Carlos, com a apresentação intitulada Processing issues and their influence in the magnetoelectric performance of (k,na)nbo3/cofe2o4-based layered composites.

Santa Rosa é doutorando em Física pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Graduado em Licenciatura Plena e Mestre em Física pela UFSCar, Santa Rosa tem experiência em síntese e propriedades físicas de compósitos magnetoelétricos, materiais ferroelétricos com estrutura perovsquita/tungstênio-bronze e ferritas ferrimagnéticas com estrutura espinélio.

Desenvolve cooperação científica com o docente do IFSC/USP, Prof° Dr. Jean M. Pecko, do Grupo de Pesquisa Crescimento de Cristais e Materiais Cerâmicos, no estudo e desenvolvimento de Compósito Magnetoelétrico Livre de Chumbo.

É orientado pelo Prof. Michel Venet Zambrano e co-orientado pelo pesquisador Miguel Algueró, ambos colaboradores em pesquisas com Jean Claude M’Peko.

Suas áreas de pesquisa são, cerâmicas ferroelétricas, materiais compósitos, materiais magnéticos e propriedades magnéticas, e compósitos magnetoelétricos.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

“Momento IFSC” aborda benefícios da atividade física

O Auditório “Prof. Sérgio Mascarenhas” recebeu no período da tarde do dia 20 do corrente mês, a iniciativa Momento IFSC, cujo objetivo é apresentar, bimestralmente, temas relacionados com a qualidade e produtividade da comunidade de nosso Instituto no ambiente de trabalho.

Nesta primeira sessão, coube a Evert Bacchini (CEFER/USP) apresentar o tema Atividade física, saúde e qualidade de vida no trabalho, onde teve a oportunidade de dissertar sobre os impactos da atividade física na qualidade e bem estar de vida das pessoas.

Na sequência, os participantes desta sessão foram convidados a realizar uma avaliação da composição corporal, medição da pressão arterial e flexibilidade.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

“Spins and Orbits in Semiconductor Nanostructures”

Em mais uma edição da iniciativa Colloquium Diei, ocorrida no período da manhã do dia 20 do corrente mês, no nosso Instituto, o Dr. Dominik Zumbühl, do Departamento de Física da Universidade de Basel (Suíça), apresentou a palestra subordinada ao título Spins and Orbits in Semiconductor Nanostructures.

Em sua apresentação, o pesquisador deu a conhecer experiências recentes que estudam a física de spins semicondutores, bem como uma técnica não invasiva capaz de reconstruir a forma e orientação dos orbitais, com base na medição da dependência do espectro de energia orbital no campo magnético em plano de magnitude e direção variadas.

Por último, também elucidou os presentes como se pode estender a hélice de rotação persistente, ou seja, padrões de rotação helicoidal com passos continuamente variáveis.

Dominik Zumbühl obteve sua graduação na ETH de Zurique (Suíça), em 1998, mestrado em física aplicada na Universidade de Stanford (EUA) em 2000 e Doutorado em Física Universidade de Harvard (EUA), em 2004.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

GNaNo seleciona candidato para pós-doutoramento com bolsa

O Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia do Instituto de Física de São Carlos (GNaNo- IFSC/USP) está selecionando candidatos para pós-doutoramento com bolsa, com doutorado e experiência em biossensores eletroquímicos, para atuar em projeto na área de saúde.

Os interessados em participar da seleção deverão enviar currículo ao e-mail apoiognano@ifsc.usp.br

Sobre o GNaNo

Criado em 2012, o GNaNo é um grupo de pesquisa coordenado pelo docente, Valtencir Zucolotto, tendo como principal foco a aplicação da Nanotecnologia nas áreas de Biomedicina e Agricultura, através de duas frentes de pesquisa relevantes e na fronteira do conhecimento: nanomedicina e nanotoxicologia.

Para mais informações sobre o Grupo, acesse http://www.nanomedicina.com.br/

Assessoria de Comunicação- IFSC/USP

 

Dosagem de radiação no bombardeio de Hiroshima (Japão)

Assinada por Karina Toledo, a Agência FAPESP publicou no último dia 13 do corrente mês, em seu website, uma matéria que aborda estudos realizados pela USP com o objetivo de medir o impacto dos bombardeios às cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, pelos Estados Unidos, em 1945, na Segunda Guerra Mundial – único momento, até à presente data, em que foram utilizadas armas nucleares -, nomeadamente para determinar a dose de radiação a que foram expostas as populações, bem como para entender os efeitos dessa exposição sobre o DNA e a saúde de modo geral.

Dando continuidade a uma pesquisa que começou ainda nos anos 1980, sob a coordenação do físico Sérgio Mascarenhas, professor do Instituto de Física de São Carlos (USP), pesquisadores brasileiros descreveram em artigo na revista PLOS One um método capaz de dosar com precisão a radiação absorvida por amostras de ossos de vítimas da explosão nuclear no Japão.

O trabalho foi conduzido durante o pós-doutorado de Angela Kinoshita, atualmente docente da Universidade do Sagrado Coração, em Bauru, sob supervisão de Oswaldo Baffa, professor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP-USP), onde se utilizou uma técnica conhecida como espectroscopia de ressonância paramagnética eletrônica para fazer um trabalho de dosimetria retrospectiva. Atualmente, segundo Baffa, existe um interesse renovado nesse tipo de metodologia, devido ao risco de atentados terroristas em países que integram a União Europeia, bem como os Estados Unidos

“Imagine que alguém detone uma bomba comum em Nova York e grude no explosivo um pouco de material radioativo. Técnicas como essa podem ajudar a identificar quem foi exposto à poeira radioativa e necessita de tratamento”, disse. Como explicou Kinoshita, o ineditismo do estudo está relacionado com o fato de as amostras avaliadas serem oriundas de tecido humano de vítimas do ataque a Hiroshima. “Existiam muitas dúvidas sobre a viabilidade de usar essa metodologia para determinar a dose depositada nessas amostras, devido a todos os processos envolvidos no episódio. Esse trabalho confirma que isso é viável e abre várias possibilidades de pesquisas futuras que poderão esclarecer detalhes do ataque nuclear”, disse a pesquisadora.

O início de tudo

Ainda na década de 1970, quando lecionava no Instituto de Física de São Carlos (IFSC-USP), Mascarenhas descobriu que quando irradiava ossos humanos com raios X ou raios gama o material se tornava levemente magnético – propriedade conhecida como paramagnetismo.Isso ocorre porque a parte mineral do osso – formada por um cristal  chamado hidroxiapatita (fosfato de cálcio cristalino) – absorve íons de dióxido de carbono (CO2). Ou seja, quando a amostra é irradiada, o CO2 ali presente perde elétrons e vira CO2-. Esse radical livre funciona como um marcador da dose recebida pelo material. “Descobri que poderíamos empregar essa propriedade para fazer dosimetria de radiação e comecei a usar o método na datação arqueológica”, contou Mascarenhas.

O objetivo, na época, era calcular a idade de ossadas encontradas em sambaquis – montes criados pelos habitantes primitivos do Brasil com restos de moluscos, esqueletos de seres pré-históricos, ossos humanos, conchas e utensílios feitos de pedra ou ossos – com base na dose de radiação natural que o material havia absorvido ao longo dos anos em contato com elementos como tório, presentes na areia da praia.

O trabalho rendeu um convite para lecionar na Harvard University, nos Estados Unidos. Antes de partir para o território norte-americano, porém, Mascarenhas decidiu ir ao Japão tentar obter amostras de ossos de vítimas das bombas atômicas e, assim, testar seu método. “Deram-me uma mandíbula e resolvi medir a dose de radiação lá mesmo, na Universidade de Hiroshima. Eu precisava comprovar que minha descoberta era verdadeira por meio de experiências”, contou.

Sérgio Mascarenhas conseguiu demonstrar que era possível obter um sinal dosimétrico daquela amostra, apesar da tecnologia ainda rudimentar e da falta de computadores para ajudar a processar o resultado. O trabalho foi apresentado com grande repercussão durante o tradicional March Meeting promovido anualmente pela American Physical Society. As amostras foram trazidas por Mascarenhas para o Brasil, onde estão até hoje. “Nesses últimos 40 anos houve um grande avanço na instrumentação, que se tornou mais sensível. Atualmente, é possível ver o gráfico na tela do computador e obter uma tabela com os dados digitalizados. Além disso, os estudos de Física básica também evoluíram, permitindo simular e manipular o sinal obtido com a amostra por técnicas computacionais”, comenta Baffa.

Esses avanços, acrescentou o pesquisador, permitiram neste novo trabalho separar o sinal que corresponde à dose de radiação absorvida durante o ataque nuclear do chamado sinal de fundo – uma espécie de ruído que cientistas suspeitam ser resultado do aquecimento sofrido pelo material durante a explosão.“O  sinal de fundo é uma linha larga, que pode ser produzida por várias coisas diferentes, não tem uma assinatura específica. Já o sinal dosimétrico tem uma característica espectral. Cada radical livre vai ressonar em uma determinada posição do espectro quando exposto a um campo magnético”, explicou Baffa.

Metodologia

Para fazer a medição, os pesquisadores removeram pedaços milimétricos da mesma mandíbula usada no estudo anterior. As amostras foram novamente irradiadas no laboratório – técnica conhecida como dose aditiva. “Adicionamos radiação ao material e vamos medindo como o sinal dosimétrico cresce. Depois construímos uma curva e fazemos a extrapolação com o objetivo de calcular qual era a dose inicial, quando o sinal era supostamente zero. É um método de calibração que nos permite medir amostras diferentes, pois cada osso e cada parte do mesmo osso tem uma sensibilidade diferente à radiação, que depende de sua composição”, explicou Baffa. Graças à combinação de técnicas, foi possível medir uma dose de aproximadamente 9,46 Gray (Gy) – considerada alta, na avaliação de Baffa. “Uma dose de 5 Gy exposta pelo corpo todo, cerca de metade do valor obtido, já é fatal”, disse.

O valor foi compatível com a dose obtida por meio de outras técnicas aplicadas em amostras não biológicas, como, por exemplo, na medição da luminescência de grãos de quartzo presentes nos fragmentos de tijolos e telhas encontrados no local das explosões. Segundo os autores, também está próximo do resultado de técnicas biológicas de medição, aplicadas em estudos de longo prazo que usaram como parâmetro as alterações no DNA de sobreviventes.

“A medida que obtivemos agora é mais confiável que a preliminar, é a mais atualizada. Mas estou atualmente avaliando uma metodologia cerca de mil vezes mais sensível que a ressonância paramagnética. Dentro de alguns meses teremos novidades”, adiantou Mascarenhas.

O artigo Electron spin resonance (ESR) dose measurement in bone of Hiroshima A-bomb victim (doi 10.1371/journal.pone.0192444), de Angela Kinoshita, Oswaldo Baffa e Sérgio Mascarenhas, pode ser lido, clicando AQUI.

Já em dezembro de 2015, em entrevista à Assessoria de Comunicação do IFSC/USP, o Prof. Sérgio Mascarenhas teve a oportunidade de discorrer sobre o início dessa pesquisa, exatamente em razão de seu inicial interesse pela física-médica, tendo contatado alguns médicos da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto (FMRP/USP), propondo algumas inovações para pesquisas nessa área. Com o tempo, as conversas entre o docente do IFSC e os médicos da USP progrediram, conduzindo Sérgio Mascarenhas a trabalhar com a designada Ressonância Paramagnética Eletrônica, que viria a dar frutos para a técnica de datação arqueológica, base fundamental para se fazer a dosagem de radiação em ossos de vítimas do bombardeio a Hiroshima.

Leia AQUI a entrevista.

(Com informações da Agência Fapesp)

(Fotos: IFSC/USP e Hiroshima Memorial Peace Museum)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

ACONTECEU NO IFSC

Pesquisa do IFSC: LED ajuda a combater fungo causador da candidíase

Um novo método à base de LED combateu células do fungo Candida albicans, se mostrando sete vezes mais eficaz do que outras metodologias que também são baseadas no uso da luz para tratar doenças (como micose de unha), conforme relatam pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), em artigo […]

Laser e ultrassom tratam paciente acometida por fibromialgia

Após a aplicação de um protótipo que conjuga o uso de laser com ultrassom, nas palmas das mãos de uma paciente de 61 anos que tem fibromialgia, pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) notaram o desaparecimento das dores que eram acarretadas em 15 regiões do corpo da voluntária. […]

Propulsor e uso de luz podem corrigir retração da mandíbula

O uso intensivo de chupetas e mamadeiras, bem como o hábito de manter o dedo na boca, podem causar, nas crianças, uma deformação na mandíbula, provocando sua retração e o consequente desnivelamento dos lábios inferior e superior. Normalmente, para o tratamento destes casos, utilizam-se aparelhos dentários fixos que ajustam os dentes superiores, fixando-se o dispositivo […]

NOTÍCIAS

Seminário: Grupo de Pesquisa em Nanomateriais e Materiais Cerâmicos

O Dr. Washington Santa Rosa, Pós-Doc em Materiais Compósitos Multiferróicos Cerâmicos, do Departamento de Física da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), foi o palestrante convidado em mais um seminário promovido pelo Grupo de Pesquisa em Nanomateriais e Materiais Cerâmicos (NACA/IFSC) ocorrido na tarde do dia 20 de abril, na Área-2 do Campus USP de […]

“Momento IFSC” aborda benefícios da atividade física

O Auditório “Prof. Sérgio Mascarenhas” recebeu no período da tarde do dia 20 do corrente mês, a iniciativa Momento IFSC, cujo objetivo é apresentar, bimestralmente, temas relacionados com a qualidade e produtividade da comunidade de nosso Instituto no ambiente de trabalho. Nesta primeira sessão, coube a Evert Bacchini (CEFER/USP) apresentar o tema Atividade física, saúde […]

ACONTECEU NO IFSC

Laser e ultrassom tratam paciente acometida por fibromialgia

Após a aplicação de um protótipo que conjuga o uso de laser com ultrassom, nas palmas das mãos de uma paciente de 61 anos que tem fibromialgia, pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) notaram o desaparecimento das dores que eram acarretadas em 15 regiões do corpo da voluntária. […]

Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..