NOTÍCIAS

Concurso Livre-Docência – Profª Cristina Kurachi

 

Comunicamos que as provas do concurso para obtenção do título de livre-docente no qual se encontra inscrita a Profª. Drª. Cristina Kurachi, terão inicio no dia 27 de setembro de 2021, às 8h30, de forma remota.

Informações do concurso estão disponibilizadas abaixo:

Agenda dos Trabalhos

Ponto Sorteado para a Prova Escrita

Ponto Sorteado para a Prova Didática

Resultado do concurso – Quadro Notas

Prêmio CBMM – Vídeo apresenta retrospectiva do trabalho do Prof. Vanderlei Bagnato

Ganhador do Prêmio CBBM de Ciência e Tecnologia – 2021, na área de “Ciência”, o Diretor do IFSC/USP, Prof. Vanderlei Salvador Bagnato, viu agora ser publicado um vídeo que retrata um pouco de sua vida acadêmica e científica, desde muito cedo norteada para a área da Saúde, numa incansável busca para resolver alguns dos mais pertinentes problemas que assolam a sociedade nessa área.

Esse caminho não tem sido fácil, contudo, o muito que o pesquisador já fez em prol da sociedade constitui um legado imensurável, numa contribuição que ficará certamente registrada na história da ciência brasileira e mundial.

Assista a esse vídeo, clicando imagem abaixo:

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Dias 25 e 26 de novembro – “I Congresso USP de Cultura e Extensão”

Realiza-se nos dias 25 e 26 de novembro do corrente ano o “I Congresso USP de Cultura e Extensão”, um evento, online que trará palestras e apresentações de trabalhos desenvolvidos por docentes, discentes e servidores técnico-administrativos da USP, em uma grande oportunidade para que toda a comunidade amplie seus conhecimentos e experiências sobre o que é fazer cultura e extensão universitária.

O Congresso propõe-se a ser uma conexão entre a Universidade e a sociedade, permitindo o contato entre os diversos atores que fazem extensão na USP e promovendo a interação entre as áreas do conhecimento.

A submissão de trabalhos está aberta entre os dias 22 de setembro e 18 de outubro.

Confira as normas, informações completas, cronograma e formulário para inscrição no site oficial do evento: http://extensao.usp.br/congresso.

Clique AQUI para assistir ao convite da pró-reitora de Cultura e Extensão Universitária.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

“Inova USP São Carlos”: cidade reforça seu papel na inovação em prol da sociedade

A Universidade de São Paulo (USP) deu, no passado dia 21 de setembro, mais um passo importante para que a cidade de São Carlos se consolide como um importante polo regional de inovação ao serviço da sociedade, ao inaugurar na Área-2 do Campus USP da cidade  o “Inova USP São Carlos”, um espaço de 800m2 inteiramente dedicado ao desenvolvimento de ideias e projetos desenvolvidos por alunos e pesquisadores, e que irão gerar impactos positivos na sociedade. Neste espaço ficará instalada também a sede da Agência USP de Inovação – Polo local (AUSPIN).

Estiveram presentes neste evento os Reitor e Vice-Reitor da USP, na circunstância, Profs. Vahan Agopyan e Antonio Carlos Hernandes, o atual presidente do Conselho Gestor do Campus USP de São Carlos, Prof. Emanuel Carrilho, Prefeito de São Carlos, Sr. Airton Garcia, Secretário Municipal de Meio Ambiente, Ciência, Tecnologia e Inovação, Prof. José Galizia Tundisi, Presidente da Câmara Municipal de São Carlos, Vereador Roselei Françoso, e o Diretor do Instituto de Física de São Carlos e coordenador do Projeto EMBRAPII, Prof. Vanderlei Salvador Bagnato.

Consolidando os trabalhos e projetos já executados nos últimos anos, esta cerimônia contou ainda com a assinatura de um protocolo de colaboração entre a USP e a Prefeitura Municipal de São Carlos no sentido de se realizarem projetos essencialmente voltados para a resolução de problemas que afetam a sociedade, bem como o desenvolvimento nas áreas de ensino e pesquisa. Conforme afirmou o Vice-Reitor da USP, a ideia é que a Universidade atue sempre como indutora de transformação “capaz de utilizar o conhecimento em uma iniciativa que transforme a comunidade”.

(Com informações de Erika Yamamoto – Jornal da USP / Foto: Henrique Fontes)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Anã Marrom – Um objeto subestelar

Figura 1 – As massas características de exoplanetas, anãs marrons e estrelas vão até 13, entre 13 e 80 e acima de 80 vezes a massa do planeta Júpiter, respectivamente (Crédito: NASA)

Por: Prof. Roberto N. Onody *

Pela ação da gravidade, nebulosas gigantescas de gases (na sua maioria, hidrogênio e hélio) e poeira dão origem a centenas e, às vezes, milhares de estrelas. Nesse berçário, a reação de fusão do núcleo do deutério (1 próton e 1 nêutron) com 1 próton para formar o núcleo do hélio3, é um estágio comum para as estrelas jovens – as protoestrelas. A temperatura de ignição dessa reação, gira em torno de um milhão de graus Celsius.

No Universo há pouca quantidade de deutério. Se a massa da protoestrela for muito grande, a contração gravitacional vai prevalecer sobre a expansão causada pela fusão do deutério, aumentando sua densidade e sua temperatura, até que esta atinja cerca de dez milhões de graus Celsius. Neste ponto, se inicia uma outra reação de fusão: núcleos de hidrogênio se fundem formando núcleos de hélio. A pressão de radiação, oriunda dessa reação, evita o seu colapso gravitacional. Nasce uma estrela.

Entretanto, se a massa da protoestrela for pequena o bastante e houver deutério suficiente, a contração gravitacional pode se equilibrar com a expansão provocada pela fusão de deutério. Nasce uma anã marrom.

Figura 2 – Temperaturas na superfície e idades estimadas: Sol (4,7 bilhões de anos), anã vermelha Gliese 229 A (3 bilhões de anos), anã marrom Teide 1 (jovem, 120 milhões de anos), anã marrom Gliese 229 B (velha, 3 bilhões de anos), anã marrom WISE 1828 (fria, 2 a 4 bilhões de anos) e Júpiter (4,6 bilhões de anos) (Crédito: MPIA/ V. Joergens)

Tipicamente, a massa de uma anã marrom gira em torno de 13 a 80 vezes a massa do planeta Júpiter (Figura 1). Anãs marrons mais massivas podem dar início à fusão de lítio (o núcleo do lítio mais abundante, tem 3 prótons e 4 nêutrons). Nesta reação, o núcleo de lítio se funde a 1 próton formando o Berílio8 que decai em 2 núcleos de helio4. A temperatura de ignição dessa reação é da ordem de 2,5 milhões de graus Celsius 1.

À medida que uma anã marrom consome o deutério, ela se contrai, aumentando a densidade e a pressão. Quanto mais velha a anã marrom, menor é o seu raio. O processo de contração gravitacional continua até que se atinja as temperaturas, pressões e densidades críticas (Tc ~ 3.000 K; Pc ~ 100.000.000 atm; 10 g/cm3 < ρc < 1000 g/cm3). Nesse ponto, há o efeito quântico da pressão de gás de férmions degenerados. Os férmions (elétrons, prótons e nêutrons) embora fortemente comprimidos, não podem ir para níveis mais baixos de energia, devido ao Princípio de Exclusão de Pauli. Isso evita o colapso gravitacional da anã marrom.

Na superfície de uma anã marrom, a temperatura varia, em geral, de 100 a 3.700 graus Kelvin (Figura 2), num processo de resfriamento que pode levar algumas centenas de milhões de anos ou mais. As anãs marrons mais quentes têm cor laranja ou vermelho, enquanto as mais frias têm cor magenta (para o olho humano). Para uma lista de anãs marrons (última atualização em 30/08/2021) veja referência 2.

A existência de anãs marrons foi teoricamente prevista pelo astrônomo norte-americano Shiv Kumar em 1962. Mas, foi somente em 1995 que houve a comprovação experimental definitiva (Figura 3). Curiosamente, essa anã marrom (batizada de Gliese 229B) foi encontrada junto a uma anã vermelha (Gliese 229A), uma estrela pequena que já tem massa suficiente para iniciar a reação de fusão do hidrogênio. Como uma anã vermelha funde hidrogênio em hélio muito lentamente, a sua expectativa de vida é muito alta – de centenas de bilhões a trilhões de anos! (mais do que a idade estimada do universo que é de 13,7 bilhões de anos). Para comparar, o nosso Sol tem 4,5 bilhões de anos de idade e expectativa de mais 5 bilhões de anos de vida. Tanto o Sol quanto as anãs vermelhas devem terminar suas vidas como anãs brancas.

Figura 3 – O sistema binário Gliese 229, composto de uma anã vermelha e uma anã marrom, está a uma distância de 19 anos-luz da Terra. A anã marrom, Gliese 229B, tem massa entre 20 a 50 vezes a massa do planeta Júpiter (Crédito: NASA/JPL)

A anã marrom mais próxima da Terra está no sistema Luhman 16 3, a uma distância de cerca de 6,5 anos-luz (1 ano-luz é, aproximadamente, 63 mil vezes a distância Terra-Sol). Na verdade, Luhman 16 é um sistema binário composto por 2 anãs marrons. É o terceiro sistema mais próximo da Terra. O sistema estelar mais próximo da Terra é triplo – Alpha Centauri, com 2 estrelas semelhantes ao nosso Sol e uma anã vermelha. Está a uma distância de 4,37 anos-luz. Em seguida, vem outra anã vermelha – a Barnard, que se encontra a 6 anos-luz da Terra.

As anãs marrons são difíceis de serem detectadas. Tanto é assim, que mesmo a mais próxima (no sistema binário Luhman 16) só teve sua existência confirmada em 2013!

Vários fatores colaboram para essa dificuldade. As anãs marrons têm diâmetros muito pequenos, comparável aos de planetas gigantes tipo Júpiter. As temperaturas na sua superfície são bastante baixas, de modo que elas brilham muito pouco no comprimento da luz visível. A sua radiação é mais intensa no comprimento da luz infravermelha. Portanto, para que a descoberta de novas anãs marrons deslanchasse, foi antes necessário, o desenvolvimento e aprimoramento de novos dispositivos detectores no infravermelho. Isso de fato aconteceu, e veio na esteira da busca por exoplanetas. Hoje, já são conhecidos milhares de exoplanetas e anãs marrons.

O primeiro exoplaneta orbitando uma anã marrom foi detectado em 2004, através do telescópio VLT (Very Large Telescope) que fica no deserto do Atacama, Chile 4. Batizado de 2M1207b, ele está a aproximadamente 170 anos-luz da Terra. Sua massa foi estimada entre 3 a 10 vezes a massa de Júpiter e sua distância à anã marrom é cerca de 40 vezes a da Terra-Sol (aproximadamente, a distância Plutão-Sol).

Em 2003, a NASA lançou o seu primeiro observatório com instrumentos específicos para análise da luz infravermelha – o telescópio espacial Spitzer. Entre seus múltiplos resultados, se encontra a descoberta da anã marrom com menor período de rotação – a 2MASS J03480772-6022270 (aproximadamente, 1 rotação completa por hora).

Em 2009, a NASA lançou o satélite espacial WISE (Wide-field Infrared Survey Explorer) que detectou centenas de novas anãs marrons. Entre elas, dezenas de anãs marrons muito frias, incluindo a mais fria observada até hoje – a WISE 0855-0714, cuja temperatura da superfície está entre – 48 e – 13 oC.

Na busca por novos exoplanetas, a NASA programou 2 missões: a primeira com o telescópio espacial Kepler, que durou de 2009 a 2018 e a segunda, com o lançamento do satélite TESS 5 (Transiting Exoplanet Survey Satellite) em 2018. Ambas se baseiam na observação de exoplanetas quando eles estão em trânsito, isto é, passando em frente, bloqueando parcial e temporariamente, a luz estelar. Este método permite estimar o diâmetro, a massa, o período de rotação e até obter alguma informação sobre a composição atmosférica do exoplaneta.

Em 2014, astrônomos analisando cerca de 64 anãs marrons, notaram que muito poucas tinham massas entre 35 e 55 vezes a massa de Júpiter. Eles denominaram essa região de ‘deserto de anãs marrons’. Até hoje, já foram detectadas cerca de 3.000 anãs marrons, a mais distante a, aproximadamente, 23 anos-luz.  Estima-se que a nossa Via-Láctea contenha de 50 a 100 bilhões de anãs marrons.  A NASA prevê para dezembro de 2021, o lançamento do telescópio espacial James Webb 6, que deverá substituir o honorável Hubble (que forneceu milhares de imagens fantásticas e informações sobre o mundo em que vivemos). Então, as anãs marrons, essas estrelas que não deram certo, terão muitos dos seus segredos revelados.

*Físico, Professor Sênior do IFSC – USP

e-mail: onody@ifsc.usp.br

(Agradecimento: ao Sr. Rui Sintra da Assessoria de Comunicação)

Referências:

1Brown dwarf – Wikipedia

2 List of brown dwarfs – Wikipedia

3 K. Luhman, Astrophysical Journal Letters767 (1): L1 (2013)

https://doi.org/10.1088%2F2041-8205%2F767%2F1%2FL1

4 G. Chauvin et al., Astronomy and Astrophysics425 (October 2004), pp. L29–L32

https://doi.org/10.1051%2F0004-6361%3A200400056

5 About TESS | NASA

6 James Webb Space Telescope – Webb/NASA

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Artigos do IFSC/USP mais citados no Essential Science Indicators – Bimestre Maio/Junho de 2021

A Biblioteca do IFSC/USP apresenta os artigos científicos produzidos pelos seus docentes e pesquisadores que foram identificados como interessantes no bimestre de maio/junho  de 2021 pela Essential Science Indicators, um dos produtos de citação da agência Clarivate Analytics/Thomson Reuters. Lembramos que o acesso ao texto completo é liberado para comunidade USP ou quem tem acesso ao Portal CAPES.

Para mais informações: sbiprod@ifsc.usp.br

ÁREA:   Agricultural Sciences

Development of cellulose-based bactericidal nanocomposites containing silver nanoparticles and their use as active food packaging

ÁREA:   Chemistry

A review on chemiresistive room temperature gas sensors based on metal oxide nanostructures, graphene and 2D transition metal dichalcogenides

Emergence of complexity inhierarchically organized chiral particles

Folding of xylan onto cellulose fibrils in plant cell walls revealed by solid-state NMR

Molecular docking and structure-based drug design strategies

Plasmonic biosensing: focus review

Yolk-shelled ZnCo2O4 microspheres: Surface properties and gas sensing application

ÁREA:   Clinical Medicine

Prevention of viral transmission during lung transplantation with hepatitis C-viraemic donors: an open-label, single-centre, pilot trial

ÁREA:   Materials Science

A non-volatile organic electrochemical device as a low-voltage artificial synapse for neuromorphic computing

ÁREA:   Molecular Biology & Genetics

Functional and evolutionary insights from the genomes of three parasitoid Nasonia species

ÁREA:   Physics

Analyzing and modeling real-world phenomena with complex networks: a survey of applications

Antiproton flux, antiproton-to-proton flux ratio, and properties of elementary particle fluxes in primary cosmic rays measured with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

Boosting the sensitivity of Nd3+-based luminescent nanothermometers

Bose-Einstein condensation: twenty years after

Observation of new properties of secondary cosmic rays lithium, beryllium, and boron by the alpha magnetic spectrometer on the International Space Station

Precision measurement of the boron to carbon flux ratio in cosmic rays from 1.9 GV to 2.6 TV with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

Precision measurement of the helium flux in primary cosmic rays of rigidities 1.9 GV to 3 TV with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

Precision measurement of the proton flux in primary cosmic rays from rigidity 1 GV to 1.8 TV with the Alpha Magnetic Spectrometer on the International Space Station

The Kuramoto model in complex networks

The Pierre Auger Cosmic Ray Observatory

Towards understanding the origin of cosmic-ray positrons

ÁREA:   Space Science

Design concepts for the Cherenkov Telescope Array CTA: an advanced facility for ground-based high-energy gamma-ray astronomy

Detection of variable VHE γ-ray emission from the extra-galactic γ-ray binary LMC P3

Introducing the CTA concept

Multi-messenger observations of a binary neutron star merger

Observation of a large-scale anisotropy in the arrival directions of cosmic rays above 8 x 1018 eV

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

IFSC EM PROL DA SOCIEDADE

INFO COVID-19

  • Programa USP VidaConheça o programa
    USP Vida

  • Ações IFSC - COVID-19Ações do IFSC frente
    ao COVID-19

EVENTOS

COLÓQUIOS E SEMINÁRIOS

NOTÍCIAS

Concurso Livre-Docência – Profª Cristina Kurachi

  Comunicamos que as provas do concurso para obtenção do título de livre-docente no qual se encontra inscrita a Profª. Drª. Cristina Kurachi, terão inicio no dia 27 de setembro de 2021, às 8h30, de forma remota. Informações do concurso estão disponibilizadas abaixo: Agenda dos Trabalhos Ponto Sorteado para a Prova Escrita Ponto Sorteado para a Prova Didática Resultado do […]

Prêmio CBMM – Vídeo apresenta retrospectiva do trabalho do Prof. Vanderlei Bagnato

Ganhador do Prêmio CBBM de Ciência e Tecnologia – 2021, na área de “Ciência”, o Diretor do IFSC/USP, Prof. Vanderlei Salvador Bagnato, viu agora ser publicado um vídeo que retrata um pouco de sua vida acadêmica e científica, desde muito cedo norteada para a área da Saúde, numa incansável busca para resolver alguns dos mais […]

Dias 25 e 26 de novembro – “I Congresso USP de Cultura e Extensão”

Realiza-se nos dias 25 e 26 de novembro do corrente ano o “I Congresso USP de Cultura e Extensão”, um evento, online que trará palestras e apresentações de trabalhos desenvolvidos por docentes, discentes e servidores técnico-administrativos da USP, em uma grande oportunidade para que toda a comunidade amplie seus conhecimentos e experiências sobre o que é […]

IFSC EM PROL DA SOCIEDADE

INFO COVID-19

  • Programa USP VidaConheça o programa
    USP Vida

  • Ações IFSC - COVID-19Ações do IFSC frente
    ao COVID-19

EVENTOS

COLÓQUIOS E SEMINÁRIOS

Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..