IFSC e Sociedade

20 de setembro de 2018

Pesquisadores do IFSC/USP desenvolvem laser para tratamento da mucosite

Pesquisadores do Grupo de Óptica do IFSC/USP desenvolveram um laser para tratar mucosite em pacientes com câncer, cujo tratamento está sendo oferecido, de forma gratuita, na Unidade de Terapia Fotodinâmica, estrutura localizada na Santa Casa de Misericórdia de São Carlos.

Segundo o Dr. Vitor Hugo Panhoca (pesquisador do IFSC/USP e dentista), a inflamação atinge a mucose, tecido que protege a boca e a garganta, sendo que as feridas brancas que se formam nessa região são semelhantes a aftas.

Segundo o pesquisador, a principal diferença entre uma afta e a mucosite é o tamanho da lesão, já que a mucosite apresenta uma dimensão maior, causando no paciente muito desconforto para mastigar e falar.

Normalmente, pacientes com câncer costumam ter mucosite, que é um efeito colateral do tratamento de rádio e quimioterapia, sendo que as aplicações do laser nas feridas costumam durar cerca de seis minutos. A luz aplicada através do aparelho de laser vai provocar nesse tecido mucoso, onde está a mucosite, um efeito anti-inflamatório, um efeito cicatrizante e também provoca o alívio da dor nessa região, fazendo com que o paciente consiga falar sem dor, fazer a deglutição também sem dor e tudo isso vai provocar melhora no quadro geral do paciente, ao contrário do que acontece com o tratamento mais comum, indicado pelos especialistas, que é o bochecho com antisséptico, cujo resultado não é tão rápido. As lesões podem demorar várias semanas para desaparecer.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

17 de setembro de 2018

Programa “Bem Estar” (TV Globo) destaca trabalho de pesquisadores do IFSC/USP

Os efeitos da luz no tratamento de um conjunto lato de doenças: este foi o grande destaque do programa Bem Estar, transmitido pela TV Globo em sua edição do dia 10 deste mês de setembro.

O diretor de nosso Instituto, Prof. Vanderlei Bagnato, explicou de forma sublime como se utiliza a luz para as ciências da vida, nomeadamente para aplicações em tratamentos da fibromialgia, dores de garganta, HPV, câncer de colo do útero, câncer de pele e mucosite, tendo sido exibidos exemplos práticos coordenados por pesquisadores do Grupo de Óptica do IFSC/USP, nos casos específicos de Antônio de Aquino Júnior e Vitor Hugo Panhoca, tudo configurado em novas alternativas a tratamentos convencionais.

Vale a pena conferir esse programa, clicando na figura abaixo.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

13 de setembro de 2018

Tratamentos disponíveis na Unidade de Terapia Fotodinâmica (SCMSC)

Inaugurada em 2015, nas instalações da Santa Casa da Misericórdia de São Carlos, a Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF) oferece tratamentos para as seguintes doenças:

Fibromialgia;
Artrose;
Câncer de pele;
Úlceras varicosas:
Úlceras de pé de diabetes;
Quelóide;
Psoríase;
Mucosite
Onicomicose ;
Avaliação de bioimpedância;

As marcações para avaliações e tratamentos poderão ser feitas através do telefone (16) 3509-1351, ou pelo email fotodinamica@santacasasaocarlos.com.br

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

20 de agosto de 2018

IFSC/USP: Triplicando atendimento no tratamento da artrose

Devido ao grande número de pacientes que têm procurado atendimento na Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF), instalada na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos, nomeadamente no que diz respeito aos tratamentos dos processos dolorosos causados por artrose, a coordenação daquela unidade decidiu triplicar a capacidade de atendimento.

Assim, dos habituais trinta atendimentos mensais, a equipe da UTF começa agora a atender cento e dez pacientes por mês, indo ao encontro da súbita e enorme demanda por esses serviços (gratuitos), consubstanciada por várias centenas de pacientes, oriundos de todos os estados de nosso país e mesmo do exterior, que têm contatado o IFSC/USP e a UTF no sentido de se poderem cadastrar para iniciar os tratamentos.

(Foto: Secuvita)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

16 de agosto de 2018

No IFSC/USP: tratamento da artrose com ultrassom e laser

Os protocolos e equipamentos desenvolvidos no IFSC/USP para tratamento dos processos doloridos da artrose foram destaques no Jornal Nacional da TV-Globo na sua edição de 08 de agosto.

Segundo a Sociedade Brasileira de Reumatologia, cerca de 50 milhões de brasileiros têm artrose, uma inflamação que provoca o desgaste da cartilagem dos ossos e que não tem cura.

Clique AQUI para assistir à reportagem do “Jornal Nacional”.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

11 de julho de 2018

No IFSC/USP: Tecnologias ópticas tratam câncer de pele e úlceras

Úlcera de pé de diabetes

Fazer ciência para que os resultados revertam integralmente para a sociedade é algo que está na gênese e no espírito do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), que partilha integralmente dos objetivos da própria Universidade de São Paulo, que é a primeira a incentivar que se percorra esse caminho. Tudo o que se faz nos laboratórios do IFSC/USP transpira ao desejo que a população seja beneficiada: dos sensores que anteveem ou detectam as mais variadas doenças, aos novos materiais que podem, inclusive, ser uma resposta para a criação de novas e inovadoras próteses e ortóteses, a descoberta de novos e mais eficazes fármacos, até à descoberta de novos protocolos que permitem inovadores tratamentos para as mais variadas doenças – HIV, inúmeros tipos de câncer, HPV, onicomicose, fibromialgia, artrites e artroses, úlceras varicosas e de pé de diabetes, psoríase, etc. -, já para não falar em novas e promissoras pesquisas relativas a diversas áreas de computação física, inclusive o Big Data, tudo é feito pensando na população e no seu bem estar.

E, se o IFSC/USP faz o que faz tendo em vista o bem estar da população, baseado na gratuidade de prover à sociedade novos protocolos e equipamentos, o certo é que, para isso, esta Unidade da USP congrega em seu redor um grande conjunto de colaboradores e parceiros, quer nas áreas médica e técnica, quer naquelas que se encontram

Úlcera varicosa

inseridas no mundo produtivo nacional e que subscrevem plenamente todo este esforço.

A Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF) instalada na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos é talvez o exemplo maior de toda essa “sede” que o IFSC/USP tem em querer estar ao serviço da sociedade, em ajudar as pessoas, principalmente as que estão inseridas em grupos mais vulneráveis, mais carentes, num país que ainda não enxergou que o caminho da ciência é aquele que definitivamente garante a riqueza, o desenvolvimento e o bem-estar de sua sociedade.

Inaugurada em 2015, a Unidade de Terapia Fotodinâmica, criada a partir de um trabalho intenso de pesquisadores do Grupo de Óptica do IFSC/USP, em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos, tem desempenhado um papel social importantíssimo na área de saúde pública, facultando tratamentos gratuitos para muitas doenças que, até há pouco tempo, eram consideradas problemáticas e de difícil acesso da população aos tratamentos disponíveis.

Úlceras varicosas e câncer de pele

Nesta pequena matéria, inteiramente dedicada ao câncer de pele e às úlceras varicosas e de pé de diabetes, vamos tentar mostrar o quanto o pessoal técnico ao serviço da UTF está empenhado não só no sucesso dos tratamentos que são ministrados

Câncer de pele

aos pacientes, como também na relação humanizada com as pessoas, na sua maioria com baixos recursos econômicos. Fabiana Ferreira – podóloga e enfermeira – é especialista no projeto de tratamento de úlceras em pés de diabetes tipos I e II e mostra-se extremamente solidária com os pacientes.

O tratamento da úlcera do pé de diabetes tipo II é, segundo a especialista, um processo mais complicado que as do tipo I, atendendo a que os pacientes que apresentam esse tipo de ferida adquiriram a diabetes ao longo do tempo, ao contrário dos que apresentam o tipo I, que já nasceram com o problema: “O paciente com diabetes tipo I já se habituou a conviver com a doença, já sabe se prevenir e atuar, ao contrário do paciente com diabetes tipo II, que se vê “perdido” em face ao aparecimento de feridas nos pés e que estão relacionadas com hábitos de vida inadequados praticados ao longo de sua vida, hipertensão e obesidade, entre outros fatores. Aliado ao tratamento fotodinâmico, desenvolvido no IFSC/USP e que realizamos na UTF, incentivamos e tentamos ajudar os doentes a adquirirem hábitos de vida saudáveis, como, por exemplo, períodos de repouso, alimentação adequada, marcha correta e cuidados pessoais” relata Fabiana, alertando que as feridas nos pés de diabetes aparecem derivadas de problemas venosos e que, embora sejam doloridas, o diabético não sente, exatamente por ter menos sensibilidade que as outras pessoas, o que provoca complicações infecciosas. “O tratamento fotodinâmico, realizado duas vezes por semana na

Lara Ferreira

UTF, pode obter até 80% de eficácia, só que os restantes 20% de sucesso só se atingem se o paciente cuidar de si mesmo em casa, no trabalho e na sua vida cotidiana, seguindo as orientações que são dadas por nós e pelos médicos”, enfatiza Lara Ferreira.

Contudo, é no relacionamento com o paciente que se atinge o primeiro sucesso. Os doentes acorrem à UTF com um estado emocional muito debilitado, com a autoestima muito baixa, tímidos, envergonhados e receosos em face daquilo que pensam ser uma derradeira esperança para sua cura, já que anteriormente tentaram tudo o que estava ao seu alcance. E é aqui que entra o parâmetro social, aliado às técnicas, protocolos e equipamentos desenvolvidos pelo IFSC/USP junto de todo o pessoal técnico e auxiliar que desenvolve seu trabalho na UTF. O acolhimento dos pacientes e todo o processo de tratamento são feitos de forma extraordinária: todo o paciente é tratado pelo seu nome, como se pertencesse a uma mesma família, enquanto que os contatos periódicos com os médicos é sempre feito com boa disposição e objetividade, fatores que transmitem enorme esperança e confiança e auxiliam enormemente na recuperação plena.

O mesmo acontece relativamente aos tratamentos de úlceras varicosas e câncer de pele. Elissandra Zanchin é enfermeira e especialista em laserterapia na UTF, confirmando que a maioria das pessoas que procuram a Unidade é muito carente, com baixa renda. “As pessoas que nos procuram vêm através de encaminhamento médico dos postos de saúde e o primeiro estágio é a avaliação que é feita pelos médicos que aqui prestam serviço e que estão plenamente integrados nas pesquisas que são feitas

Elissandra Zanchin

no IFSC/USP. Dependendo dessas avaliações, os tratamentos iniciam-se de imediato. A expectativa dos pacientes é alcançarem a cura de forma rápida, embora desconheçam por completo que tipo de tratamento é: só sabem que é um câncer de pele provocado por largos anos de exposição ao sol, ou uma úlcera varicosa causada por má circulação sanguínea, entre outras causas, e não querem perder tempo. Tudo isso é típico de quem está sob forte estresse emocional, estado de ansiedade, baixa estima e mesmo angústia, o que nos leva a ter muita calma, solidariedade e proximidade no relacionamento, até porque a maioria das pessoas tem idade acima dos sessenta anos. São pessoas humildes, que chegam a caminhar dezenas de quilômetros para chegar até aqui e que começam a depositar em nós uma confiança extrema porque interagimos com elas de forma amistosa, solidária, profissional e transparente, caminhando com elas ao seu lado até atingirmos a cura”, sublinha Elissandra Zanchin, que reflete no seu olhar o sentimento manifestado por todos os profissionais de enfermagem que estão ao serviço da UTF da Santa Casa da Misericórdia de São Carlos.

A conjugação dos fatores acima descritos, aliada ao fato dos tratamentos serem complemente gratuitos, vão ao encontro da filosofia do Instituto de Física de São Carlos e da própria Universidade de São Paulo, que se traduz em devolver à sociedade – através do trabalho que é feito nos laboratórios do IFSC/USP e a sua interação com diversas empresas parceiras de alta tecnologia – o incansável apoio que a mesma tem dado ao contribuir com parte de seus impostos para o desenvolvimento da ciência e tecnologia.

A próxima matéria, que será publicada em breve, abordará o trabalho que é feito na área de fisioterapia, onde as ações sociais são igualmente uma referência junto dos pacientes.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação IFSC/USP

2 de julho de 2018

No IFSC/USP: Novo tratamento para doentes com Fibromialgia

Os tratamentos da Fibromialgia, que desde há cerca de oito meses se iniciaram gratuitamente, na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC) – em unidade específica que presta outros atendimentos para pesquisa, como osteoartrose -, graças a uma feliz parceria entre essa instituição e o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), através de seu Grupo de Óptica, acabam de ganhar mais um avanço científico com a introdução de um novo protocolo que está já em execução na Unidade de Terapia Fotodinâmica da SCMSC.

Recordamos que a fibromialgia é uma doença crônica, de foro psicológico, com maior prevalência em mulheres, associada à incapacidade funcional e dores crônicas, sendo que até há bem pouco tempo os tratamentos mais comuns incluíam medicamentos, exercícios físicos, reeducação nutricional e ajuda psicológica.

Daniel Franco, Antonio de Aquino Junior e Juliana Amaral

Atendendo ao fato de que a fisioterapia comumente usa recursos, como ultrassom terapêutico e terapia a laser, terapias essas que já demonstraram ter um grande potencial para diminuir a dor e a capacidade funcional dos pacientes com fibromialgia, uma equipe de pesquisadores do Grupo de Óptica do CEPOF-IFSC/USP, constituída pelos fisioterapeutas Juliana Amaral e Daniel Marques Franco, e os pesquisadores Antonio de Aquino Junior e Vanderlei Salvador Bagnato, descobriram um novo método bem mais eficaz no combate às dores e incapacidades provocadas pela doença.

“O tratamento inicial compreendia a aplicação de ultrassom e laser conjugados no ponto sensível, localizado no músculo trapézio (perto do ombro), um dos diversos locais apresentados pela doença– por vezes insuportável -, cujos resultados foram extremamente positivos. Contudo, essa aplicação não conseguia,

Fisioterapeuta Juliana Amaral

por vezes, atingir as principais inervações afetadas, comprometendo assim a eficácia de se atingirem os 100% no restabelecimento da qualidade de vida dos pacientes e, claro, na eliminação da dor”, salienta Juliana Amaral.

No início deste ano, em um artigo científico publicado no Journal of Novel Physiotherapies, este grupo de pesquisa lançou um novo protocolo para o tratamento da fibromialgia, utilizando o mesmo método, mas desta vez nas palmas das mãos, local onde a fibromialgia traz ao paciente a característica da existência excessiva de neuroreceptores ao

redor de capilares sanguíneos, o que, por si só, facilita as aplicações de laser e de ultrassom, tornando-as bastante eficazes.

Esse artigo relata o caso de uma mulher com 61 anos de idade, com diagnóstico de fibromialgia, queixando-se com muitas dores e diminuição da capacidade funcional. “Ao ter sido submetida ao novo tratamento nas palmas das mãos durante dez sessões (2 vezes por semana), nossa equipe observou uma quase total redução da dor e um aumento de 335% de suas capacidades físicas, possibilitando ao paciente retornar às atividades diárias. Esse método – um estudo de caso – mostra a eficácia deste novo tratamento, consubstanciado em uma nova proposta de tecnologia e metodologia, utilizando equipamentos que permitem a sobreposição do campo, bem como a aplicação nas palmas das mãos, trazendo para o paciente, mais uma vez, a qualidade de vida tão desejada”, sublinha a fisioterapeuta.

Novo equipamento estará comercialmente disponível a partir de março de 2019

Em um novo artigo científico publicado em junho deste ano, igualmente no Journal of Novel Physiotherapies, intitulado Podem as mão prover um novo tratamento para a fibromialgia? Um estudo piloto, a mesma equipe de pesquisa, desta vez reforçada com as participações de Heloisa Ciol (IFSC/USP) e Anderson Luis Zanchin (MM Optics), relatou as diferenças encontradas entre este novo tratamento e o primeiro (cuja aplicação combinada incidia apenas sobre o trapézio), tendo chegado à conclusão que o novo protocolo se apresenta como o mais eficiente para o restabelecimento da qualidade de vida dos pacientes acometidos com fibromialgia e para a redução quase integral dos estados de dor.

O equipamento, especialmente concebido e desenvolvido pelo Grupo de Óptica do CEPOF-IFSC/USP para tratar artrites, artroses, fibromialgia e outras doenças inflamatórias, estará disponível no mercado a partir de março de 2019, sob responsabilidade da empresa são-carlense “MM Optics”

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

20 de março de 2018

Processo que mata larvas do Aedes aegypti é elucidado

O passo a passo da morte de larvas do mosquito Aedes aegypti ocasionada pela reação da curcumina – substância que é usada na culinária e que, diante da luz solar, pode combater as larvas – foi compreendido no Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP).

Orientado pela Dra. Kate Blanco (IFSC/USP) e financiado tanto pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) como pelo Ministério da Saúde, o bolsista de Iniciação Científica do IFSC e aluno de graduação em ciências biológicas do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP), Matheus Garbuio, observou a ação da curcumina (sintetizada em laboratório), no trato digestivo das larvas.

Foto: Richard C. Russell

Garbuio inseriu sete grupos de trinta larvas em potes que continham 250ml de água misturada com curcumina e, durante oito horas, expôs esses organismos direta e indiretamente (nesse último caso, em ambientes sombreados) à luz solar. No caso dos potes expostos diretamente, Matheus constatou que bastou meia hora para que se iniciasse a morte das larvas, ao passo que aquelas que receberam incidência indireta de luz demoraram mais tempo para atingir 100% de mortalidade.

A curcumina usada nesse estudo foi misturada com solventes para se tornar facilmente solúvel em água porque, conforme explicam os pesquisadores do IFSC, que realizaram a mistura a partir de uma parceria com o Instituto de Química da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a larva consome a curcumina que é disponibilizada em água.

Segundo Garbuio, o trato digestivo da larva do Aedes aegypti se divide em três regiões – anterior, mediana e posterior -, sendo que elas contêm aspectos distintos que são observados, por exemplo, nos formatos de suas células. Em sua pesquisa, o estudante constatou que, quando a curcumina entra na região anterior do trato digestivo da larva, inicia-se uma proliferação celular que contrai o órgão. Mas quando passa para a região secundária, a curcumina, associada à luz solar, resulta no dano celular do trato e, quando uma alta concentração dessa substância chega a terceira região, culmina na ruptura do tubo, matando a larva do mosquito que, de acordo com informações obtidas pelos pesquisadores do Grupo de Óptica, no Brasil se prolifera de maneiras específicas, dependendo das culturas regionais: na região sudeste, por exemplo, a proliferação se dá em razão do lixo doméstico, mas nas regiões norte e nordeste, o mosquito se reproduz por meio de cisternas e caixas de água destampadas ou danificadas.

Com o potencial demonstrado pela curcumina associada à luz solar para combater a larva do mosquito, serão realizados ensaios bioquímicos, nos quais, ao invés de se observar os aspectos morfológicos da reação tóxica em questão, se tentará descobrir quais são as substâncias que estão por trás do efeito mortal provocado a partir da curcumina conjugada à luz natural. Além disso, os cientistas do IFSC esperam que, no futuro, essa pesquisa inspire novos estudos capazes de combater outros vetores.

Motivado por esse trabalho, Matheus participou, recentemente, do 25º Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da USP (SIICUSP), em São Carlos, tendo se classificado entre as melhores avaliações no evento, razão pela qual apresentou seu estudo na etapa internacional do SIICUSP, na Cidade Universitária, em São Paulo.

(Imagem destacada na página principal: Wikimedia Commons)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

23 de fevereiro de 2018

Laser e ultrassom tratam paciente acometida por fibromialgia

Após a aplicação de um protótipo que conjuga o uso de laser com ultrassom, nas palmas das mãos de uma paciente de 61 anos que tem fibromialgia, pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) notaram o desaparecimento das dores que eram acarretadas em 15 regiões do corpo da voluntária.

O Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior, coordenador da pesquisa, explica que o diagnóstico de fibromialgia somente pode ser positivo quando são descartadas as possibilidades do paciente ter osteoartrite, lúpus, gota e psoríase sistêmica – doenças que também causam dores semelhantes às provocadas pela fibromialgia.

Segundo o pesquisador, os casos de fibromialgia podem ser tratados com o uso de medicamentos “pesados” que amenizam dores e relaxam os músculos, ao passo que, muitas vezes, são receitados remédios para ansiedade e depressão. Além de fármacos, o tratamento pode envolver a prática de exercícios físicos, reeducação nutricional, acompanhamento psicológico e hidroterapia (atividades desenvolvidos com água). Entretanto, segundo Aquino, em virtude de crises agudas de dor, muitos pacientes não conseguem iniciar exercícios físicos e hidroterapia, porque as dores impedem a realização dessas ações.

Ação sistêmica

De acordo com o coordenador da pesquisa, normalmente, as aplicações de ultrassom e laser são feitas diretamente nos pontos em que o paciente sente dor (locais chamados de pontos gatilho ou tender points), e a ideia de se aplicar luz e ultrassom conjugados apenas nas palmas das mãos foi baseada em um artigo no qual se relatava que essas regiões de pacientes com fibromialgia continham um número maior de células sensoriais, em relação às de pacientes que não tinham a doença.

(Foto: Juliana Amaral, Daniel Marques Franco, Antonio Eduardo de Aquino Junior e Vanderlei Salvador. Bagnato Fibromyalgia Treatment: A New and Efficient Proposal of Technology and Methodological – A Case Report. J Nov Physiother 2018, 8:1.)

Da esquerda à direita: Daniel, Antonio Aquino e Juliana (Foto: arquivo pessoal)

Após dez sessões de aplicação de laser e ultrassom (três minutos em cada palma da mão), realizadas duas vezes por semana, as dores da voluntária que participou desse estudo cessaram em todos os pontos e a qualidade de vida da paciente teve uma melhora de 335%. Em uma escala de 0 a 10 (sendo que 10 representava o grau máximo de dor), no início do tratamento, a paciente classificou suas dores com nível 9; no final, a sensação de dor caiu para 0 – os resultados da pesquisa foram publicados no Journal of Novel Physiotherapies, trazendo a assinatura de Aquino, do Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato (docente do IFSC/USP e orientador do estudo) e dos fisioterapeutas da Unidade, Daniel Franco e Juliana Amaral.

Segundo Aquino, a aplicação de ultrassom e laser conjugados culmina na ampliação do potencial anti-inflamatório de ambos os recursos, retomando a homeostase corporal (equilíbrio no organismo) e controlando a dor. Para o pesquisador do Instituto, até recentemente a aplicação combinando os dois tratamentos era inimaginável por uma questão operacional, pois nenhum equipamento proporcionava a associação dessas aplicações. No entanto, de acordo com o pesquisador, o protótipo em questão, que foi desenvolvido no Grupo de Óptica, viabilizou a obtenção do melhor resultado do laser e do ultrassom, simultaneamente.

Sabendo que o uso de laser associado ao do ultrassom pode amenizar os sintomas da fibromialgia, ao passo que seu objetivo agora é verificar qual metodologia pode fornecer melhor ação no tratamento, Aquino tem comparado resultados de aplicações que às vezes são feitas apenas com o uso de laser e que em outros momentos são executadas somente com ultrassom.

(Imagem em destaque: PesquisaPress)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..