IFSC e Sociedade

11 de julho de 2024

Avaliação do impulso nervoso periférico e novo tratamento para redução da neuropatia periférica diabética – Condição dolorosa atinge pacientes com Diabetes Mellitus Tipo-2

(Créditos: Performance – Pain & Sports Medicine)

A neuropatia periférica é uma complicação muito comum relacionada com diabetes e ocorre em aproximadamente 50% dos casos. A dor neuropática acomete três quartos das pessoas com neuropatia periférica diabética e é caracterizada por uma dor diferenciada, crônica, difícil de ser tratada e com poucos estudos relacionados a ela, caracterizando-se por formigamento, sensação picadas de agulha, queimação, pontadas, choques elétricos e câimbras, especialmente nos pés ou nas pernas.

A neuropatia periférica diabética é uma condição dolorosa que atinge, com o passar do tempo, os pacientes com Diabetes Mellitus (Tipo-II), e que agora está sendo investigada por pesquisadores do Grupo de Óptica do IFSC/USP no sentido de ser implementado um tratamento não invasivo e indolor. A pesquisa inicia-se agora com a chamada de sessenta (60) voluntários de ambos os sexos, com idades compreendidas entre os 45 e 70 anos, que não sejam dependentes de insulina e que apresentem pelo menos entre 7 a 13 anos com diagnóstico de Diabetes Mellitus (Tipo-II).

Pesquisadora Juliana da Silva Amaral Bruno

Conforme explica a fisioterapeuta e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia – Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Juliana da Silva Amaral Bruno, responsável por esta pesquisa no Grupo de Óptica do IFSC/USP e sob a orientação do Prof. Vanderlei Salvador Bagnato (IFSC/USP), “Os pacientes serão avaliados e através de métodos e testes específicos poderão ser classificados com neuropatia periférica leve, moderada ou grave, sendo que seguidamente serão submetidos ao novo tratamento. A literatura relata que o diagnóstico precoce da neuropatia faz com que as terapias tradicionais, juntamente com dieta equilibrada e atividade física, reduzam os sintomas da neuropatia periférica. Mas, nossa intenção é ir mais longe, ou seja, queremos prevenir complicações futuras pela perda da sensibilidade protetora, que pode acarretar lesões cutâneas, infecções, amputações na região dos pés e das mãos e, em estágios mais graves, até causar morte”.

Nas técnicas tradicionais de avaliação utilizam-se filamentos (o mais utilizado é o monofilamento de 10 gramas), o diapasão, que verifica a sensibilidade vibratória, sensibilidade térmica (quente e frio) e o reflexo Aquileu. Contudo, nesta pesquisa os cientistas vão realizar a avaliação não só com esses métodos, como também através de um equipamento detentor de uma tecnologia que classifica, em tempo real, o nível da neuropatia através da propagação do impulso do nervo sural, para assim se compararem os resultados. “Esse nervo sural é essencialmente sensitivo, formado a partir dos ramos cutâneos dos nervos tibial e fibular comum, e que se estende desde a fossa poplítea pelas regiões posterior e lateral da perna até a superfície lateral do calcanhar e pé. A tecnologia utilizada nesta pesquisa avalia a velocidade e a amplitude de condução elétrica do nervo”, pontua a pesquisadora, acrescentando que esse tipo de avaliação irá contribuir para comparar as técnicas tradicionais e esse equipamento não invasivo, portátil e com tecnologia de ponta.

A partir dessa avaliação, os pacientes voluntários ingressarão no novo tratamento, cujo foco é estimular o nervo para recuperar e reduzir os sintomas da neuropática periférica, com a realização de vinte e quatro sessões, duas vezes por semana, em dias alternados, com uma duração total de três meses. Este projeto de pesquisa será realizado no NAPID – Núcleo de Apoio à Pesquisa, Inovação e Desenvolvimento, localizado na Rua Riachuelo, nº 171, Centro, São Carlos, contando com uma parceria da Santa Casa de Misericórdia de São Carlos.

Os pacientes interessados em se inscrever nesta pesquisa deverão entrar em contato pelo WhasApp (16) 99708-3702.

Rui Sintra & Adão Geraldo – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

4 de julho de 2024

Nova pesquisa no IFSC/USP faz chamada de pacientes – Terapia fotodinâmica no combate à acne (tipos 1 e 2)

 

(Créditos: Stamford Skin Centre)

 

Pesquisadores do Centro de Pesquisa em Óptica e Fotônica (CEPOF) – um CEPID da FAPESP alocado no IFSC/USP -, em parceria com o Departamento de Morfologia e Patologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e com o  Núcleo Integrado de Laser em Odontologia (NILO) de Ribeirão Preto (SP), concluíram recentemente uma pesquisa que tem o objetivo de combater a acne – tipos 1 e 2, menos severas – substituindo os tratamentos convencionais pela introdução de terapia fotodinâmica. Esta nova abordagem inclui a utilização de curcumina como elemento fotosensibilizador e a aplicação de laser com luz azul, um método que foi desenvolvido no programa de mestrado em biotecnologia na UFSCar, em colaboração com o IFSC/USP. A pesquisadora Gabriely Simão, primeira autora do estudo que foi publicado na revista “Aesthetic Orofacial Science”, é formada em odontologia pela UNICEP, com orientação do Prof. Clóvis Wesley Oliveira de Souza, docente do Departamento de Morfologia e Patologia da UFSCar, orientador no Programa de Pós-Graduação em Biotecnologia e pesquisador colaborador no CEPOF, e da Profª Rosane de Fátima Zanirato Lizarelli (NILO).

A acne

Pesquisadora Gabriely Simão

Muito comum, acne é o nome dado a espinhas e cravos que surgem devido a um processo inflamatório das glândulas sebáceas e dos folículos pilossebáceos, sendo muito frequente na fase da adolescência, sem deixar de ser comum também em adultos, principalmente em mulheres. Além do incômodo das lesões, como na adolescência a aparência é um fator importante, o comprometimento estético determinado por alterações da pele pode atingir o lado psicológico e tornar o adolescente – ou o adulto – inseguro, tímido, deprimido, infeliz, com rebaixamento da autoestima e com consequências sérias que podem persistir pelo resto da vida.

Os tratamentos convencionais de combate à acne incluem aplicações de cremes antibióticos na pele, principalmente o Roacutan, ou ainda a ingestão de medicamentos orais que têm a tendência de provocar efeitos colaterais. “A aplicação da terapia fotodinâmica com a utilização de curcumina e de laser luz azul comprovou nos estudos laboratoriais realizados por Gabriely a eficácia no combate à acne tipos 1 e 2, ou seja, no início da doença, e a possibilidade dessa técnica substituir os tratamentos convencionais com maior segurança e bem-estar para os pacientes, além de ser um procedimento menos invasivo e de baixo custo”, relata a pesquisadora.

Esta pesquisa, traduzida em um caso clínico, compreendeu a colaboração de várias dezenas de pessoas com acne (tipos 1 e 2), sendo que os resultados alcançados dão origem agora a uma chamada de pacientes com essa doença para avançar com o novo tratamento. Esta chamada é dedicada apenas a pessoas com idades compreendidas entre os 25 e 35 anos, de ambos os sexos. “Para pacientes mulheres, há algumas restrições para participarem nesta chamada, como, por exemplo, não estarem grávidas, amamentando, fazendo uso de contraceptivos, hormônios, enfim, de medicamentos tópicos e sistêmicos. Quanto à participação de homens, eles também não poderão estar tomando hormônios”, adverte a pesquisadora. Este tratamento irá ocorrer na Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF) da Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC) e compreenderá a realização de 16 sessões em cada paciente, ao longo de 60 dias.

Prof. Clóvis Wesley Oliveira de Souza

Para o Prof. Clóvis Wesley Oliveira de Souza “A curcumina é um forte sensibilizador. Então, quando existe uma interação entre a luz azul e a curcumina, na presença do oxigênio, essa interação vai produzir espécies reativas de oxigênio, como oxigênio cingleto e os íons hidróxido, e aí ocorre um efeito nas bactérias, que acabam por morrer. Também existe um procedimento que utiliza a luz azul diretamente no tratamento da acne, sem o fotosensibilizador, porque ele também tem uma alta energia e pode igualmente ativar alguns componentes das células bacterianas e também causar-lhes a morte. Só que nesta pesquisa, o grande efeito foi combinar tudo, ou seja, utilizar a terapia fotodinâmica, atendendo a que a curcumina é um antioxidante, anti-inflamatório de baixo custo, e a luz azul é antibacteriana”, explica o docente.

Focada em introduzir seus conhecimentos em clínicas de estética, atendendo a que esta pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética, a pesquisadora Gabriely Simão acredita que, se tudo correr bem, em cerca de seis meses este protocolo poderá estar disponível, até porque o equipamento dedicado à emissão de luz azul também já está disponível no mercado.

Além de Gabriely Simão e do Prof. Clóvis Wesley Oliveira de Souza, assinam esta pesquisa a Profª Rosane de Fátima Zanirato Lizarelli e a Drª Fernanda Mansano Carbinatto.

Os interessados em fazer parte desta pesquisa deverão contatar a UTF da SCMSC através do telefone (16) 3509-1351.

Para acessar o artigo científico relativo a esta pesquisa, clique AQUI.

Rui Sintra & Adão Geraldo – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

26 de junho de 2024

IFSC/USP e FACSETE (MG) desenvolvem projeto para tratamento de dores em pacientes pós-Chikungunya

É uma parceria que tem crescido ao longo dos últimos cinco anos entre o IFSC/USP e a Faculdade de Sete Lagoas (FACSETE – MG), através de diversos intercâmbios entre alunos e pesquisadores, trabalhos científicos publicados e cursos. No mês de junho do corrente ano esta parceria deu um passo importante ao iniciar um projeto – já submetido ao Comitê de Ética em Pesquisa para Seres Humanos -, para a realização conjunta de uma intervenção no tratamento de dores em pacientes pós-Chikungunya, atendendo a uma necessidade da cidade de Sete Lagoas. De fato, a grande reclamação que foi observada nessa cidade é em relação a dores articulares severas. Como o IFSC/USP tem realizado ao longo do tempo o tratamento de dores musculares e articulares através de novos protocolos, decidiu-se avançar nesse apoio à cidade de Sete Lagoas, utilizando as tecnologias desenvolvidas no Instituto.

Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior

Por outro lado, está marcada para breve uma visita de alunos da FCASETE, que além de visitarem os laboratórios do IFSC/USP,  acompanharão projetos clínicos desenvolvidos no nosso Instituto, se debruçarão sobre a escrita científica de um artigo de estudo de caso. “Essa parceria tem crescido ao longo do tempo. Temos capítulos de livros publicados em conjunto, bem como artigos publicados internacionalmente, mas é a primeira vez que iremos desenvolver um trabalho científico em conjunto, onde a coleta será feita exatamente na cidade de Sete Lagoas. Todo o processo de metodologia, discussão, vai ser com base nas técnicas e metodologias que desenvolvemos nos últimos anos”, salienta o pesquisador do IFSC/USP, Dr. Antonio Eduardo Aquino Junior, acrescentando que o trabalho que será desenvolvido com pacientes pós-Chikungunya será bastante interessante e diferente, esperando-se um resultado muito positivo. “Por meio da coordenação do Prof. Vanderlei Bagnato, acho que cada vez mais estamos desenvolvendo algo que vai ao encontro das necessidades de nossa sociedade, e essas parcerias tendem a levar ainda mais o nome do nosso trabalho, do nosso Instituto, para que possamos cada vez mais estabelecer pontos positivos em relação à saúde pública e ajuda aos pacientes”, conclui o pesquisador.

O “Grupo Ciodonto iniciou suas atividades em 1996 com cursos livres. Em 2002 obteve o credenciamento especial para a oferta de cursos de Especialização e posteriormente em 2011, culminou com o credenciamento da Instituição de Ensino Superior – Faculdade de Tecnologia de Sete Lagoas – credenciada pela Portaria MEC 299/2011 de 25/03/2011, tendo como mantenedora a Educacional Martins Andrade Ltda.

Em 2014, através da Portaria MEC 033/2014, de 29/01/14 passou a ser denominada Faculdade Sete Lagoas – FACSETE. Em 2016 foi Recredenciada pela Portaria MEC 278/16, de 19/04/2016, sendo a instituição reconhecida com o conceito 04, em uma parâmetro máximo em 05. Ainda em 2016, recebeu autorização do Ministério da Educação para o Ensino a Distância, através da Portaria MEC 946/2016 – D.O.U. 19/08/2016.

Atualmente a FACSETE é uma instituição privada que busca oferecer ensino de qualidade nas esferas de graduação, extensão, aperfeiçoamento, tecnologia, pós-graduação e sequencial, de tal forma que seus alunos, egressos, entidades e instituições civis ou públicas, empresarias, industriais ou particulares sejam atendidas(os) em suas necessidades dentro dos princípios de qualidade total, com olhares voltados à formação humano-científica, embasada nos conhecimentos proconizados pela Evidência Científica.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

26 de junho de 2024

IFSC/USP inova junto aos alunos do 1º Ano – “Direcionamento Acadêmico” motiva jovens a encararem os desafios de seus cursos

 

Alunos entusiasmados

 

O Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) tem, em seu histórico, a passagem de inúmeros alunos que se destacaram em seus respectivos cursos e que atualmente estão em diversas posições profissionais de prestígio, muitos deles em situação de liderança. Esse desígnio, que é próprio da Universidade de São Paulo, tem sido também uma constante ao longo dos anos em nosso Instituto, que, ano após ano, vê avançar com sucesso no panorama educacional e científico novos valores detentores do DNA/USP.

“Uma alternativa surgiu espontaneamente através de uma ideia do Prof. Luiz Antônio de Oliveira Nunes” (Prof. Luiz Nunes de Oliveira)

E essa trilha de sucesso começa, como é óbvio, nos primeiro e segundo semestres do 1º ano de graduação dos jovens estudantes, sendo que a disciplina “Direcionamento Acadêmico” tem o foco de introduzir esses jovens na sua nova vida acadêmica do ensino superior. Explicar como funciona a Universidade de São Paulo e o próprio Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), quais são os benefícios que os alunos podem usufruir, como está estruturado cada curso, bem como orientar os jovens sobre as atividades acadêmicas dos cursos e mentoria sobre dificuldades encontradas e estratégias de estudo/aprendizado que auxiliem no seu melhor aproveitamento e adaptação: estas são algumas das principais metas dessa disciplina, adicionando a realização periódica de colóquios ministrados por professores no sentido de apresentar aos alunos as principais temáticas de cada área.

Inovação introduzida na disciplina

Com o passar dos anos, chegou-se à conclusão de que havia a necessidade de introduzir um novo formato nos colóquios dedicados aos alunos do 1º ano de graduação. Em primeiro lugar, o formato tradicional apresentava inicialmente uma dificuldade que foi relatada pelos alunos, que era o fato de os tópicos que eram apresentados estarem muito distantes de suas realidades atuais, pelo que muitos jovens se queixavam de “perda de tempo”. Segundo o Prof. Luiz Nunes de Oliveira, decano do IFSC/USP, o antigo formato se tornou mais ou menos inviável e uma alternativa surgiu espontaneamente através de uma ideia do Prof. Luiz Antônio de Oliveira Nunes. “Ele teve a percepção de que os estudantes precisavam ter mais contato com a física experimental durante os colóquios. Foi a partir dessa noção que ele construiu, no início deste primeiro semestre de 2024, um novo modelo baseado na ideia de que, durante as apresentações orais dos professores, deveria haver algumas demonstrações experimentais, algo que fosse feito na frente dos estudantes e diretamente ligada à temática que estava em discussão. “Em vez de o professor ir lá na frente e só falar de um determinado tema, ele também mostra como funciona na prática. Foram realizados cinco colóquios com esse formato e, na minha opinião, foi um sucesso, já que os alunos gostaram muito. E, na verdade, tem duas coisas que precisam ser levadas em consideração: em primeiro lugar, os alunos gostam de ver coisas práticas e que dão um sentido mais concreto às explanações. Em segundo lugar, o professor que vai preparar esse seu colóquio – e eu estou falando porque eu fui um deles que integrei este novo modelo – fica obrigado a pensar no formato que se encaixe nesse novo modelo. Isso daí altera completamente as coisas, para melhor”, sublinha o Prof. Luiz Nunes de Oliveira.

A Física em São Carlos: Primeiras décadas

Prof. Roberto Mendonça Faria

A criação do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) foi efetivada pelas mãos do Prof. Sérgio Mascarenhas, em conjunto com sua esposa, a Profª Yvone Primerano Mascarenhas, tendo ocupado inicialmente um pequeno espaço localizado no edifício histórico construído em 1908 pela “Società Dante Alighieri, situado bem no centro da cidade de São Carlos e onde começou a funcionar a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP). Esse edifício alberga, atualmente, o Centro de Divulgação Científica e Cultural (CDCC/USP). Com a construção do Campus USP de São Carlos, aí foi construído um prédio que acolheria o Instituto de Física e Química de São Carlos (IFQSC/USP), onde se instalaria o Departamento de Física, que iniciou em curto tempo uma forte vertente interdisciplinar, com destaques para as áreas de Física do estado sólido, Física aplicada à medicina, Física aplicada à saúde, etc..

O primeiro colóquio no novo formato (ASSISTA AQUI), realizado dia 22 de março, tratou da “Física em São Carlos: Primeiras décadas”, tendo sido feita uma abordagem histórica pelo orador convidado, Prof. Roberto Mendonça Faria. De fato, em dezembro de 1968, a revista “Realidade”, um conceituado periódico mensal de abrangência nacional, chegava às bancas com uma intrigante matéria sobre os físicos da pacata cidade de São Carlos. O título da reportagem era sugestivo e provocante: “Eles não estão brincando”. Há menos de 15 anos antes, a Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) havia sido criada, sendo a segunda escola de engenharia da USP e a primeira no interior do Estado. Na EESC foi germinado um grupo de jovens físicos que, com muito talento, interiorizaram a pesquisa científica no Brasil. Em 1968, a equipe de físicos de São Carlos era composta por doze jovens pesquisadores que, na época, revolucionaram o ensino universitário de física, realizaram pesquisas científicas de impacto internacional e atraíram pós-graduandos de todo o Brasil e mesmo do exterior. A pesquisa inovadora, em temas experimentais e teóricos, logo se internacionalizou e os físicos de São Carlos passaram a receber pesquisadores visitantes dos EUA e da Europa. Tornou-se, também, a primeira instituição de Física no Brasil credenciada a dar títulos de mestre e de doutor em Física pela Organização dos Estados Americanos (OEA), e a receber bolsas da renomada instituição americana: a FULBRIGHT. Esta palestra pretendeu relatar um pouco desta notável história, apresentar quem foram os pioneiros protagonistas desta epopeia, e de que forma o título da revista acima citada incentivou o Prof. Roberto Mendonça Faria a ingressar no IFQSC e a seguir sua profícua carreira que ainda hoje segue de vento em popa. Foi uma espécie de “aperitivo” para o que iria acontecer nos colóquios seguintes.

Uma nova forma de aprender

Galileu: Revolução no pensamento científico                   

Colóquio do Prof. Luiz Nunes de Oliveira

Foi no dia 19 de abril, com o colóquio intitulado Galileu: Revolução no pensamento científico (ASSISTA AQUI), apresentado pelo Prof. Luiz Nunes de Oliveira, que o novo formato se iniciou. Neste colóquio, o orador começou por abordar a situação vivida no final do Século XVI, onde as escolas europeias ensinavam a filosofia de Aristóteles, que já tinha quase dois mil anos e englobava vários ramos do conhecimento, e a física em particular.  Em 1589, Galileo Galilei, que passara vários anos estudando a obra do filósofo, foi contratado pela Universidade de Pisa para lecionar matemática. A partir daí, aos poucos, ele se afastou do pensamento aristotélico. Primeiro, questionou uma conclusão importante a que o grego chegara – que os corpos mais pesados cairiam mais rápido que os corpos leves. Depois, questionou as premissas que sustentavam o seu sistema lógico e, em seu lugar, estabeleceu as bases do método científico – a experimentação sistemática que levava uma descrição radicalmente diferente da sustentada por Aristoteles. Nesse sentido, o Prof. Luiz Nunes demonstrou, através dos experimentos “Pêndulo Simples” e “Plano Inclinado”, que as premissas de Galileu estavam corretas. Numa segunda fase, que começou em 1610 e se estendeu até o final de sua vida, Galileo explorou extensivamente o potencial de um instrumento recém-inventado – o telescópio – para desconstruir a cosmologia de Aristóteles. Neste colóquio, o Prof. Luiz Nunes de Oliveira falou principalmente sobre a primeira fase do trabalho galileano, descrevendo os fundamentos do método aristotélico e algumas das conclusões a que ele conduziu. No final do colóquio, houve uma curta exposição sobre a demolição da cosmologia aristotélica

A Física da Neurociência: do potencial de membrana às interfaces cérebro-máquina

Prof. Reynaldo Daniel Pinto

O novo formato adotado para a realização dos colóquios tinha, até então, dado certo, com os alunos a lotarem o Auditório “Prof. Sérgio Mascarenhas” no colóquio do dia 03 de maio, intitulado A Física da Neurociência: do potencial de membrana às interfaces cérebro-máquina (ASSISTA AQUI), apresentado pelo Prof. Reynaldo Daniel Pinto. Nessa sua apresentação, o orador começou por sublinhar que devido à sua complexidade, o cérebro é o único órgão do corpo humano que ainda não se sabe bem como funciona. Ele é uma espécie de computador biológico, que evoluiu por seleção natural por centenas de milhões de anos e, entender o seu funcionamento, é uma das últimas fronteiras do conhecimento humano. Desde meados do século 19, ao longo de seu desenvolvimento mais moderno, a neurociência tem se dedicado a entender como um sistema nervoso produz comportamento e esse problema mostrou-se um desafio gigantesco e multidisciplinar. Nesta palestra, O Prof. Reynaldo Daniel Pinto fez um breve histórico do desenvolvimento da neurociência, tendo mostrado que a complexidade do cérebro já se manifesta mesmo em suas menores partes constituintes, os neurônios e suas conexões, as sinapses. O docente discutiu, ainda, as principais ideias da neuroetologia, que procura estudar comportamentos naturais especializados e peculiares em diversos animais para compreender os circuitos nervosos envolvidos, tendo mostrado que a aplicação da Física (básica, biomolecular e computacional) e a sua interação com outras áreas foi – e é – contínua, sendo fundamental na neurociência.

De forma visível, os alunos do IFSC/USP começaram a reagir muito positivamente a este novo modelo de colóquios, não só colocando questões – o que nem sempre tinha acontecido muito nas edições relativas ao anterior formato -, mas interagindo também com os oradores, mesmo após o término de cada colóquio. Ana Carolina da Cruz cursa o Bacharelado em Ciências Físicas e Biomoleculares e sublinha que o colóquio do Prof. Reynaldo é uma de suas áreas de interesse.

Prof. Glaucius Oliva

“Foi muito bacana esse colóquio, a tal ponto de eu ter vontade de procurar o professor para tirar mais dúvidas. Foi fantástica a apresentação dele”; uma opinião que é partilhada por Felipe Miranda, aluno do curso de Bacharelado em Física. “Um colóquio bem explicativo, que vai ao encontro do meu curso”, sublinha o estudante. Quem também se mostrou agradada com o colóquio do Prof. Reynaldo foi a aluna Kamile Coelho, do curso de Bacharelado em Ciências Físicas e Biomoleculares, que sublinhou que aprendeu bastante e que o tema está diretamente ligado com o seu curso. Lucas Vinicius, aluno do curso do Bacharelado em Física Computacional, confessou que “curtiu demais” todos os colóquios apresentados. “Muito dinamismo, com demonstrações incríveis. Prefiro este modelo pois é muito mais interativo e dá para entender melhor o contexto”. Manuela de Oliveira, aluna do curso de Bacharelado em Ciências Físicas e Biomoleculares confessa que a nanociência é a área que mais lhe interessa. “De todos, o colóquio sobre nanociência foi o que mais me prendeu a atenção, até pela interação que o professor fez conosco. Foi fantástico e me faz antecipar a vontade de seguir essa área para o meu mestrado e doutorado, já que tenho intenção de continuar aqui”, pontua a estudante. Por último, para Samyra Lourdes, aluna do curso de Bacharelado em Física “Foi muito bom e está na direção certa do meu curso”.

 

Os Raios X e o DNA

Os Raios X e o DNA (ASSISTA AQUI) foi o título do colóquio realizado no dia 24 de maio, ministrado pelo Prof. Glaucius Oliva, que começou por chamar a atenção dos alunos que desvendar a forma e entender a função das coisas são os objetivos centrais das ciências em geral, e da física em particular. Para tanto, utilizam-se as diferentes regiões do espectro eletromagnético, que podem fornecer informações em escalas distintas. Em particular, foi com os raios-X que se tornou possível determinar a estrutura de moléculas com detalhe atômico. O orador teve a oportunidade de salientar que ao final da primeira metade do Séc.XX, com a difração de raios-X em monocristais, já era possível elucidar a estrutura de moléculas pequenas, com algumas dezenas de átomos. No entanto, as moléculas que compõem os seres vivos, fundamentalmente as proteínas e os ácidos nucleicos, DNA e RNA, são moléculas compostas por milhares, e em alguns casos, milhões de átomos, em complexas estruturas tridimensionais, que determinam univocamente sua função biológica. Assim, foi no contexto do início dos anos 1950, que os padrões de difração de raios X das moléculas de DNA capturados por Rosalind Franklin foram fundamentais para a descoberta da estrutura em dupla hélice do DNA. A icônica Foto 51 continua sendo uma referência em muitos livros de Biologia, Bioquímica e Biologia Estrutural. Em suma, nessa palestra, o palestrante usou experimentos ópticos simples para explicar esse marco histórico. Ele utilizou redes com periodicidade micrométrica e luz visível para entender o fenômeno da difração e depois reproduzir o padrão de difração observado na Foto 51. Com uma projeção bidimensional e conceitos ópticos simples, o palestrante enfatizou que é possível recriar as observações de Rosalind Franklin que foram essenciais para o trabalho de Watson e Crick em inferir estrutura em dupla hélice do DNA.

Também após este colóquio tivemos a oportunidade de ouvir dois alunos que verteram sua opinião sobre o tema.  Para Pedro Suzuki, aluno do curso de Bacharelado em Física “Foi um colóquio bem formativo – e adoro quando a experimentação acompanha o discurso. Apesar de gostar muito de palestras meramente teóricas, o fato de estarem incluídos experimentos é de fato muito bom”. João Pedro Fernandes, aluno do curso de Física Computacional, afirmou que foi um colóquio excelente, com uma abordagem fantástica dos conceitos da física. “A temática e a sessão de experimentação me fizeram aprender muito”.

Utilização da Plataforma Arduino no Ensino de Física

Colóquio do Prof. Luiz Antônio de Oliveira Nunes

O último colóquio deste primeiro semestre, intitulado Utilização da Plataforma Arduino no Ensino de Física (ASSISTA AQUI), ocorreu no dia 07 de junho e foi conduzido pelo Prof. Luiz Antônio de Oliveira Nunes, que apresentou algumas aplicações da Plataforma Arduino na execução de experimentos realizados nos cursos de Laboratório de Física I e II.

A plataforma Arduino foi desenvolvida na Itália em 2005 e pode ser facilmente utilizada na automação de experimentos.

Para o aluno Sidney Rodrigues “O Arduino é muito amplo, dá para fazer muita coisa e é muito versátil, principalmente para os experimentos; dá para fazer muita coisa e de forma muito mais prática do que ter que fazer na mão. Quanto aos colóquios que foram apresentados neste semestre, acho que todos foram bem interessantes, todos têm bastante a agregar”. Finalmente, Letícia Takashi, aluna do curso de Bacharelado em Física Computacional, afirmou que achou muito legal todos os colóquios, bem como a integração que houve com os experimentos relativos aos temas. “Fantástico”, sublinhou a aluna

Considerações finais

“É um modelo que tem de ser seguido” (Prof. Luiz Antônio de Oliveira Nunes)

Regressando aos comentários do Prof. Luíz Nunes de Oliveira, o docente afirma que esse novo formato dos colóquios foi uma ótima ideia do Prof. Luiz Antônio. “Faz mais de cinquenta anos que dou aula aqui no Instituto e esta foi a inovação no ensino mais notável que eu vi, inclusive com os professores manifestando muita satisfação. A Pró-Reitoria de Graduação promove vários eventos todo ano, onde são apresentadas novas modalidades didáticas, novas maneiras de ensinar. Dado o sucesso alcançado, acho que caberia muito bem o Prof. Luiz Antonio, com o apoio do IFSC/USP, apresentar esta nova metodologia lá”, pontua o docente.

Para idealizar um novo modelo dos colóquios do IFSC/USP, contar com a colaboração de vários professores para promoverem algo bem diferente e que fizesse a diferença junto dos alunos, foi algo extremamente importante, pontua o idealizador do novo projeto, Prof. Luiz Antônio.

“O que é que eu vi nestes cinco colóquios? Vi que os alunos entenderam, participaram, colocaram dúvidas, saíram felizes. É um modelo que tem de ser seguido, pois os temas abordados estão ligados diretamente ao que os alunos estão estudando, ou já estudaram: coisas que eles entendam. Eu acho que este modelo é extremamente importante para motivar os nossos alunos iniciantes, porque quer queiramos, ou não, eles sentem-se meio perdidos no início de suas carreiras no ensino superior. Considero extremamente errado o fato dos cursos de física 1, 2, 3 e 4 teóricos,  não serem ministrados em sincronia com os cursos de laboratório”, pontua o Prof. Luiz Antônio.

Para este docente, o fato de muitos dos seus colegas do IFSC/USP já se terem oferecido para ministrar este novo modelo de colóquios é algo que abre muito o horizonte para o futuro. “Os alunos não precisam ser obrigados a participar – eles QUEREM participar”, comemora o Prof. Luiz Antonio.

Texto: Rui Sintra / Reportagens: Adão Geraldo – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

12 de junho de 2024

Estudo-piloto aponta tratamento inovador com laser para tratar distúrbios do sono – Trabalho foi publicado no “Journal of Novel Physiotherapies”

Vanessa Garcia

Pesquisadores do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), Universidade Central Paulista (UNICEP), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e da Texas A&M University (Texas/USA), publicaram recentemente um estudo-piloto que confirma a eficácia da aplicação de fotobiomodulação e ultrassom como tratamento para pacientes com distúrbios do sono. A aplicação, de laser e ultrassom, surgiu há já algum tempo após os pesquisadores terem verificado melhorias substanciais em pacientes com sequelas pós-Covid e em pacientes fibromiálgicos, todos eles sofrendo de distúrbios do sono, tendo sido sujeitos ao mesmo procedimento.

A pesquisadora Vanessa Garcia, mestranda da UNICEP e uma das autoras do estudo, confirma que durante os respectivos processos de reabilitação fisioterápica, os pacientes com sequelas pós-COVID ou com fibromialgia, relataram as inúmeras dificuldades que tinham em adormecer, ou mesmo ausência de sono durante dias consecutivos, algo que motivou a realização deste estudo-piloto. “Para a concretização deste estudo realizamos uma chamada de vinte pacientes já diagnosticados com distúrbios de sono e dividimos os pacientes em dois grupos de 10 pessoas cada. Um grupo foi constituído por pacientes que utilizavam medicamentos para controlar o distúrbio do sono, e o outro grupo constituído por pessoas que apesar de terem o mesmo diagnóstico e sintomas, não utilizavam qualquer tipo de medicação”, salienta a pesquisadora.

O pesquisador do IFSC/USP,  Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior, que também assina o estudo, pontua que o objetivo foi também avaliar outros fatores que estão intrinsecamente ligados com os distúrbios do sono, como, por exemplo, ansiedade, depressão, e a própria desordem de sono por meio de um questionário específico. Nesse contexto, constatou-se o fato de que essa intervenção por meio do laser e ultrassom tem dado resultados promissores, independentemente do tipo de projeto, ao nível de uma redução da ansiedade, algo que se confirmou neste estudo, principalmente em pacientes que fazem uso da medicação. “Quando avaliada a questão do distúrbio do sono propriamente dito, observamos que tanto em pacientes que fazem uso de medicamentos, como nos que não fazem uso, os resultados foram extremamente positivos”, comemora o pesquisador. Contudo, segundo ele, o mais importante foi observar que a ação da terapia junto ao medicamento consegue potencializar o seu efeito. “Quando fizermos um estudo maior acredito que iremos avaliar algumas situações, como, por exemplo, se o retorno dos pacientes à normalidade vai ser num tempo menor, e se atendendo à avaliação do médico, haverá a possibilidade de uma redução do medicamento também num tempo menor? Então, são situações que precisam ser ainda estudadas, mas é um caminho bem interessante que estamos tomando”, acrescenta Antonio de Aquino Junior.

Ao aplicar a combinação da terapia por intermédio de laser e ultrassom nas palmas das mãos e nas plantas dos pés de cada paciente, por seis minutos, ao longo de dez sessões, duas vezes por semana, os resultados foram extraordinários. “De fato, como o Dr. Aquino mencionou, o tratamento foi eficaz nos dois grupos, com um destaque especial para o grupo que usa medicamentos controlados, que teve uma melhora mais significativa ainda, o que nos leva a concluir que esse tratamento potencializa também essa ação do medicamento, auxiliando nos quadros de ansiedade e depressão.

Assinam o estudo os pesquisadores: Prof. Dr. Vanderlei Salvador Bagnato (IFSC/USP-Texas A&M University-UFSCar); Tiago Zuccolotto Rodrigues (IFSC/USP-UFSCar); Vanessa Garcia (UNICEP-IFSC/USP); Heloisa Giangrossi Machado Vidotti (UNICEP); Antonio Eduardo de Aquino Junior (IFSC/USP-UFSCar).

Para acessar o estudo, clique AQUI.

Rui Sintra / Adão Geraldo – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

14 de maio de 2024

CEPOF-IFSC/USP e UFSCar realizam avaliação de pacientes com Alzheimer

(Créditos: TeleMed2U)

O Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), o Centro de Pesquisa em Óptica e Fotânica (CEPOF e o Laboratório de Biologia do Envelhecimento (LABEN), localizado no Departamento de Gerontologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), estão realizando uma avaliação de saúde para pessoas que possuem o diagnóstico ou suspeita de doença de Alzheimer.

Nesse sentido, essa parceria está convidando pacientes voluntários para participarem de uma avaliação de saúde composta por coleta de sangue para avaliação bioquímica e avaliação cognitiva e funcional, para avaliar o impacto da doença na vida cotidiana dos pacientes.

Esses exames serão realizados por profissionais especializados na área da saúde, que irão realizar a coleta em casa dos pacientes, garantindo a sua segurança e bem-estar durante todo o processo, sendo que essa avaliação de saúde será realizada no (LABEN).

Essa avaliação é importante para que se possam identificar os sintomas precoces, sendo que a participação dos pacientes contribuirá para o avanço das pesquisas sobre a doença de Alzheimer, que atinge principalmente pessoas idosas e causa perda progressiva da memória, além de dificuldades na realização de atividades diárias.

Recordamos que uma das principais linhas de pesquisa do LABEN é o estudo de biomarcadores para a doença de Alzheimer, onde os pesquisadores tentam buscar a validação de novos biomarcadores sanguíneos para o diagnóstico precoce e preciso da doença, os quais possuem reduzido custo e método de obtenção menos invasivo, se comparado aos procedimentos atualmente empregados.

Os interessados em participar nesta avaliação de saúde poderão entrar em contato como LABEN através do telefone (16) 99183-2461, ou através do email laben.alzheimer@gmail.com.

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

9 de maio de 2024

IFSC/USP e Santa Casa da Misericórdia de São Carlos fazem chamada para pacientes com Doença de Parkinson

Um projeto de pesquisa já em desenvolvimento pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC), está fazendo uma chamada – com vagas limitadas – de pacientes voluntários (qualquer faixa etária) já diagnosticados com a Doença de Parkinson, mas que não tenham grande grau de comprometimento, com a finalidade de se completarem os estudos.

Os interessados em participar desta pesquisa deverão entrar em contato através do telefone (16) 3509-1351, sendo que o desenvolvimento deste projeto de pesquisa está sendo realizado na Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF) da SCMSC, localizada na Rua 15 de novembro, 952

 

 

 

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

23 de abril de 2024

Pesquisa visa tratamento de lesões neurológicas periféricas – IFSC/USP desenvolve novos protocolos com base em tecnologia inovadora

 

Drª Ana Carolina Canelada

 

Uma nova pesquisa realizada no Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) levou ao desenvolvimento de um novo equipamento cuja tecnologia utilizada – inovadora –  poderá permitir a introdução de novos protocolos para o tratamento de lesões neurológicas periféricas, que normalmente acontecem nas regiões cervical, torácica e lombar.

Contudo, este estudo desenvolvido pela fisioterapeuta e pesquisadora do IFSC/USP, Drª Ana Carolina Canelada, está indicado para o tratamento de dois tipos de lesão, em suas fases iniciais, que apresentam processos dolorosos e com incômodos diários aos pacientes –  a axonotmesis e a neuropraxia.

Para entender melhor

O corpo humano é composto por um emaranhado de “ligações” – nervos – que conectam e transmitem mensagens entre o cérebro e as diferentes partes do corpo e que podem sofrer lesões, como as dos nervos periféricos, que, tais como os restantes nervos, têm suas características próprias no sistema nervoso central. Uma lesão nervosa possui suas próprias características e impactos específicos no sistema nervoso, que pode variar em gravidade e tipo, desde danos temporários até lesões mais sérias e permanentes. Desta forma e dentre as lesões dos nervos periféricos, a neuropraxia e a axonotmesis são aquelas que se consideram menos graves e cujos tratamentos podem ser eficazes quando aplicados em tempo oportuno, ou seja, quanto mais cedo melhor.

A neuropraxia é uma lesão leve e temporária do nervo periférico, onde ocorre uma interrupção temporária na transmissão dos sinais nervosos, não existe um dano estrutural permanente no nervo, mas apenas uma interrupção temporária na função nervosa. Sinais mais comuns: dormência, formigamento, fraqueza muscular. Quanto à axonotmesis, ela é uma lesão nervosa periférica mais grave do que a neuropraxia, sendo que nesse caso ocorre uma interrupção na continuidade dos axônios (por isso o seu nome), que são as estruturas responsáveis pela transmissão dos impulsos nervosos. Em resumo, os axônios são como fios dentro dos nervos que carregam sinais elétricos do cérebro para outras partes do corpo. A bainha de mielina atua como um isolante ao redor desses axônios, acelerando a transmissão dos impulsos nervosos. As causas da axonotmesis podem ser por lesões mais graves, como estiramentos intensos nos nervos, compressão prolongada na região, ou até mesmo por lesões traumáticas com facas, acidentes graves ou impactos diretos nos nervos. Sintomas: dormência, formigamento, fraqueza muscular e perda parcial da função nervosa na área afetada.

(Créditos: “Neurocoluna Dor”)

Outra lesão neurológica periférica, mas que não está inserida nesta pesquisa, é a neurotmesis, onde os nervos não têm a capacidade de se curar por conta própria. Essa interrupção pode ser resultado de lesões traumáticas severas, como cortes profundos, lacerações, esmagamentos ou lesões por armas de fogo. Sintomas: perda total da sensação, paralisia muscular e perda de controle sobre a área afetada.

O estudo e a pesquisa

Dr. Antonio de Aquino Junior

“Ao contrário do que acontece com a neurotmesis, a neuropraxia e a axonotmesis são lesões que, ao serem tratadas, conseguimos, através da fisioterapia, ver resultados positivos, principalmente uma melhoria na qualidade de vida dos pacientes através da redução da dor e desinflamação, bem como um aumento da amplitude de movimentos e o aumento da força muscular, com recuperação da massa muscular.  Com este novo equipamento que está sendo desenvolvido e testado pelo IFSC/USP e que é ainda um protótipo, ele auxilia na promoção de uma ação conjugada de estímulos elétricos e laser num tempo relativamente curto,  e os resultados que observamos são realmente muito bons. Na fisioterapia, usamos o tratamento convencional, através da estimulação elétrica, que é para a dor, e o ultrassom, que é para desinflamação. Quando o paciente sente uma melhora na dor, o fisioterapeuta inicia a atividade física, algo que demora cerca de três a quatro meses, por vezes mais… É bem demorado”, pontua a pesquisadora.

O pesquisador do IFSC/USP, Dr. Antonio de Aquino Junior, que coordena este novo programa, salienta que é a primeira vez que o IFSC/USP utiliza estimulação elétrica e laser no mesmo equipamento neste novo modelo, “O diferencial de tentativas anteriores é a disposição desses dois segmentos de tratamento, o que nos testes realizados até o momento tem dado resultados muito interessantes, diminuindo em muito o tempo de recuperação do paciente, chegando a ser de três a quatro sessões para o paciente ter uma alta completa, o que equivale a cerca de um mês e meio”.

Este novo tratamento já está em curso, em sua fase experimental desde o dia 02 deste mês de abril, atendendo cerca de sessenta pacientes da Santa Casa da Misericórdia de São Carlos já diagnosticados com as citadas lesões e com o atendimento a ser realizado na Unidade de Terapia Fotodinâmica, sendo que, consoante os resultados obtidos, o novo equipamento – já patenteado – passará para a fase seguinte, colocando o projeto à disposição dos profissionais de saúde.

Rui Sintra & Adão Geraldo – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

10 de abril de 2024

IFSC/USP implementa “Programa Vem Saber” na cidade de Descalvado – Uma parceria que envolve vários atores

Alunos e professores marcaram presença

Foi lançada oficialmente no último dia 04 deste mês, no Auditório da Biblioteca Comunitária de Descalvado (SP), a implantação do “Programa Vem Saber – Módulo Descalvado”, constituindo uma nova fase de um projeto da Universidade de São Paulo, através do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP), criado e coordenado pelo docente e pesquisador do mesmo Instituto, Prof. Dr. Antonio Carlos Hernandes. Iniciado há cerca de vinte quatro anos e tendo adotado várias denominações ao longo dos anos, o atual “Vem Saber” consolidou-se no IFSC/USP como um projeto cuja ideia principal é convidar os jovens alunos do ensino médio das escolas do Estado de São Paulo a visitarem o Campus USP de São Carlos, no sentido de os motivar a continuarem seus estudos para darem o passo fundamental de suas vidas rumo ao ensino superior, objetivos esses que se inserem em um processo de transformação social através da educação (VEJA AQUI). Neste sentido e de grosso modo, este projeto do “Programa Vem Saber – Módulo Descalvado” entra em uma nova etapa, com a Universidade de São Paulo a ir ao encontro da sociedade, das escolas, fora dos seus próprios muros.

Este programa tem a particularidade de contar com uma parceria forte constituída pela Prefeitura Municipal de Descalvado, por intermédio da Secretaria de Educação e Cultura, a Escola Estadual José Ferreira da Silva, a Diretoria de Ensino da Região de São Carlos e os agentes econômicos locais, esperando-se que, todos juntos, contribuam para o processo de formação dos jovens alunos do ensino médio da cidade.

Prof. Antonio Carlos Hernandes explica o “Programa Vem Saber – Módulo Descalvado”

Na apresentação do “Programa Vem Saber – Módulo Descalvado”, que terá a duração de três anos, o Prof. Antonio Carlos Hernandes recordou o trabalho que foi feito ao longo dos anos até chegar a este ponto e os momentos em que, acompanhado pelo Educador Prof. Herbert João Alexandre, visitou a EE José Ferreira da Silva pela primeira vez. “Fomos recebidos muito bem, tanto pelos alunos quanto pelos professores, e nessa visita a tive a oportunidade de conhecer este espaço onde ocorre esta cerimônia de apresentação  – a Biblioteca Comunitária de Descalvado -, que faz parte integrante da escola e que de algum modo estava subaproveitada. Graças à parceria que entretanto foi firmada, conseguiu-se revitalizar o espaço, recuperar este auditório onde estamos e cuja inauguração da revitalização ocorrerá daqui a pouco, tornando todo o conjunto em uma espécie de “sede” do “Programa Vem Saber – Módulo Descalvado”, onde os destaques serão ações direcionadas às áreas de ciência e tecnologia, e consequentemente, disponibilizar um espaço não só dedicado à escola, como também aberto a toda a comunidade desta cidade”, pontuou o Prof. Hernandes.

Após a apresentação do programa, o Diretor do IFSC/USP, Prof. Dr. Osvaldo Novais de Oliveira Junior usou da palavra, tendo sublinhado que a educação é o maior desafio que existe no país, que ainda possui chagas abertas, principalmente devidas a uma herança escravagista e à desigualdade social. “Sem uma educação de qualidade não é possível fazer uma transformação social e essa é uma responsabilidade de todos nós, da sociedade – governantes, empresários, profissionais da educação. O Prof. Antonio Carlos Hernandes escolheu como um de seus projetos de vida fazer divulgação científica, levar a Universidade para fora de suas portas. Com este projeto em particular, ganhamos sinergias para termos capacidade de fazermos mais e melhor em prol da educação, em prol dos mais jovens”, pontuou.

Segundo o Diretor do IFSC/USP, a principal missão da Universidade é formar recursos humanos altamente qualificados, a geração e a difusão do conhecimento pela sociedade. “Esta iniciativa criada e coordenada pelo Prof. Antonio Carlos Hernandes constitui uma das mais eficientes no Estado de São Paulo e é uma honra o IFSC/USP poder estar vinculada a ela em prol da educação dos jovens, e neste caso aos da cidade de Descalvado.

Auditório da Biblioteca Comunitária – completamente revitalizado – foi o local escolhido para a apresentação do “Programa Vem Saber – Módulo Descalvado”

Outro destaque foi o uso da palavra do Prefeito Municipal de Descalvado, Antonio Carlos Reschini, que com alguma emoção salientou. “É gratificante estar participando deste encontro. Quando nós somamos, as coisas caminham e dão certo. Esse projeto que vocês trazem para Descalvado é maravilhoso. Digo para vocês, da USP, que nós somos parceiros, podem contar com o prefeito, com os vereadores. Vamos estar sempre presentes”.

De forma resumida, os vetores desta parceria compreendem:

Estudantes – Desenvolvimento de projetos de Pré-Iniciação Científica / Formação para o Ensino Superior / Projetos de vida;

Professores – Formação continuada em Ciências da Natureza / Projetos de Investigação Científica;

Comunidade – Palestras sobre Ciências, Tecnologia e Inovação / Ações esportivas e culturais / Frequência na Biblioteca Comunitária;

Parceiros – Integração com a USP / Resolução de problemas / Formação Complementar de Recursos Humanos / Formação de professores do ensino fundamental.

Inauguração da revitalização do Auditório da Biblioteca Comunitária – À esquerda: Diretor da EE José Ferreira da Silva, Prof. Waldir Paganotto, Diretor do IFSC/USP, Prof. Dr. Osvaldo Novais de Oliveira Junior – À direita: Dirigente de Ensino da Região de São Carlos, Profª Débora Gonzalez Costa Blanco, Prefeito de Descalvado, Antonio Carlos Reschini, e o coordenador do “Programa Vem Saber”, Prof. Dr. Antonio Carlos Hernandes

Estiveram presentes nesta cerimônia, entre outros convidados, o Prefeito Municipal de Descalvado – Antonio Carlos Reschini; Secretário de Educação e Cultura de Descalvado – Marco Antonio Prata; Diretor do IFSC/USP, Prof. Dr. Osvaldo Novais de Oliveira Junior; Vice-Diretora do IFSC/USP, Profª Drª Ana Paula Ulian de Araújo; Presidente da Comissão de Cultura e Extensão do IFSC/USP – Prof. Dr. Guilherme Sipahi; Dirigente de Ensino da Região de São Carlos, Profª Débora Gonzalez Costa Blanco; Diretor da Escola Estadual José Ferreira da Silva, Prof. Waldir Paganotto; Diretor-Geral do Campus da Universidade Brasil – Prof. Dr. Éder Simêncio, Vereadores da Câmara Municipal de Descalvado – Vagner Basto e Dr. Marcelo Figueiredo; Representantes das empresas – SICOOB, USINA IPIRANGA, VANSIL; alunos e professores da Escola Estadual José Ferreira da Silva.

(Colaborou nesta matéria Edmilson Luchesi – EESC/USP)

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

1 de abril de 2024

Capsulite adesiva e tendinopatia – Pesquisadores do IFSC/USP desenvolvem tratamento inovador

Uma equipe de pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) desenvolveu recentemente um tratamento inovador para capsulite adesiva e tendinopatia, duas patologias que apresentam um quadro de dor, inflamação e uma limitação da amplitude de movimentos.

Pensando em todo o desconforto e sofrimento por que passam os portadores destas patologias, a equipe de cientistas desenvolveu um equipamento chamado Laser Roller, que realiza compressão, fricção e um deslizamento em toda a extensão muscular, realizadas através de duas esferas que estão acopladas na extremidade do aparelho, conseguindo agora, otimizar os resultados desse tratamento. “Trata-se da conjugação dos tratamentos de liberação miofacial e de fotobiomodulação, que, realizada através deste equipamento, fez com que conseguíssemos aliviar a dor, a inflamação, a reparação do tecido e também a reorganização e a liberação dessa fáscia muscular dos pacientes. Com isso, a expectativa é eles poderem voltar às suas atividades, tendo uma melhora do bem-estar e da qualidade de vida”, afirma a doutoranda e pesquisadora Ana Carolina Canelada, uma das autoras do estudo que foi publicado no “Journal of Novel Physiotherapies”.

Resultados muito positivos

Ana Carolina Canelada

Para conhecerem quais seriam os resultados desta pesquisa, utilizando o referido tratamento, os pesquisadores organizaram um grupo composto por trinta pacientes, dos quais quinze apresentavam capsulite, e outros quinze com tendinopatia. A partir daí, esse grupo foi dividido em subgrupos. Os pesquisadores submeteram os pacientes ao tratamento com a liberação miofacial, ação conjugada da aplicação de laser ao longo de duas sessões por semana, totalizando dez sessões de quinze minutos cada uma. “Após sessenta dias dessa intervenção, comparamos e monitoramos esses pacientes. Neste estudo comparativo com três grupos distintos, sendo um com laser, o outro com liberação miofacial, e o terceiro conjugando as duas ações anteriores onde se obteve um resultado realmente muito bom, com uma melhoria rápida num tempo de tratamento menor do que o habitual. O paciente voltou às suas atividades, com a sua qualidade de vida retomada”, pontua a pesquisadora.

Tratamento rápido e eficaz

A capsulite adesiva é uma inflamação da cápsula articular (localizada no ombro), sendo que o tratamento convencional feito através de fisioterapia é muito longo, demorado. Já no tratamento desenvolvido pela equipe de pesquisadores do IFSC/USP, ele é composto por fases e assim se obtém uma recuperação bem rápida, em menor tempo. Segundo Ana Carolina, uma paciente sua, portadora de inflamação e dor e que passou pelo citado tratamento em Julho de 2023, relatou que a resposta ao tratamento foi muito rápida, tendo retomado as suas atividades diárias sem que a dor tenha voltado.

Contudo, a pesquisadora alerta: “Após o tratamento, a atividade física deverá ser constante, pois a falta de uso do músculo causa a perda de massa muscular e o retorno da capsulite adesiva”.

Mulheres são mais acometidas pela capsulite e tendinopatia

Antonio Eduardo de Aquino Junior

Segundo Ana Carolina, um fato desperta a atenção. “Essas duas patologias predominam mais entre as mulheres: a capsulite aparece em mulheres com idades entre 40 e 60 anos, enquanto a tendinopatia é mais prevalecente em mulheres com idades compreendidas entre 40 e 50 e após os 70 anos. O tendão supraesquinal é o mais acometido. Devido ao avanço da idade, esses tendões começam a ficar um pouco mais debilitados, ocorrendo assim um aumento da degeneração e com isso aparece a inflamação e dor”, sublinha a pesquisadora. 

Laser Roller, a pesquisa e o futuro

Para o pesquisador do Instituto de Física de São Carlos – IFSC/USP, Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior, novos projetos com o Laser Roller serão realizados por conta dos excelentes resultados conseguidos com a sua utilização. “Eu acredito que esse equipamento, por ser já uma ferramenta viável comercialmente, tem que ser mais explorado pelos profissionais por conta dos resultados excelentes que ele tem demonstrado. Nós percebemos que um profissional, quando não é treinado para manusear esse equipamento e não consegue obter o resultado, gera uma frustração. Então, junto à comunidade profissional, eu acredito que sessões contínuas de treinamento para o uso do equipamentos seriam fundamentais para que haja a compreensão da funcionalidade e do manuseio e aí a obtenção da eficácia. Obviamente, os trabalhos não ficam só nas áreas das tendinopatias e capsulite adesiva, já que é um equipamento que trata toda uma gama muscular com uma reabilitação mais rápida. Certamente que novos projetos com a utilização desse equipamento serão realizados, tudo isso com a inovação do IFSC/USP, sob a coordenação do Prof. Vanderlei Bagnato”, conclui o pesquisador.

Clique AQUI para conferir o estudo que foi feito.

Adão Geraldo e Rui Sintra (edição) – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

7 de março de 2024

Programas da USP São Carlos dirigidos aos alunos do ensino médio do Estado de São Paulo atingem números expressivos

 

Sala do Conhecimento

 

“Programa Vem Saber” – “Competição USP de Conhecimentos e Oportunidades (CUCO)”  e “Cientistas do Amanhã”. Três programas inteiramente dedicados aos jovens alunos do ensino médio do Estado de São Paulo atingiram, em 2023, resultados expressivos segundo o balanço agora divulgado.

Dessa forma, em relação ao “Programa Vem Saber”, que sempre ocorre no “Conjunto Didático” localizado na Área-2 do Campus USP de São Carlos, participaram de atividades na “Sala do Conhecimento”, 3.470 alunos provenientes de 103 escolas e localizadas em 75 cidades distintas do Estado de São Paulo, o que constituiu, em termos de abrangência, um recorde.

No que concerne à CUCO-2023, foi atingido o maior número de participantes dentre as sete edições já realizadas, o que também constitui um recorde, sublinhando-se a importante participação de 100% das Diretorias Regionais de Ensino e a participação ativa da direção central do Centro Paula Souza. A CUCO consolidou-se com um processo formativo aos estudantes da rede pública, especialmente aqueles com maior vulnerabilidade social. Foram 117.653 estudantes de 606 cidades, oriundos de 3 mil escolas, que participaram da CUCO em 2023.

Quanto ao projeto “Cientistas do Amanhã”, o programa registrou o ingresso de 5 estudantes na USP em São Carlos e 1 aluna na UFSCar. Do total que participaram na “Sala do Conhecimento” e na “CUCO”, mais de 3.500 jovens ingressaram nos cursos da Universidade de São Paulo.

Para o coordenador dos projetos inseridos no programa “Vem Saber”, o docente e pesquisador do IFSC/USP, Prof. Antonio Carlos Hernandes, cujo sucesso das iniciativas está demonstrado nos números expressivos apresentados a cada ano, a grande dificuldade apontada ainda é a falta de recursos financeiros. “Certamente que para ampliar ainda mais estas iniciativas, expandindo o número de propostas em prol da Educação, a contratação de pessoas para que possam nos ajudar é essencial. São necessários mais recursos. Essa é a principal dificuldade, vamos dizer assim,  que tivemos, associada a todos os projetos que  acontecem aqui no programa “Vem Saber””.

Prof. Dr. Antonio Carlos Hernandes

Com a 8ª edição da CUCO 2024 a seguir o mesmo cronograma das edições anteriores, com as inscrições se iniciando no próximo mês de maio e a prova acontecendo em agosto, a equipe liderada pelo Prof. Antonio Carlos Hernandes já iniciou o processo para efetivar os convênios no sentido de se apurar quais prêmios serão entregues a professores e alunos. Quantos às restantes iniciativas, todas elas se iniciam no dia 04 deste mês de março.

Por outro lado, algumas atividades adicionais do programa irão ser instituídas neste ano. “Dentre as  atividades adicionais do programa, iremos desenvolver um projeto, uma vez por mês, às quintas-feiras, no Instituto de Estudos Avançados (IEA) Polo de São Carlos, na Área-1 do campus da USP de São Carlos, do qual a Profª Yvonne Mascarenhas é vice-coordenadora, e que é um Ciclo de Conferências em Ciência e Educação. Essas atividades iniciam-se no dia 14 de março, e todas as quintas-feiras – com exceção das férias de julho – teremos uma conferência voltada para os professores da rede estadual e a comunidade”, pontua o Prof. Antonio Carlos Hernandes.

As novidades não param por aí, já que programa “Vem Saber” também irá iniciar uma outra atividade, na cidade de Descalvado (SP), que será anunciada em breve.

Rui Sintra & Adão Geraldo – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

14 de dezembro de 2023

IFSC/USP lança livro “Compreensão e tratamento – Fibromialgia”

Da autoria dos pesquisadores Prof. Vanderlei Salvador Bagnato e Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior, o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) lançou no início deste mês de dezembro o livro intitulado “Compreensão e tratamento – Fibromialgia”, uma publicação que resulta do trabalho realizado pelos pesquisadores desse Instituto, ao longo dos últimos sete anos, para a criação e desenvolvimento de novas tecnologias com metodologias de tratamentos para doenças crônicas: uma dessas doenças é a fibromialgia, que foi o grande foco das pesquisas realizadas e onde foram atendidas milhares de pessoas de todo o país, através de uma grande parceria com a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC).

“Todos esses estudos, essas pesquisas, resultaram para os pesquisadores em um conhecimento muito grande. É bastante importante para a sociedade, para os pacientes e para os profissionais da área da saúde terem cada vez mais informações concretas sobre essa doença”, pontua o Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior.

A publicação (em versão online) contou com a colaboração de inúmeros pesquisadores, possibilitando a difusão do conhecimento e informações importantes sobre a doença, sendo que para os autores se espera, cada vez mais, que os estudos progridam com sucesso em prol da evolução do conhecimento, tendo como meta o bem estar da sociedade.

Para conferir este livro, clique AQUI.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

1 de dezembro de 2023

“Amamentar sem dor” – eBook do IFSC/USP orienta lactantes para o processo de amamentação

(Créditos – “Dano”)

Na continuação do projeto de pesquisa-piloto iniciado pelo Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e pelo Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF) para tratamento de fissuras mamárias – um problema recorrente derivado de condutas erradas no período de amamentação -, o projeto passou agora para uma nova fase com a criação e publicação de um eBook que, em formato de guia, apresenta orientações para auxiliar as lactantes.

Apresentando mitos e verdades sobre o processo de amamentação, bem como indicações de como se processam a denominada “pega” correta e o posicionamento do bebé na hora de mamar, entre outros fatores, este guia, mais do que informar, conduz as lactantes a métodos que evitam as dores da amamentação, prevenindo as fissuras (feridas) mamárias e contribuindo para a saúde dos recém-nascidos.

Neste momento, o projeto está sendo desenvolvido na maternidade da Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC) pela pesquisadora-fisioterapeuta Drª Sabrina Peviani*.

Sobre este guia, a pesquisadora sublinha que “Além de tudo, ele é uma forma de combater uma cultura instalada de que a dor faz parte da amamentação e que as físsuras mamárias são uma consequência natural do pós-parto. Nesta publicação desmistificamos muitas coisas, separamos o que é a verdade e o que é o mito e alertamos para que procedimentos incorretos no momento da amamentação podem trazer problemas não só para os bebés, como também para as lactantes, até porque muitas mulheres perdem o bico da mama por não serem devidamente orientadas”.

Este guia está sendo distribuído na maternidade da SCMSC, prevendo-se em breve ações similares em outras unidades de saúde.

O guia, em formato de eBook, poderá ser consultado no portal do IFSC/USP (AQUI)

*Sabrina Peviani (44) é Fisioterapeuta, formada na UFSCar em 2003, com Doutorado e Pós-Doutorado na mesma Universidade. Atua na área de Fisioterapia de Saúde da Mulher, sendo autora deste projeto-piloto de Pós-Graduação no IFSC/USP.

 Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

9 de outubro de 2023

Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF) completa oito anos de sua criação – Inovações tecnológicas do IFSC/USP já beneficiaram cerca de cinco mil pacientes de todo o país

Tratamento para recuperação de olfato e paladar (sequelas pós-Covid)

A Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF), localizada na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC), fruto de uma feliz parceria entre essa entidade e o Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) está comemorando oito anos de sua criação, com uma atividade intensa dedicada à saúde e à qualidade de vida da sociedade.

As largas dezenas de pesquisadores que passaram por essa Unidade ao longo destes anos – pós-doutorandos, doutorandos, mestrandos e alunos de iniciação científica – contribuíram em larga escala para a formação de novos profissionais que viriam auxiliar no desenvolvimento e aplicação de novas tecnologias à base de laser e protocolos para tratamento de pacientes com os mais variados quadros clínicos – câncer de pele, onicomicose (micose da unha), úlceras venosas diabéticas e arteriais, fibromialgia, artrose e sequelas de Covid, entre outros. É um vasto trabalho desenvolvido e executado no IFSC/USP, que culminou com a introdução de novas metodologias dedicadas aos mais diversos tratamentos e o lançamento de vários equipamentos que foram absorvidos pela indústria nacional e que hoje se encontram ao dispor de todos, tudo isso tendo como foco a sociedade.

Pesquisador Antonio Eduardo de Aquino Junior

Para o Dr. Antonio Eduardo de Aquino Junior, coordenador da UTF, essa Unidade está se renovando a cada dia, sendo que, nos últimos anos, foram adicionados protocolos para a realização de novos tratamentos para doenças, como, por exemplo, tendinite, burcite, capsulite adesiva, sequelas pós-covid e, ainda estudos sobre o sono. A área de odontologia, coordenada pelo pesquisador e pós-doutorando do IFSC/USP, Dr. Vitor Hugo Panhóca, também tem estado em destaque, com o desenvolvimento de vários projetos de tratamentos relacionados, entre outros, com a recuperação de olfato e paladar (sequelas da Covid), mucosite, paralisia facial e, mais recentemente, minimizando as consequências da Doença de Parkinson, com resultados muito expressivos. Uma das mais recentes pesquisas na UTF, atualmente em curso, diz respeito às substanciais alterações tecnológicas que foram feitas visando potencializar a utilização do laser em processos de cicatrização, estando neste momento ocorrendo a fase experimental de tratamentos em fissuras mamárias, um projeto liderado pela pesquisadora Drª Sabrina Peviani, fisioterapeuta e especialista em saúde da mulher, em estreita colaboração com a médica pediatra Dra. Renata Bagnato, cuja missão é acompanhar de perto os processos. “De fato, estamos testando um novo dispositivo tecnológico diferenciado, à base de laser, cujo objetivo é facilitar o processo de cicatrização das fissuras mamárias, já que elas provocam bastantes dores nas lactantes, criando impactos negativos na amamentação. É uma visão diferenciada por parte do cientista do IFSC/USP, Prof. Vanderlei Bagnato, responsável por todas as pesquisas desenvolvidas na UTF”, pontua Antonio de Aquino Junior.

Com cerca de cinco mil atendimentos registrados ao longo destes oito anos, a UTF continua seu caminho na busca por inovações tecnológicas desenvolvidas no IFSC/USP, devidamente aprovadas e posteriormente disseminadas entre os profissionais de saúde, beneficiando, assim, todos quantos necessitam de atendimento e tratamentos para as mais diversas doenças.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

22 de setembro de 2023

Pesquisa-piloto para tratamento de fissuras mamárias – IFSC/USP faz chamada de pacientes

(Créditos – Sanosan)

O Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e o Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF), alocado no mesmo Instituto, iniciam hoje (18/09) uma nova pesquisa-piloto para tratamento de fissuras mamárias, um projeto que irá durar trinta dias com chamada de dez pacientes lactantes voluntárias, com idades iguais ou superiores a 18 anos.

O novo tratamento, com supervisão do Comité de Ética, é feito através de aplicação de laser nas fissuras mamárias, sendo que este projeto também abrirá um espaço para difundir orientações para futuras mães, tendo em vista prevenir o aparecimento de fissuras nos seios, resultado de diversos fatores como o posicionamento da mãe e do bebê na hora da amamentação.

A pesquisadora fisioterapeuta, Drª Sabrina Peviani*, será a responsável por este projeto, lembrando que essas fissuras geralmente ocorrem mais no início da amamentação e também através de um conjunto de fatores que levam a esse quadro. “Faremos uso de dois instrumentos importantes: o primeiro, passar as orientações às lactantes e o segundo, o tratamento com laser. Para o tratamento das fissuras, com o uso da nossa tecnologia, calculamos a realização de entre três e seis sessões em cada paciente e em dias alternados. Conforme forem sendo obtidos os resultados desta primeira fase do projeto, iremos ainda este ano fazer uma chamada de cem lactantes que tenham fissuras mamárias para consolidar a pesquisa e com ela publicar um artigo científico, sendo que já sabemos que o laser é uma indicação para esse tratamento”, pontua a pesquisadora, acrescentando que nesta chamada de dez lactantes, apenas não poderão se inscrever pacientes que tenham algum processo infeccioso, como, por exemplo, candidíase e histórico oncológico ativo. “Ainda, acreditamos que o uso da tecnologia e da metodologia proposta, seja um divisor de águas na qualidade de amamentação do bebê e sem dores para as mamães”, acrescenta a pesquisadora.

Sabrina Peviani

Os pesquisadores vêem benefícios muito grandes neste tratamento rápido, não-invasivo e indolor, atendendo a que a amamentação não é um processo fácil. Sabrina Peviani espera que com esse seu projeto possa auxiliar essas lactentes, principalmente minimizando as dores causadas pelas fissuras mamárias, que são o primeiro passo para o desmame precoce, podendo esse quadro levar a infecções mais complexas.

Com uma nova metodologia na aplicação do laser, este tratamento insere-se numa evolução dos equipamentos e protocolos desenvolvidos no IFSC/USP, em prol da sociedade, e que tem trazido vários benefícios aos mais diversos tipos de pacientes – tratando dores, doenças crônicas, etc.. Agora, com este tratamento, chegou a vez de se procurar uma melhora da qualidade de vida para as lactantes e para os bebês já no início de suas vidas. O projeto ocorre sob orientação do Prof. Vanderlei Bagnato e com a colaboração do Dr. Aquino Aquino, coordenador da Unidade de Terapia Fotodinâmica da Santa Casa, uma unidade clínica do IFSC/USP.

As lactantes interessadas em participar deste projeto-piloto deverão se inscrever, a partir do dia 18/09, na Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF), localizada na Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC).

Contato – (16) 3509-1351

Secretária – Mônica

*Sabrina Peviani (44) é Fisioterapeuta, formada na UFSCar em 2003, com Doutorado e Pós-Doutorado na mesma Universidade. Atua na área de Fisioterapia de Saúde da Mulher, sendo autora deste projeto-piloto de Pós-Graduação no IFSC/USP.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

13 de setembro de 2023

Patologias incomuns são agora um novo foco para estudos – pesquisas iniciais remetem para um novo tratamento

(Créditos: Homage)

Pesquisadores do Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e do Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF), que desenvolvem seus trabalhos em colaboração com a Santa Casa da Misericórdia de São Carlos (SCMSC), na denominada Unidade de Terapia Fotodinâmica (UTF), têm-se deparado várias vezes, ao longo do tempo, com pacientes procurando tratamento para patologias que não são muito vulgares. Habituados a tratar pacientes com tendinites, artrite reumatoide, ou mesmo artroses, os fisioterapeutas da UTF foram recentemente confrontados com um paciente apresentando artrite gotosa (hiperuricemia), uma doença inflamatória provocada pelo aumento da taxa  de ácido úrico no sangue causada pela deposição de cristais nas articulações e com tendências para um desgaste prematuro.

A pesquisadora do IFSC/USP e fisioterapeuta, Drª Ana Carolina Negraes Canelada, salienta os efeitos dessa doença, que apresenta um aumento significativo de dores e uma acentuada diminuição dos movimentos. “A hiperuricemia é derivada de uma má alimentação caracterizada por refeições ricas em carne, sal, açúcar e também pelo excesso de consumo de álcool”. Recentemente, os pesquisadores da UTF atenderam um paciente sofrendo com inúmeras crises intensas ao longo de um mês inteiro, tendo sido diagnosticado com  artrite gotosa (gota), tendo sido submetido ao tratamento com o uso de laser e ultrassom, obviamente sem interromper a medicação que se encontrava prescrita pelos médicos. “Realizei esse tratamento durante vinte sessões e o que mais me chamou a atenção durante esses dois meses e meio que durou o procedimento, foi que esse paciente não teve uma única crise durante esse período, retomando o seu cotidiano, mas dessa vez recuperando a sua qualidade de vida”, comemora a pesquisadora.

Ana Carolina Negraes Canelada

Por outro lado, na UTF estão sendo atendidos, atualmente, dois pacientes com a denominada “dor neuropática”, classificada igualmente no quadro de patologias incomuns. Essa dor deriva de uma lesão, de uma disfunção do sistema nervoso periférico e do sistema nervoso central. “Essa é uma dor diferente das outras mais comuns, agudas, já que ela se assemelha a agulhadas e queimações semelhantes  a choques elétricos. Essas dores são  instantâneas e não são prolongadas. Há um tempo atrás, atendi – e ainda estou atendendo – uma paciente com neuralgia  pós-herpética e também com neuralgia no nervo trigêmeo. Quanto à neuralgia  do trigêmeo, ela se dá na região crânio facial e surge devido a vários  fatores: uma compressão de vasos periféricos, lesões tumorais, podendo aparecer também através de uma reativação do vírus varicela zoster, que é a catapora. E a incidência normal dessa patologia gira em torno de 4,5 a cada cem mil indivíduos, principalmente mulheres com idades compreendidas entre os 60 e os 70 anos”, pontua Ana Carolina.

De fato, essa paciente tratada por Ana Carolina chegou até à UTF com dores na região da mandíbula, sensação de choques elétricos, pontadas, agulhadas, tendo informado os pesquisadores de que vinha sofrendo dessa condição há muito tempo, tendo, entretanto, testado vários tratamentos – sem sucesso -, mantendo a administração de analgésicos muito fortes, contudo, com pouco efeito na dor neuropática. “Quando a paciente chegou para fazer o tratamento, ela alegou que morria de medo de mastigar, de realizar o movimento da mastigação. Então, ela triturava antecipadamente os alimentos e tomava sopa e outros líquidos para não ter que realizar a mastigação. Ao final da quinta sessão, na visita seguinte, a paciente comentou com um sorriso: “Eu estou tão feliz! Participei de um churrasco, comi carne, mastiguei carne e estou tomando menos um comprimido do lote que tomava antes do tratamento”. Ainda não terminamos o processo com  ela, já que ainda está em tratamento. De zero a dez – sendo que o zero significa ausência total de dor -, segundo a própria avaliação da paciente, ela classificou o seu estado atual em 3”, conclui a pesquisadora.

O Dr. Antonio Eduardo Aquino Junior, coordenador dos tratamentos que se realizam na UTF, destaca a importância de futuramente se abrir uma nova fronteira para tratamentos de patologias incomuns. “Ao identificar esses casos raros, incomuns, cujas primeiras abordagens já nos deram uma orientação muito positiva,  nossa proposta é que, após a submissão dos artigos científicos relativos a esses estudos, podemos avançar em mais experimentos e pesquisas para, junto com novos pacientes, conseguirmos consolidar esse novo tratamento”.

Rui Sintra -Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

4 de setembro de 2023

Pesquisa do IFSC/USP aponta caminho para tratamento associativo na melhoraria da qualidade do sono – Aplicação conjugada de laser e ultrassom

(Créditos: Medical University of Vienna)

A partir de resultados obtidos no tratamento das consequências da fibromialgia, desenvolvido no Grupo de Óptica do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP) e no Centro de Pesquisas em Óptica e Fotônica (CEPOF), um CEPID da FAPESP alocado no mesmo Instituto, surge agora a possibilidade de se desenvolver  um tratamento específico para melhorar a qualidade do sono de quem sofre com esse incômodo que compromete a saúde e a qualidade de vida.

Vanessa Garcia

Os fisioterapeutas Vanessa Garcia (42) e Tiago Zuccolotto (23) são os pesquisadores-colaboradores do IFSC/USP que começaram a estudar e a testar este novo tratamento com base em Terapia Fotossônica, através da aplicação conjugada de laser e ultrassom. “Através dos tratamentos realizados em doentes fibromiálgicos começamos a perceber que uma de suas queixas era sobre a má qualidade do sono. Pelos relatos dos pacientes, soubemos que a maioria deles não conseguia ter uma boa noite de sono, o que, nesse caso, ia gerando mais estresse, alteração de humor e com um aumento das dores. Conforme íamos aplicando o tratamento, o primeiro testemunho dos pacientes foi na melhora da qualidade do sono, algo que também conseguimos verificar quando estivemos no projeto de tratamentos em pacientes Pós-COVID. Ou seja, o que conseguimos observar foi que o uso conjugado de laser e ultrassom consegue restabelecer a qualidade do sono, e foi aí que abrimos esta nova linha de pesquisa essencialmente dedicada a quem sofre com esse distúrbio”, pontua Vanessa Garcia.

Tiago Zuccolotto comemora o fato de estar entrando em um novo desafio, abrindo uma nova porta para um tratamento que poderá, em um futuro próximo, beneficiar muita gente. “Tem muitas pessoas que fazem uso de medicamentos fortes para induzir o sono. Nossa intenção é avançar nesta pesquisa e desenvolver um novo tratamento indolor que possa melhorar a ação dos medicamentos, agindo como uma terapia associativa, restabelecendo a qualidade de vida das pessoas que sofrem com esse distúrbio”, sublinha Tiago.

Tiago Zuccolotto

Este projeto de pesquisa, que se iniciou em janeiro de 2022, já envolveu dezoito pacientes não fibromiálgicos, ou seja, apenas com distúrbios de sono – mulheres com idades acima dos trinta anos – em um teste inicial de dez sessões ao longo de vinte dias. Contudo, a pergunta é inevitável – só mulheres, porquê? “Para este início de pesquisa escolhemos mulheres com idades iguais ou situadas um pouco acima dos trinta anos, já que acima dos quarenta ou quarenta e cinco anos elas já entram na situação de menopausa, que provoca uma alteração hormonal que acaba também afetando tanto a parte emocional, quanto o sono, podendo desencadear crises de ansiedade e estado de depressão.

Assim, nos concentramos em pacientes mulheres com idades iguais ou acima dos trinta anos, nesta primeira fase do projeto”, conclui Tiago.

Os dados obtidos até o momento e que foram utilizados no trabalho de conclusão de curso dos pesquisadores acima identificados, alunos de fisioterapia da UNICEP, despontam como uma opção interessante para que a Terapia Fotossônica seja associada ao tratamento medicamentoso que é amplamente recomendado. O trabalho foi recentemente encaminhado a uma revista científica internacional para ser apreciado. Após a publicação do manuscrito, a técnica de tratamento será disponibilizada para profissionais interessados que queiram beneficiar seus pacientes, aponta o Dr. Antonio E. de Aquino Junior, coordenador do estudo.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

31 de agosto de 2023

Composto combate bactérias resistentes em menos de uma hora

(Créditos – Agência FAPESP)

A eficácia dos antibióticos é um problema que alarma a comunidade médica e científica, não sendo raro encontrar bactérias resistentes a três tipos diferentes de medicamentos (chamadas multidroga resistentes, ou MDR), ou até mesmo a todos os tratamentos disponíveis na atualidade (pandroga resistentes, PDR). Elas estão associadas a infecções perigosas e são listadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como patógenos prioritários para a busca de novos fármacos, com a máxima urgência.

Estudo publicado em edição especial da revista Antibiotics destaca um composto com atividade antibacteriana que apresentou resultados promissores nos testes in vitro, dentro da primeira hora de ação. A pesquisa, financiada pela FAPESP, foi liderada por Ilana Camargo e conduzida durante o doutorado de Gabriela Righetto no Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Moleculares (LEMiMo) do Instituto de Física de São Carlos da Universidade de São Paulo (IFSC-USP).

“Trata-se de um novo peptídeo, denominado Pln149-PEP20, que possui arcabouço molecular planejado para melhorar a atividade antimicrobiana, com baixa toxicidade. Os resultados podem ser considerados promissores à medida que foram usadas nos testes bactérias patogênicas associadas a infecções multirresistentes em todo o mundo”, explica Adriano Andricopulo, um dos cientistas que assinam a publicação.

A busca por novos fármacos antibacterianos, apesar de extremamente necessária, tem sido pouco observada pela indústria farmacêutica, principalmente por causa das dificuldades de pesquisa, com longo período e alto custo para obter um composto ativo viável para ser colocado no mercado. O Centro de Pesquisa e Inovação em Biodiversidade e Fármacos (CIBFar) tem entre seus objetivos encontrar moléculas que possam combater essas bactérias multidroga resistentes.

Camargo e Andricopulo são pesquisadores do CIBFar, um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP, assim como outros dois pesquisadores que assinam o trabalho e que se dedicam a estudar compostos bactericidas promissores, Leila Beltramini e José Luiz Lopes. Há mais de uma década o grupo formado pela colaboração entre Beltramini e Lopes analisa a Plantaricina 149 e seus análogos. Um dos primeiros trabalhos da equipe, em 2007, mostrou que o peptídeo é capaz de inibir bactérias patogênicas como Listeria sp. e Staphylococcus sp.. A partir daí, passaram a estudar análogos sintéticos [moléculas com pequenas diferenças estruturais] que tivessem atividade bactericida melhor que a do peptídeo original, ou seja, causando maior dano à membrana dos microrganismos que devem combater.

Bactérias do gênero Lactobacillus plantarum são amplamente distribuídas na natureza e produzem substâncias chamadas plantaricinas, que combatem outras bactérias. São frequentemente usadas na fermentação de vegetais, produtos derivados de carne, leite e embutidos. No caso da Plantaricina 149, o primeiro relato da ação bactericida foi feito em 1994, por pesquisadores japoneses e, desde essa época, há interesse em obter derivados sintéticos mais eficientes.

Righetto, com apoio de bolsa da FAPESP, sintetizou 20 análogos derivados da Plantarina 149 até encontrar a nova substância, que mostrou os melhores resultados até o momento e, ainda, é 50% menor do que o peptídeo original. “Os principais pontos da pesquisa constituem tanto no desenvolvimento da molécula menor, mais ativa e menos tóxica, quanto caracterizar sua ação e sua propensão no desenvolvimento de resistência. A molécula se mostrou muito promissora in vitro, sendo ativa contra bactérias de linhagens multidroga resistentes e extensivamente resistentes”, ressalta Camargo, orientadora do trabalho.

O LEMiMo, onde os estudos foram feitos, é um laboratório com experiência em caracterização de isolados bacterianos envolvidos em surtos em hospitais e, por isso, conta com uma coleção de bactérias selecionadas para esses testes em busca de novos compostos ativos. Esses microrganismos possuem os perfis de resistência mais preocupantes da atualidade, foram isolados durante surtos em hospitais e são conhecidos pelo acrônimo “ESKAPE” na comunidade científica.

Agora, novos estudos podem ser feitos tanto para investigar mais a fundo o mecanismo de ação da molécula quanto para buscar formulações e se aproximar de uma possível aplicação. “Em termos de mecanismo de ação, ainda é possível usar a morfologia celular bacteriana para identificar vias celulares afetadas pelo peptídeo. Quanto à otimização, é possível tanto funcionalizar a molécula, ligando-a com macroestruturas, quanto modificar novamente a sequência de aminoácidos”, diz Righetto. Há também a necessidade de investigações sobre a citotoxicidade e determinação do índice de seletividade, que indica se uma molécula afeta ou não as células saudáveis.

“Vivemos tempos de grandes ameaças à saúde pública mundial por causa da escassez de antimicrobianos para tratar infecções causadas por bactérias extremamente resistentes. Os peptídeos antimicrobianos são alvos de grande interesse para o desenvolvimento de novos candidatos a fármacos. Esta nova molécula tem potencial para ser usada como uma inovadora terapia antimicrobiana, mas novas modificações e otimizações moleculares ainda precisam ser investigadas”, ressalta Andricopulo.

A investigação também envolveu o Infectious Disease Institute da Harvard Medical School, em Boston (Estados Unidos), por meio dos pesquisadores Paulo José Martins Bispo e Camille André.

O artigo Antimicrobial Activity of an Fmoc-Plantaricin 149 Derivative Peptide against Multidrug-Resistant Bacteria pode ser lido em: www.mdpi.com/2079-6382/12/2/391

(Por: Ricardo Muniz / Agência FAPESP)

Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

29 de agosto de 2023

Microbiota residencial: Projeto de pesquisa busca bactérias resistentes a antibióticos

Um projeto em curso no Laboratório de Epidemiologia e Microbiologia Moleculares (LEMiMo), vinculado ao IFSC-USP, está buscando voluntários para participarem numa pesquisa destinada a encontrar bactérias resistentes a antibióticos na comunidade.

Para que se possa entender melhor esta pesquisa, os cães que vivem em residências contribuem diretamente para a microbiota da casa – que é o conjunto dos microrganismos que se encontram geralmente associados a tecidos ou órgãos de animais ou plantas e que estabelecem colônias permanentes dentro ou sobre o corpo sem produzir doenças, compondo a microbiota normal do corpo. Da mesma forma, os tutores desses animais também contribuem para essa microbiota, através de condições encontradas em ambientes externos e fontes internas, como, por exemplo, ventilação, materiais de construção e umidade, entre outras.

As fezes dos cães são as principais fontes de bactérias no ar externo do ambiente urbano, contribuindo indiretamente para a microbiota das casas, mesmo quando as famílias não têm cães. Por isso, este projeto de pesquisa denominado “Estratégias de intervenção da microbiota que limitam a seleção e a transmissão de resistência a antibióticos no domínio da saúde única (MISTAR)” pretende avaliar a poeira de casas e a microbiota dos residentes (tutor e cão) antes e durante um período de purificação de ar.

Para participar desta pesquisa, é necessário que os voluntários sejam maiores de 18 anos, residam em casa/apartamento térreo, ou primeiro andar, e que não tenham feito uso de antibióticos nos últimos três meses. No momento, os pesquisadores responsáveis por este projeto buscam voluntários que façam parte de dois grupos: um grupo que não possui animais de estimação, e um grupo que possui cães de estimação que estejam em tratamento, ou que tenham feito tratamento com antibióticos nos últimos três meses. A sequência dos trabalhos inclui, entre outros procedimentos, a coleta de poeira residencial e amostras de fezes de humanos e cães para análise.

O fundamento desta pesquisa é tentar detectar bactérias que sejam resistentes a antibióticos, preservando ambientes saudáveis para a saúde.

Os interessados em participar nesta pesquisa poderão entrar em contato com a equipe de pesquisadores através do email lemimo@ifsc.usp.br, ou pelo telefone (16) 33736690.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

21 de julho de 2023

Detectando várias doenças através de sangue, saliva ou suor – “SIMPLE-Z” desenvolvido no IFSC/USP já está em sua versão comercial

Um analisador de impedância elétrica capaz de medir propriedades elétricas de diversos materiais, principalmente fluidos biológicos, de forma rápida e barata, comparativamente a outros equipamentos importados e disponíveis no mercado. Com este novo instrumento, que apresenta um alto nível de precisão, abre-se uma nova porta para serem detectadas contaminações por vírus e bactérias, além de diversas doenças, como, por exemplo, os canceres de mama, pâncreas, cabeça e pescoço, e próstata. Mas não fica por aí!

Batizado de “SIMPLE-Z”, este novo equipamento foi desenvolvido em 2020 pelo então (à época) Pós-Graduando do IFSC/USP, Lorenzo Antonio Buscaglia, durante seu mestrado em Física Aplicada/Instrumentação, sob supervisão do Prof. Dr. Osvaldo Novais de Oliveira Junior (IFSC/USP) e com a colaboração do Prof. João Paulo Pereira do Carmo, da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC/USP), tendo contado com o patrocínio da FAPESP.

Ao longo destes três últimos anos, Lorenzo Buscaglia (27) foi aprimorando este novo equipamento portátil, tendo chegado recentemente à sua versão comercial definitiva, possibilitando, com ela, a medição de propriedades elétricas em biossensores dedicados não só a diagnósticos clínicos, pesquisas em hospitais, mas também para controle de qualidade de alimentos, água e solos, entre outros exemplos.

Lorenzo Buscaglia

Já com a patente do equipamento devidamente solicitada, o inventor da USP de São Carlos abriu uma “start-up” na cidade – a Blatron Tecnologia – e hoje o “SIMPLE-Z” já está sendo comercializado. “Meu plano de carreira sempre foi fazer pesquisa e desenvolvimento, mas de uma forma mais próxima ao mercado. Sempre tive a intenção de desenvolver tecnologias que tivessem uma utilidade social mais tangível, já que a pesquisa acadêmica muitas vezes pensa em prazos mais distantes. Com a versão inicial do “SIMPLE-Z” que já está sendo comercializada, o passo seguinte e recente foi a candidatura a um projeto PIPE da FAPESP, que está ocorrendo, tendo a “start-up” iniciado os trabalhos para melhorar, até 2025, o equipamento”, relata Lorenzo A. Buscaglia.

Resumidamente, as melhorias que o equipamento irá apresentar em breve é a ampliação de algumas faixas de utilização para que ele possa ser utilizado com mais materiais, mais biossensores. “Além disso, iremos melhorar a experiência do usuário na utilização do software, incluindo novas funcionalidades de visualização e análise dos dados, e também tornar o equipamento compatível com mais plataformas e dispositivos”, sublinha Lorenzo. Segundo nosso entrevistado, a comercialização do “SIMPLE-Z” visa, essencialmente, dois mercados. O primeiro é voltado para os grupos de pesquisas, nas áreas principalmente de eletroquímica, de biossensores, e o outro mercado é a de laboratórios de ensino nas partes de física e engenharias.

O grupo de pesquisa onde Lorenzo Buscaglia desenvolveu o seu projeto, liderado pelo Prof. Osvaldo Novais de Oliveira Junior (IFSC/USP), utiliza esta técnica de espectroscopia de impedância, que é a técnica que o “SIMPLE-Z” aplica, sendo que ela já serviu para a detecção do vírus da COVID-19, de bactérias em leite, detecção de mastites em vacas leiteiras, de agrotóxicos em cascas de frutas, enfim, um lote enorme de aplicações.

Para mais informações sobre este equipamento, acesse www.blatron.com/simplez, ou contate lorenzo.buscaglia@blatron.com para dúvidas.

Rui Sintra – Assessoria de Comunicação – IFSC/USP

Fale conosco
Instituto de Física de São Carlos - IFSC Universidade de São Paulo - USP
Obrigado pela mensagem! Assim que possível entraremos em contato..